Família Bahia Vianna

História dos Bahia Vianna, de Pedro Leopoldo, MG


Deixe um comentário

Bahia da Rocha – Notas

Estas notas, geradas automaticamente a partir de dados genealógicos, complementam o artigo Os Bahia da Rocha em Bambuí, enumerando os descendentes do Capitão Manuel Bahia da Anunciação. São incluídos na listagem os tios e avós dos descendentes diretos na linha do Capitão. Os descendentes diretos estão destacados em negrito. Os números entre parêntesis são referências cruzadas a nomes já mencionados, e entre colchetes são referências às fontes das informações.

Geração n.1
1. Capitão Manuel Bahia da Anunciação (da Rocha)
Nascido em 1789 em Pitangui, MG
Falecido em 17/11/1855 em Pitangui, MG
Fonte: [3] Fórum sobre a família Bahia da Rocha, (Felipe de Vasconcellos)
Pais: José Bahia da Rocha e Maria dos Santos Gomes.
Casou-se com Genoveva Maria Clara .

2. Genoveva Maria Clara
Nascida em 1802 em Pitangui, MG
Falecida em 1859 em Pitangui, MG
Pais: José Corrêa e Melo e Lauriana Maria Clara da Silva.
Casou-se com Manuel Bahia da Anunciação (1).
Filhos:
Manoel Bahia da Rocha Júnior
Ana Maria do Espírito Santo 
Maria Clara da Circuncisão Bahia
Maria Clara da Silva
Francisco Bahia da Rocha
Miguel Raimundo da Rocha Bahia

3. Maria Felisberta da Silva (Maria Tangará)
Falecida em 20/1/1837 em Pitangui, MG 
[2] (Testamento de Maria Tangará, no Arq. Judiciário de Pitangui, MG)
Fonte: Site de Pitangui, Prof. Arnaldo de Souza Ribeiro
Mudou-se para Pitangui em 1794, já casada e com filhos.
Pais: Miguel Gonçalves Palmeira e Anna Teresa da Silva.
Casou-se com Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga.
Filhos:
Balbina Felisberta da Cunha Alvarenga
Delfina da Cunha Alvarenga
Ildefonso da Cunha Alvarenga
Pulquéria Severina da Cunha Alvarenga
Gomes da Cunha Alvarenga
Lino Joaquim da Cunha Alvarenga
Bazilio de Araújo da Cunha Alvarenga
Matildes da Cunha Alvarenga
Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga

4. Sargento Mor Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga
Falecido em 1857
Fonte: [2] 
Pais: José de Araújo da Cunha e Úrsula Maria de Alvarenga.
Casou-se com Maria Felisberta da Silva (3).

5. João Gonçalves dos Reis
Fonte: [2] 
Casou-se com Ana da Silva.

6. Ana da Silva
Casou-se com João Gonçalves dos Reis (5).
Filhos:
Domingos Gonçalves dos Reis

7. Policena Moreira da Silva
Nascida em 1811 em Fazenda Capim Branco, Matozinhos, MG [6]
Falecida em 22/1/1900
Pais: Appolinário Ferreira Pinto e Custódia Moreira da Silva.
Casou-se com Antônio Gonçalves da Silva Mascarenhas em 1824 [19].
Filhos:
Antônio Cândido Mascarenhas
Bernardo Cândido Mascarenhas
Antonino Gonçalves da Silva Mascarenhas
Escolástica Cândida da Silva Mascarenhas
José Gonçalves da Silva Mascarenhas
Custódia Mascarenhas
Francisca Gonçalves Mascarenhas
Victor Gonçalves da Silva Mascarenhas
Pacífico Gonçalves da Silva Mascarenhas
Caetano Gonçalves da Silva Mascarenhas
Maria Theodora Gonçalves Mascarenhas
Sebastião Gonçalves da Silva Mascarenhas
Francisco Gonçalves da Silva Mascarenhas

8. Antônio Gonçalves da Silva Mascarenhas
Nascido em 1795
Falecido em 12/1/1884 em Curvelo, MG
Fonte: [24] Arquivo Genealogias Mineiras, de Guaracy de Castro Nogueira
Pais: Antônio Gonçalves Mascarenhas e Joaquina Maria da Conceição.
Casou-se com Policena Moreira da Silva (7) em 1824 [19].

9. Capitão Alexandre Corrêa de Lacerda e Mesquita
Casou-se com Idalécia Maria Barbosa.

10. Idalécia Maria Barbosa
Casou-se com Alexandre Corrêa de Lacerda e Mesquita (9).
Filhos:
Carolina Corrêa de Lacerda

11. Tenente Coronel Felipe Joaquim da Cunha e Castro
Nascido em Ouro Preto, MG
Falecido em 26/1/1841
Casou-se com Maria do Carmo Pereira de Vasconcelos em 1806.

12. Maria do Carmo Pereira de Vasconcelos
Nascida em 28/4/1787 em Ouro Preto, MG
Falecida em 19/4/1849 em Ouro Preto, MG
Pais: Diogo Pereira Ribeiro de Vasconcelos e Maria do Carmo Barradas.
Casou-se com Felipe Joaquim da Cunha e Castro (11) em 1806.
Filhos:
Francisco Gabriel da Cunha e Castro Vasconcellos
Bárbara Umbelina de Sá e Castro

13. Luiz Joaquim da Cunha e Castro
Falecido em 1841
Casou-se com Bernarda Maria de Souza Machado.

14. Bernarda Maria de Souza Machado
Pais: Luiz Joaquim de Souza Machado e Maria Joaquina de Oliveira Campos.
Casou-se com Luiz Joaquim da Cunha e Castro (13).
Filhos:
Rita Maria da Cunha e Castro
Joanna Helena de Sá


Geração n.2
15. Joaquim Alves dos Santos Vianna
Nascido em 1810 em Fazenda de Cima dos Alves, Taquaruçu, MG [13]
Em seu assento de casamento, em 1841, lhe são atribuídos 31 anos de idade.
Faleceu antes de 04/05/1892, quando se casou seu filho Pedro A. S. Vianna
Fonte: [14] Filhos de Joaquim A. S. Vianna
Pais: Manoel Alves dos Santos e Anna Joaquina Moreira de Castilho.
Casou-se com Joaquina Cândida de Souza Vianna em 20/7/1841
na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
[9] (lv. 1822/1899 fl. 44 Sta. Luzia, MG).

16. Cândido José de Souza Vianna
Batizado em 5/8/1819 em Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
[15] (lv. 1818/1825 fl. 12v Lagoa Santa, MG)
Padrinhos: Bernardo de Souza Vianna Mosso e Dona Theodora Luíza da Piedade;
Herdou a Fazenda do Sumidouro;
Faleceu entre 1871, em que foi padrinho, e 1879,
em que ocorreu o casamento da filha - Anna Cândida da Fonseca Vianna.
Fonte: [1] 
Pais: José de Souza Vianna e Maria Cândida da Assumpção Fonseca Ferreira
Casou-se com Brígida Honorina Gonçalves Moreira da Silva.

17. Joaquina Cândida de Souza Vianna
Nascida em 1821 em Santa Luzia, MG
Batizada em 18/9/1821 em Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
[15] (lv. 1818/1825 fl. 91 Sta. Luzia, MG)
Falecida em Matozinhos, MG
Fazenda de Matinhos
Pais: José de Souza Vianna e Maria Cândida da Assumpção Fonseca Ferreira
Casou-se com Joaquim Alves dos Santos Vianna (15) em 20/7/1841
na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
[9] (lv. 1822/1899 fl. 44 Sta. Luzia, MG).
Filhos:
Ana da Fonseca Alves Vianna
Francisco Alves dos Santos Vianna
Maria Augusta Alves dos Santos Vianna
Joaquina Alves
Pedro Alves dos Santos Vianna
Rita de Cássia dos Santos Vianna
Joaquim Alves dos Santos Vianna Filho
Manoel Alves dos Santos Vianna
Josefa Cândida Alves dos Santos Vianna
Úrsula Alves dos Santos Vianna
José Alves dos Santos Vianna
Joaquina Alves dos Santos Vianna

18. Brígida Honorina Gonçalves Moreira da Silva
Batizada em 21/10/1827 em Fidalgo, Lagoa Santa, MG
[15] (lv. 1823/1843 fl. 184 Lagoa Santa, MG)
Nascida na Fazenda da Cachoeira Grande;
Fonte: Geneall.net N12, Anexo 176 - Vol II
Fonte: [20] 
Pais: Francisco Fidélis da Silva e Perpétua Moreira da Silva.
Casou-se com Cândido José de Souza Vianna (16).
Filhos:
José Cândido da Fonseca Vianna
Francisco de Paula Fonseca Vianna
Cândido da Fonseca Vianna
Luiz Augusto da Fonseca Vianna
Anna Augusta da Fonseca Vianna
Adelaide da Fonseca Vianna
Izidro da Fonseca Vianna
Laura da Fonseca Vianna
Laurinda Cândida da Fonseca Vianna
Joaquim Cândido da Fonseca Vianna

19. Capitão Joaquim Dias da Silva
Casou-se com Maria Cândida d'Assumpção .

20. Maria Cândida d'Assumpção 
Casou-se com Joaquim Dias da Silva (19).
Filhos:
José Dias da Silva
Maria Cândida d'Assumpção Dias
Anna Cândida d'Assumpção Dias
Antônio Dias da Silva
João Dias da Silva
Francisca Theresa de Jesus Dias
Pedro Dias da Silva
Paulo 
Paulo Dias da Silva
Martinho Dias da Silva
Luíza Dias da Silva

21. Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga
Nascida por volta de 1815 em Pitangui, MG [21]
Fonte: [2] 
Pais: Inácio Alvarenga (4) e Maria Silva (3).
Casou-se com Manoel Bahia da Rocha Júnior por volta de 1838 em Pitangui, MG.
Filhos:
Manoel Alvarenga Bahia da Rocha
Genoveva Bahia da Cunha
Inácio Joaquim Bahia da Cunha
José Bahia da Rocha
João Bahia da Rocha
Thereza Bahia de Jesus
Inhá Alvarenga Bahia
Francisco Bahia da Rocha Sobrinho
Anna Alvarenga Bahia

22. Manoel Bahia da Rocha Júnior
Falecido antes de Setembro de 1887
[9] (lv.1 fl. 46v freg. Santana, Bambuí, MG)
Dono de Cartório em Pitangui
Há documento com firma reconhecida por Manoel datado de 14/02/1838.
Fonte: [2] 
Pais: Manuel Bahia da Anunciação (1) e Genoveva Clara (2).
Casou-se com Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (21)
por volta de 1838 em Pitangui, MG.

23. Ana Maria do Espírito Santo 
Solteira
Pais: Manuel Bahia da Anunciação (1) e Genoveva Clara (2).

24. Maria Clara da Circuncisão Bahia
Nascida em 1824 em Pitangui, MG
Falecida em 27/10/1912 em Pitangui, MG
[11] (lv.1912/1925 fl.10v, n.104, N.S.Pilar, Pitangui, MG)
Solteira
Pais: Manuel Bahia da Anunciação (1) e Genoveva Clara (2).

25. Major da Guarda Nacional Francisco Bahia da Rocha (Major Bahia)
Nascido em 1826 em Pitangui, MG
Falecido em 29/6/1912 em Pitangui, MG
[11] (lv.1912/1925 fl.3 n.63, N.S. Pilar, Pitangui, MG)
Sepultado na Matriz de Nossa Senhora do Pilar.
Pais: Manuel Bahia da Anunciação (1) e Genoveva Clara (2).
Casou-se com Carolina Corrêa de Lacerda.
Casou-se com Rita Maria de Jesus Lopes.

26. Domingos Gonçalves dos Reis
Fonte: [2] 
Pais: João Reis (5) e Ana Silva (6).
Casou-se com Antonia Maria Madalena .

27. Francisca Moreira da Silva
Pais: Appolinário Ferreira Pinto e Custódia Moreira da Silva.
Casou-se com Antônio Ferreira da Silva.
Filhos:
Francisca de Paula Moreira da Silva
Maria Moreira da Silva
João Alves Ferreira da Silva
Conceição Alves Ferreira da Silva
Angélica Alves Ferreira da Silva
Maria da Conceição Ferreira da Silva

28. Carolina Corrêa de Lacerda
Falecida em 23/4/1855
Pais: Alexandre Mesquita (9) e Idalécia Barbosa (10).
Casou-se com Francisco Bahia da Rocha (25).
Filhos:
Francisco Bahia da Rocha Filho
Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha

29. Rita Maria de Jesus Lopes
Casou-se com Francisco Bahia da Rocha (25).
Filhos:
Américo Bahia da Rocha
Genoveva Bahia da Rocha
Francisca Bahia da Rocha
Rita Bahia da Rocha
Sabina Bahia da Rocha
Cecília Bahia da Rocha
Maria Bahia da Rocha

30. Antônio Ferreira da Silva
Fonte: [26] 
Pais: Manoel Alves Diniz e Maria Ferreira da Silva.
Casou-se com Sinforosa Tiburtina Guedes.
Casou-se com Francisca Moreira da Silva (27).

31. Sinforosa Tiburtina Guedes
Fonte: [26] 
Casou-se com Antônio Ferreira da Silva (30).
Filhos:
Antônio Alves Ferreira da Silva
Tibúrcio Alves Ferreira da Silva

32. Antonia Maria Madalena 
Casou-se com Domingos Gonçalves dos Reis (26).
Filhos:
Cândido Gonçalves dos Reis

33. Padre João Félix Rodrigues Galvão
Fonte: [2] 
Filhos:
Ana Rosa Rodrigues

34. Doutor Francisco Cordeiro de Campos Valadares
Nascido em 30/10/1820 em Pompéu, Pitangui, MG [24] (Site myheritage.com.br)
Falecido em 15/6/1886 em Pompéu, Pitangui, MG
Médico formado no Rio de Janeiro em 20/12/1843
Pais: Joaquim Cordeiro Valadares e Antônia Jacinta de Oliveira Campos.
Casou-se com Antônia Benedita Álvares da Silva em 1844.
Casou-se com Domitila Cândida de Oliveira e Silva em 1845.

35. Domitila Cândida de Oliveira e Silva
Nascida em 15/10/1815 em Pitangui, MG
Falecida em 31/3/1897 em Maravilhas, Pitangui, MG
Pais: Martinho Álvares da Silva e Isabel Jacinta de Oliveira Campos.
Casou-se com Francisco Cordeiro de Campos Valadares (34) em 1845.
Filhos:
Antônia de Campos Valadares
Isabel Jacinta de Campos Valadares
Francisca de Campos Valadares

36. Antonino Gonçalves da Silva Mascarenhas
Falecido em 1899
Pais: Antônio Mascarenhas (8) e Policena Silva (7).
Casou-se com Policena Ferreira Pinto.

37. Escolástica Cândida da Silva Mascarenhas
Falecida em 1917
Pais: Antônio Mascarenhas (8) e Policena Silva (7).
Casou-se com Quintiliano Soares Diniz.
Filhos:
Álvaro Diniz Mascarenhas
Ritta Diniz Mascarenhas
Maria Amélia Diniz Mascarenhas
Virgínia Mascarenhas Diniz

38. Coronel Francisco Gabriel da Cunha e Castro Vasconcellos
Nascido em Ouro Preto, MG
Pais: Felipe Castro (11) e Maria Vasconcelos (12).
Casou-se com Rita Maria da Cunha e Castro.
Casou-se com Joanna Helena de Sá.

39. Joanna Helena de Sá (Joana da Taquara)
Nascida em 15/7/1822 [2]
Falecida em 8/9/1895
Pais: Luiz Castro (13) e Bernarda Machado (14).
Casou-se com Francisco Gabriel da Cunha e Castro Vasconcellos (38).
Filhos:
Elisa Gabriela de Castro Vasconcellos
Francisco Gabriel de Castro Vasconcellos
Ulysses Gabriel de Castro Vasconcellos
Aprígio Gabriel de Castro Vasconcellos
Elvira Gabriela de Castro Vasconcellos

40. Quintiliano Soares Diniz
Falecido em 2/12/1890 em Curvelo, MG
Fazenda São Sebastião
Fonte: [19] 
Casou-se com Escolástica Cândida da Silva Mascarenhas (37).

41. Rita Maria da Cunha e Castro
Pais: Luiz Castro (13) e Bernarda Machado (14).
Casou-se com Francisco Gabriel da Cunha e Castro Vasconcellos (38).
Filhos:
Diogo Gabriel de Castro Vasconcellos

42. Policena Ferreira Pinto
Casou-se com Antonino Gonçalves da Silva Mascarenhas (36).
Filhos:
Virgínia Mascarenhas

43. João Teixeira da Fonseca Vasconcelos
Nascido por volta de 1827 em Esmeraldas, MG
Casou-se com Antônia Viana Barbosa.

44. Antônia Viana Barbosa
Casou-se com João Teixeira da Fonseca Vasconcelos (43).
Filhos:
Theodoro Teixeira Barbosa de Vasconcelos
Manoel Teixeira Barbosa de Vasconcelos

45. Tenente Coronel José do Egypto de Campos
Nascido em 1809 [57] (pág. 40)
Falecido em 23/9/1879 [57] (pág, 40)
Comandante do 2º Batalhão de Cavalaria da Guarda Nacional, de Formiga e Piumhi, MG;
Já falecido no batizado dos netos em 6 de Março de 1880
Casou-se com Maria Cândida Rosa de Jesus .

46. Maria Cândida Rosa de Jesus 
Foi madrinha em um batizado em 3 de Abril de 1849, onde consta seu completo.
Já era casada nesta data.
Casou-se com José do Egypto de Campos (45).
Filhos:
Christina Maria de Campos
Constância Angélica de Campos
Rosa Angélica de Campos
Maria do Egypto Campos

47. Capitão Joaquim Eliziário de Magalhães
Pais: José Antônio de Magalhães e Maria Rita de Jesus.
Casou-se com Maria Cândida de Andrade.

48. Maria Cândida de Andrade
Casou-se com Joaquim Eliziário de Magalhães (47).
Filhos:
Joaquim Eliziário de Magalhães Filho
José Antonio de Magalhães
Teophilo José de Magalhães
Lafaete de Magalhães

49. José Dias de Oliveira
Casou-se com Carolina Maria de Jesus .

50. Carolina Maria de Jesus 
Casou-se com José Dias de Oliveira (49).
Filhos:
Ambrosina Carolina Dias de Carvalho

51. Manoel da Costa Gontijo
Casou-se com Antônia Carolina Josefa Leopoldina .

52. Antônia Carolina Josefa Leopoldina 
Casou-se com Manoel da Costa Gontijo (51).
Filhos:
Júlia Maria da Caridade 


Geração n.3
53. José Alves dos Santos Vianna
Nascido em 1860
Pais: Joaquim Vianna (15) e Joaquina Vianna (17).
Casou-se com Maria Cândida d'Assumpção Dias em 13/5/1877
na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
[9] (lv. 1824/1884 fl. 129v Lagoa Santa, MG).

54. Francisco de Paula Fonseca Vianna (Nhô Chico)
Nascido em 1855 em Pedro Leopoldo, MG
Falecido em 16/9/1912 em Pedro Leopoldo, MG
[11] (Certidão transladada em 20/01/2014)
Fazenda do Campinho;
Sobrinho do Barão do Rio das Velhas, seu homônimo
Diretor da Companhia Fabril da Cachoeira Grande
(cf. ata de fundação de 1893 e ação emitida em 1897)
Faleceu de Congestão Cerebral, deixando cinco filhos
Fonte: [16] lv. 2 fl. 13 n. 135 Pedro Leopoldo, MG
Pais: Cândido Vianna (16) e Brígida Silva (18).
Casou-se com Laurinda Carolina de Souza.

55. Maria Cândida d'Assumpção Dias
Nascida em Fidalgo, Lagoa Santa, MG
Batizada em 1/7/1854 em Fidalgo, Lagoa Santa, MG
[15] (lv. 2 1852/1874 fl. 121 Lagoa Santa, MG)
Pais: Joaquim Silva (19) e Maria d'Assumpção (20).
Casou-se com José Alves dos Santos Vianna (53) em 13/5/1877
na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
[9] (lv. 1824/1884 fl. 129v Lagoa Santa, MG).
Filhos:
Natividade Alves Vianna

56. Laurinda Carolina de Souza
Falecida em 3/5/1938 em Pedro Leopoldo, MG [22]
Casou-se com Francisco de Paula Fonseca Vianna (54).
Filhos:
Guiomar Vianna
Joaquim de Paula Vianna
Sócrates Colaro Vianna
Mário da Conceição Vianna
Cyro José Vianna

57. Doutor Francisco Bahia da Rocha Filho (Doutor Bahia)
Médico e político importante em Curvelo, onde faleceu
Fonte: [24] geneall.net - Forum dos Bahia da Rocha, por Felipe de Vasconcellos
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Carolina Lacerda (28).
Casou-se com Ritta Diniz Mascarenhas.

58. Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha
Nascida em 24/2/1855
Falecida em 10/7/1921 em Pitangui, MG
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Carolina Lacerda (28).
Casou-se com Antônio Alves Filgueiras de Campos.
Filhos:
Luiz Alves Filgueiras de Campos
Antônia Alves Filgueiras de Campos
João Alves Filgueiras de Campos
José Alves Filgueiras de Campos
Joaquim Alves Filgueiras de Campos

59. Coronel Américo Bahia da Rocha
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Rita Lopes (29).
Casou-se com Virgínia Mascarenhas.

60. Francisca Bahia da Rocha (Chiquinha)
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Rita Lopes (29).
Casou-se com Francisco Gabriel de Castro Vasconcellos.
Filhos:
Felipe Bahia de Vasconcelos
Ulisses Bahia de Vasconcelos
Helena Bahia de Vasconcelos
Sílvia Bahia de Vasconcelos
Rita Bahia de Vasconcelos

61. Genoveva Bahia da Rocha
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Rita Lopes (29).
Casou-se com Francisco Bahia de Vasconcelos.

62. Rita Bahia da Rocha
Residiu com o marido em Pará de Minas
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Rita Lopes (29).
Casou-se com Luiz Orsini de Castro.
Filhos:
Cecy Orsini

63. Sabina Bahia da Rocha
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Rita Lopes (29).
Casou-se com Antônio Mourão Lopes Cançado.
Filhos:
Levy Mourão Lopes Cançado

64. Cecília Bahia da Rocha
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Rita Lopes (29).
Casou-se com José Gonçalves de Souza.

65. Maria Bahia da Rocha (Cota)
Fonte: [24] geneall.net - Forum sobre os Bahia da Rocha, por Felipe de Vasconcellos
Pais: Francisco Bahia da Rocha (25) e Rita Lopes (29).
Casou-se com Theodoro Teixeira Barbosa de Vasconcelos.
Filhos:
José Bahia de Vasconcelos

66. Antônio Alves Ferreira da Silva
Falecido em 22/3/1914
Fundador da Companhia Fabril Cachoeira dos Macacos;
Fundador da Companhia Fabril Cachoeira Grande 23/09/1873
Fonte: [26] 
Pais: Antônio Silva (30) e Sinforosa Guedes (31).
Casou-se com Francisca de Paula Moreira da Silva.

67. Francisca de Paula Moreira da Silva (Chiquinha Gorda)
Fonte: [26] 
Pais: Antônio Silva (30) e Francisca Silva (27).
Casou-se com Antônio Alves Ferreira da Silva (66).
Filhos:
Antônio Alves Ferreira da Silva
Ottoni Alves Ferreira da Silva
Leocádia Alves Ferreira da Silva
Concórdia Alves Ferreira da Silva
Sinforosa Alves Ferreira da Silva
Francisca Alves Ferreira da Silva
Maria Augusta Alves Ferreira da Silva
Matilde Alves Ferreira da Silva

68. Anna Alvarenga Bahia
Nascida em 1851 [2]
Falecida por volta de 1926 em Pedro Leopoldo, MG
[27] (Deduzido pelos reg. nasc. dos netos)
Nascimento deduzido pela data de casamento e
o dado de que teria se casado com 18 anos.
(anotações de Rivadávia Bahia Vianna)
Fonte: [23] 
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).
Casou-se com Cândido Gonçalves dos Reis por volta de 1869.
Filhos:
Manoel Gonçalves Bahia
Elisa Gonçalves Bahia
Joaquim Gonçalves Bahia
Cândido Gonçalves Bahia
Francisco Gonçalves Bahia
Joviniano Gonçalves Bahia
Leopoldo Gonçalves Bahia
José Josias Gonçalves Bahia
Maria Emília Gonçalves Bahia
José Gonçalves Bahia

69. Genoveva Bahia da Cunha (Sá Veva)
Faleceu solteira
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).

70. Cândido Gonçalves dos Reis
Nascido em 1835 em Maravilhas, Pitangui, MG
Falecido em 4/5/1895
Herdou do sogro por parte da primeira mulher,
o Padre João Félix Rodrigues Galvão,
a Fazenda da Cachoeira em Maravilhas.
Fonte: [2] e-mail Junho/2013
Pais: Domingos Reis (26) e Antonia Madalena (32).
Casou-se com Ana Rosa Rodrigues.
Casou-se com Anna Alvarenga Bahia (68) por volta de 1869.

71. Ana Rosa Rodrigues
Fonte: [2] 
Pais: João Galvão (33).
Casou-se com Cândido Gonçalves dos Reis (70).
Filhos:
Benvindo Gonçalves dos Reis
Antônio Gonçalves dos Reis
Joaquim Gonçalves dos Reis

72. Isabel Jacinta de Campos Valadares (Isabelinha)
Nascida em 11/6/1849
Falecida em 14/5/1935
Fonte: [2] 
Pais: Francisco Valadares (34) e Domitila Silva (35).
Casou-se com Diogo Gabriel de Castro Vasconcellos.
Filhos:
Joana Helena Valladares de Vasconcelos
Antônio Diogo Valadares de Vasconcelos
Bernardo Valadares de Vasconcelos
Francisco Valladares de Vasconcelos
Júlio Valladares de Vasconcelos

73. Coronel Francisco Gabriel de Castro Vasconcellos (Chicuruta)
Nascido em 26/5/1856
Falecido em 25/5/1907
Fazenda da Taquara
Fazenda do Capão da Madeira
Fonte: [10] 
Pais: Francisco Vasconcellos (38) e Joanna Sá (39).
Casou-se com Francisca Bahia da Rocha (60).

74. Francisco Bahia de Vasconcelos
Casou-se com Genoveva Bahia da Rocha (61).

75. Virgínia Mascarenhas
Pais: Antonino Mascarenhas (36) e Policena Pinto (42).
Casou-se com Américo Bahia da Rocha (59).
Filhos:
Maria da Conceição Bahia
menino 
Maria Amália Bahia
José Augusto Bahia Mascarenhas
Maria do Carmo Bahia
Maria Bahia da Rocha

76. Ritta Diniz Mascarenhas (Ritinha)
Pais: Quintiliano Diniz (40) e Escolástica Mascarenhas (37).
Casou-se com Francisco Bahia da Rocha Filho (57).
Filhos:
Alberto Bahia da Rocha
Theotônio Bahia da Rocha
Julieta 

77. Coronel Diogo Gabriel de Castro Vasconcellos (Chicuruta)
Pais: Francisco Vasconcellos (38) e Rita Castro (41).
Casou-se com Isabel Jacinta de Campos Valadares (72).

78. Major João Bahia da Rocha
Falecido em 29/6/1933 em Bambuí, MG
[55] (Portaria da Prefeitura n.49 de 30/06/1933)
Rábula, nasceu em Pitangui, MG, constituiu família em Bambuí, MG
Viveu em Córrego D'Anta
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).
Casou-se com Constância Angélica de Campos.

79. Inácio Joaquim Bahia da Cunha
Nascido por volta de 1843 em Pitangui, MG
Falecido em 10/4/1919 em Bambuí, MG
[40] (Jornal O Pharol, obituário em 18/04/1919)
Foi Voluntário da Pátria na Guerra do Paraguai;
Escrivão de órfãos em Bambuí, MG
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).
Casou-se com Júlia Maria da Caridade por volta de 1877 em Bom Despacho, MG.

80. Thereza Bahia de Jesus
Faleceu solteira
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).

81. Ana Gonçalves dos Reis
Pais: Antônio Reis.
Casou-se com José Tavares.
Filhos:
Maria Tavares

82. José Tavares (Sô Juca)
Casou-se com Ana Gonçalves dos Reis (81).

83. Luiz Orsini de Castro
Casou-se com Rita Bahia da Rocha (62).

84. Theodoro Teixeira Barbosa de Vasconcelos (Durico)
Pais: João Vasconcelos (43) e Antônia Barbosa (44).
Casou-se com Maria Bahia da Rocha (65).

85. Antônio Mourão Lopes Cançado
Casou-se com Sabina Bahia da Rocha (63).

86. José Gonçalves de Souza
Casou-se com Cecília Bahia da Rocha (64).

87. Antônio Alves Filgueiras de Campos
Nascido em 15/4/1839
Falecido em 14/1/1921 em Pitangui, MG
Fonte: [24] e-mail de Luiz Vasconcelos
Casou-se com Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha (58).

88. Manoel Alvarenga Bahia da Rocha
Batizado em 8/4/1839 em Pitangui, MG
[15] (lv.1828/1843 fl.170 Pitangui, MG - em Divinópolis)
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).

89. Inhá Alvarenga Bahia (Inhá)
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).

90. Constância Angélica de Campos
Falecida em 19/6/1933 em Bambuí, MG
[40] (A Luz, Cidade de Luz, MG, Ano XI, N.284, 22.06.1933)
pode ter tido uma irmã com nome Christina Angélica
Pais: José Campos (45) e Maria Cândida de Jesus (46).
Casou-se com João Bahia da Rocha (78).
Filhos:
Francisco Bahia da Rocha
Luiz Gonzaga Bahia da Rocha
Maria Porcina Bahia da Rocha
José Bahia da Rocha
Manoel Bahia da Rocha
João Bahia da Rocha Filho
Tito Bahia da Rocha
Cornélia Augusta Bahia da Rocha
Symphronio Bahia da Rocha

91. Francisco Bahia da Rocha Sobrinho
Mudou seu nome para Francisco Neves da Rocha
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).
Casou-se com Ambrosina Carolina Dias de Carvalho em 14/9/1887 em Bambuí, MG
[9] (lv.1 fl.46/46v Bambuí, MG).

92. Ambrosina Carolina Dias de Carvalho
Ou Ambrósia Leonor Dias de Carvalho
Pais: José Oliveira (49) e Carolina de Jesus (50).
Casou-se com Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) em 14/9/1887 em Bambuí, MG
[9] (lv.1 fl.46/46v Bambuí, MG).
Filhos:
José Bahia de Carvalho
Anna Bahia de Carvalho
Maria Bahia de Carvalho
Joaquim Bahia de Carvalho
Manoel Bahia de Carvalho
João Batista Bahia de Carvalho
Francisco Bahia de Carvalho
Benedicto Bahia de Carvalho
Porcina Bahia de Carvalho
Antonio Bahia de Carvalho

93. Capitão José Bahia da Rocha
Foi Voluntário da Pátria na Guerra do Paraguai
Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (22) e Porcina Alvarenga (21).
Casou-se com Christina Maria de Campos.

94. Christina Maria de Campos
Pais: José Campos (45) e Maria Cândida de Jesus (46).
Casou-se com José Bahia da Rocha (93).
Filhos:
José Bahia da Rocha Filho
Maria Bahia da Rocha
Maria Bahia da Rocha
Manoel Bahia da Rocha
Rosa Bahia da Rocha
Joaquim Bahia da Rocha
Antônio Bahia de Campos

95. Júlia Maria da Caridade 
Falecida por volta de 1917 em Bambuí, MG
[40] (Jornal O Pharol, obituário de Ignacio J. B. da Cunha)
Pais: Manoel Gontijo (51) e Antônia Leopoldina (52).
Casou-se com Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79)
por volta de 1877 em Bom Despacho, MG.
Filhos:
Aurora Bahia de Jesus
Antônia Bahia Gontijo
Ignacio Bahia Filho
Manoel Bahia Gontijo
Gerson Bahia Gontijo
Afonso Bahia Gontijo
Júlia da Caridade Bahia Gontijo
Floricena Bahia Gontijo
Maria Blandina Bahia
Francisca Bahia Gontijo
Amélia Luiza Bahia
Luiza Bahia
Porcina Bahia da Cunha

96. José Antonio de Magalhães
Pais: Joaquim Magalhães (47) e Maria Andrade (48).
Casou-se com Maria Cândida de Araújo.

97. Maria Cândida de Araújo
Casou-se com José Antonio de Magalhães (96).
Filhos:
Cândido Magalhães
Maria Magalhães
Maria Magalhães
Maria Magalhães
Octaviano de Araújo Magalhães
Manoel Magalhães
Marieta Magalhães


Geração n.4
98. Natividade Alves Vianna
Pais: José Vianna (53) e Maria Dias (55).
Casou-se com Francisco Gonçalves Bahia.
Filhos:
José Alves Bahia
Maria da Conceição Alves Bahia
Ana Lúcia Alves Bahia
Margarida Alves Bahia
Marta Alves Bahia

99. Mário da Conceição Vianna
Nascido em 8/12/1892 em Pedro Leopoldo, MG
[16] (lv. 2 fl. 13 n. 135 Pedro Leopoldo, MG)
Falecido em 8/11/1942 em Pedro Leopoldo, MG [23] (Santinho do Funeral de Mário)
Funcionário da Estrada de Ferro Central do Brasil
Faleceu do coração ao pular uma cerca na Estação Ferroviária de Pedro Leopoldo,
onde trabalhava.
Pais: Francisco Vianna (54) e Laurinda Souza (56).
Casou-se com Maria Emília Gonçalves Bahia em 8/5/1915 em Pedro Leopoldo, MG
[16] (lv. 1 fl. 101 n. 205 Pedro Leopoldo, MG).

100. menino com nome ilegível
Nascido em 3/2/1886 em Pitangui, MG
Batizado em 31/3/1886 em Pitangui, MG [15] (lv. 1888/1896 fl. 102 Pitangui, MG)
Pais: Américo Bahia da Rocha (59) e Virgínia Mascarenhas (75).

101. Maria Amália Bahia
Nascida em 18/9/1887 em Pitangui, MG [15] (lv. 1888/1896 fl. 120 Pitangui, MG)
Pais: Américo Bahia da Rocha (59) e Virgínia Mascarenhas (75).

102. José Augusto Bahia Mascarenhas
Nascido em 1/3/1889 em Pitangui, MG
Batizado em 25/3/1889 em Pitangui, MG [15] (lv. 1888/1896 fl. 141 Pitangui, MG)
Falecido em 6/10/1950
Pais: Américo Bahia da Rocha (59) e Virgínia Mascarenhas (75).

103. Maria do Carmo Bahia
Batizada em 16/7/1890 em Pitangui, MG [15] (lv. 1880/1902 fl. 12 Pitangui, MG)
Pais: Américo Bahia da Rocha (59) e Virgínia Mascarenhas (75).

104. Theotônio Bahia da Rocha
Batizado em 5/2/1888 em Pitangui, MG [15] (lv. 1888/1896 fl. 125 Pitangui, MG)
Pais: Francisco Bahia da Rocha Filho (57) e Ritta Mascarenhas (76).

105. Julieta 
Nascida em 3/2/1890 em Pitangui, MG
Batizada em 11/2/1890 em Pitangui, MG [15] (lv. 1888/1896 fl. 156 Pitangui, MG)
Pais: Francisco Bahia da Rocha Filho (57) e Ritta Mascarenhas (76).

106. Benvindo Gonçalves dos Reis
Pais: Cândido Reis (70) e Ana Rodrigues (71).
Casou-se com Maria Margarida da Conceição .

107. Antônio Gonçalves dos Reis (Sô Nico)
Nascido em 1865 em Maravilhas, Pitangui, MG [28] (Matrícula 1462 10/10/1881)
Seminarista no Caraça em 1881
Pais: Cândido Reis (70) e Ana Rodrigues (71).
Filhos:
Elisa Gonçalves dos Reis
Ana Gonçalves dos Reis

108. Cândido Gonçalves Bahia (Candinho)
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Maria Tavares.

109. Francisco Gonçalves Bahia (Chiquinho)
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Natividade Alves Vianna (98).
110. Manoel Gonçalves Bahia (Nelinho)
Nascido em 20/8/1870
Falecido em 14/11/1933
Sofria da coluna
Fonte: [2] 
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Joana Helena Valladares de Vasconcelos.

111. Elisa Gonçalves Bahia (Sinhá)
Nascida em 29/3/1871 [22]
Falecida em 1975 [4]
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Ottoni Alves Ferreira da Silva.
Filhos:
Antônio Alves Gonçalves Ferreira
Christiano Ottoni Gonçalves Ferreira
Juvenal Gonçalves Ferreira
Jussara Lucy Gonçalves Ferreira
Ottoni Alves Filho
Francisca Alves Gonçalves Ferreira
Geraldo Otoni Alves Gonçalves Ferreira
Elysio Alves Gonçalves Ferreira
Romero Alves Gonçalves Ferreira
Elisa Alves Gonçalves Ferreira
João Gonçalves Ferreira
Elza Alves Gonçalves Ferreira

112. Joaquim Gonçalves Bahia (Sô Quim)
Nascido em 22/6/1872 [22]
Falecido em 1948
Foi sócio de Otoni Alves Ferreira no armazém que depois se tornou
Alves Carvalho e Cia
Fonte: [26] 
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Cota França.
Casou-se com Conceição França.

113. Joviniano Gonçalves Bahia (Jove)
Nascido em 4/5
Solteiro, cego;
Faleceu de cirrose sem nunca ter bebido.
Fonte: [4] De conversas com Miloca e Mária Vianna
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).

114. Maria Emília Gonçalves Bahia (Miloca)
Nascida em 28/5/1889 em Maravilhas, Pitangui, MG
[22] (Caderneta de Aniversários)
Falecida por volta de 1981 em Pedro Leopoldo, MG [27]
Agente dos Correios em Pedro Leopoldo, MG
Fonte: [29] 
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Mário da Conceição Vianna (99) em 8/5/1915 em Pedro Leopoldo, MG
[16] (lv. 1 fl. 101 n. 205 Pedro Leopoldo, MG).
Filhos:
Rivadávia Bahia Vianna
Mário Bahia Vianna
Caio Bahia Vianna
Raymundo Bahia Vianna
Cândido Bahia Vianna
Geraldo Bahia Vianna
Elísio Bahia Vianna
Maria Mária Bahia Vianna

115. Joana Helena Valladares de Vasconcelos
Nascida em 29/10/1873
Falecida em 25/6/1922 em Papagaios, MG
Fonte: [2] 
Pais: Diogo Vasconcellos (77) e Isabel Valadares (72).
Casou-se com Manoel Gonçalves Bahia (110).
Filhos:
Maria do Carmo Valadares Bahia
Maria de Lourdes Valadares Bahia
Juca Gonçalves Bahia

116. Ottoni Alves Ferreira da Silva
Nascido em 6/10
Falecido em 27/1/1946 em Pedro Leopoldo, MG [52] (pg.22)
Estudou no Caraça;
Diretor da Companhia Fabril Cachoeira Grande;
Construiu em 1921 o Cine Ottoni, que funcionou até 1946
Fonte: [26] 
Pais: Antônio Silva (66) e Francisca Silva (67).
Casou-se com Elisa Gonçalves Bahia (111).

117. Conceição França
Falecida em 1963
Casou-se com Joaquim Gonçalves Bahia (112).
Filhos:
Odete França Bahia
Alberto França Bahia
Edith França Bahia
Délio França Bahia

118. Maria Margarida da Conceição 
Casou-se com Benvindo Gonçalves dos Reis (106).
Filhos:
José Gonçalves dos Reis
Cândido Gonçalves dos Reis Neto
Elisa Gonçalves dos Reis

119. Joaquim Gonçalves dos Reis
Nascido em 1868 em Maravilhas, Pitangui, MG [28] (Matrícula 1463 10/10/1881)
Pais: Cândido Reis (70) e Ana Rodrigues (71).

120. Leopoldo Gonçalves Bahia
Fonte: [41] Genealogia Gonçalves Bahia
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Cristina Castro Capanema.
Casou-se com Olívia Gontijo.

121. Cristina Castro Capanema
Casou-se com Leopoldo Gonçalves Bahia (120).
Filhos:
Claudionor Castro Bahia
Luiz de Castro Bahia
Nanci de Castro Bahia
Altiva de Castro Bahia

122. Olívia Gontijo
Casou-se com Leopoldo Gonçalves Bahia (120).
Filhos:
Milton Gontijo Bahia
Cássio Gontijo Bahia

123. Cota França (Cota)
Irmã da segunda esposa, Conceição.
Seria Amélia França?
Uma terceira irmã, Chiquinha França, foi casada com o Sr. Dino.
Casou-se com Joaquim Gonçalves Bahia (112).
Filhos:
Nicanor França Bahia
Gumercindo França Bahia
José França Bahia
Clodomiro Gonçalves Bahia

124. Maria Tavares (Maricas)
Fonte: [23] Álbum de fotos (Maricas) e Diário Oficial de 12/02/1840
Pais: José Tavares (82) e Ana Reis (81).
Casou-se com Cândido Gonçalves Bahia (108).
Filhos:
Antônio Gonçalves Bahia
Cândido Gonçalves Bahia Filho
Norma Gonçalves Bahia
Ana Elisa Gonçalves Bahia
Cândida Beatriz Gonçalves Bahia
Vicente Gonçalves Bahia

125. José Josias Gonçalves Bahia (Jusa)
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Palmira Meireles.

126. Palmira Meireles
Casou-se com José Josias Gonçalves Bahia (125).
Filhos:
João Gonçalves Bahia
Antônio Gonçalves Bahia
Maria Nazaré Meireles Bahia
Geraldo Gonçalves Bahia
José Meireles Bahia
Lúcio Meireles Bahia

127. Helena Bahia de Vasconcelos (Nhá)
Nascida em 31/10/1885 em Pitangui, MG [15] (lv.1880/1913 fl.96 Pitangui, MG)
Batizada em 10/12/1885 em Pitangui, MG
Falecida em 7/3/1983 [24] (www.myheritage.com.br)
Pais: Francisco Vasconcellos (73) e Francisca Bahia da Rocha (60).
Casou-se com Júlio Valladares de Vasconcelos.
Filhos:
Diogo Valadares de Vasconcelos
Enéas Valadares de Vasconcelos

128. Sílvia Bahia de Vasconcelos (Tiva)
Pais: Francisco Vasconcellos (73) e Francisca Bahia da Rocha (60).

129. Júlio Valladares de Vasconcelos
Nascido em 11/5/1877
Falecido em 10/8/1965
Pais: Diogo Vasconcellos (77) e Isabel Valadares (72).
Casou-se com Helena Bahia de Vasconcelos (127).

130. Levy Mourão Lopes Cançado
Pais: Antônio Cançado (85) e Sabina Bahia da Rocha (63).
Casou-se com Rita Bahia de Vasconcelos.

131. Rita Bahia de Vasconcelos
Pais: Francisco Vasconcellos (73) e Francisca Bahia da Rocha (60).
Casou-se com Levy Mourão Lopes Cançado (130).

132. Maria da Conceição Bahia
Nascida em 10/5/1884 em Pitangui, MG
Batizada em 8/6/1884 em Pitangui, MG [15] (lv. 1888/1896, fl. 75 Pitangui, MG)
Pais: Américo Bahia da Rocha (59) e Virgínia Mascarenhas (75).

133. Antônia Alves Filgueiras de Campos (Tunica)
Falecida em 17/2/1929 em Belo Horizonte, MG
Pais: Antônio Campos (87) e Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha (58).
Casou-se com Manoel Teixeira Barbosa de Vasconcelos.

134. Manoel Teixeira Barbosa de Vasconcelos (Manduca)
Falecido em 29/9/1921 em Pitangui, MG
Fonte: [24] Site myheritage.com, por Rodrigo Kaukal Vasconcelos
Pais: João Vasconcelos (43) e Antônia Barbosa (44).
Casou-se com Antônia Alves Filgueiras de Campos (133).

135. José Alves Filgueiras de Campos
Nascido em 4/12/1887
Pais: Antônio Campos (87) e Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha (58).

136. João Alves Filgueiras de Campos
Nascido em 5/6/1884 em Pitangui, MG [15] (lv.1880/1913 fl.78v Pitangui, MG)
Pais: Antônio Campos (87) e Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha (58).

137. Alberto Bahia da Rocha
Nascido em 15/3/1884 em Pitangui, MG [15] (lv.1880/1913 fl.73v Pitangui, MG)
Pais: Francisco Bahia da Rocha Filho (57) e Ritta Mascarenhas (76).

138. Luiz Alves Filgueiras de Campos
Batizado em 29/6/1880 em Pitangui, MG [15] (lv.1880/1913 fl.48v Pitangui, MG)
Casou-se em Outubro/1908
Pais: Antônio Campos (87) e Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha (58).

139. Maria Bahia da Rocha
Batizada em 14/8/1892 em Pitangui, MG [15] (lv.1880/1902 fl.29v Pitangui, MG)
Pais: Américo Bahia da Rocha (59) e Virgínia Mascarenhas (75).

140. Joaquim Alves Filgueiras de Campos
Nascido em 7/2/1892 em Pitangui, MG [15] (lv.1888/1896 fl.226 Pitangui, MG)
Pais: Antônio Campos (87) e Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha (58).

141. Cecy Orsini
Nascida em 13/5/1892 em Pará de Minas, MG
Batizada em 8/10/1892 em Pará de Minas, MG
[15] (lv. 1889/1895 fl.97 Pará de Minas, MG)
Pais: Luiz Castro (83) e Rita Bahia da Rocha (62).

142. José Gonçalves Bahia (Sô Juca)
Pais: Cândido Reis (70) e Anna Alvarenga Bahia (68).
Casou-se com Ana .

143. Ana (Don'Ana)
Casou-se com José Gonçalves Bahia (142).
Filhos:
Paulo Gonçalves Bahia
Viriato Gonçalves Bahia

144. João Bahia da Rocha Filho
Nascido em 28/2/1889 em Bambuí, MG
[15] (lv. 1883/1889 fl.268v, freg. Santana, Bambuí, MG)
Falecido em 14/5/1964 em Bambuí, MG
[55] (Anotado do túmulo da família no cemitério de Bambuí)
Professor rural em Bambuí, MG; Filiado à UDN
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).
Casou-se com Marieta Magalhães em 28/10/1918 em Bambuí, MG
[9] (lv.1901/1921 fl.109v Bambuí, MG).

145. Padre Symphronio Bahia da Rocha
Nascido em 10/6/1896 em Bambuí, MG [28] (Matrícula 230 do ano de 1913)
Batizado em 29/6/1896 em Bambuí, MG
[15] (lv.XII, fl.184 e 184v, freg. Santana, Bambuí, MG)
Matriculado no Caraça em 1913. Concluiu o 4° ano em 21/07/1917;
Retornou a Bambuí como pároco em 1924;
Faleceu de tuberculose e foi sepultado em Santo Antônio do Monte.
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).

146. Marieta Magalhães
Nascida em 25/7/1899 em Bambuí, MG
Batizada em 17/9/1899 em Bambuí, MG
[15] (lv.XII, fl.257, freg. Santana, Bambuí, MG)
Falecida em 5/7/1980 em Bambuí, MG
[55] (Anotado do túmulo da família no cemitério de Bambuí)
Pais: José Magalhães (96) e Maria Araújo (97).
Casou-se com João Bahia da Rocha Filho (144) em 28/10/1918 em Bambuí, MG
[9] (lv.1901/1921 fl.109v Bambuí, MG).
Filhos:
Maria Cândida Bahia
Laura Bahia da Rocha
Maria de Lourdes Bahia
Sinfrônio Bahia da Rocha
Onofre Bahia da Rocha
João Evangelista Bahia
Pedro Bahia da Rocha
Lúcia Angélica Bahia
José Vitório Bahia

147. Cornélia Augusta Bahia da Rocha
Nascida em 6/12/1893 em Bambuí, MG
Batizada em 17/12/1893 em Bambuí, MG
[15] (lv.XII, fl.114 freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).
Casou-se com Samuel Pereira Guimarães.
Filhos:
Nair Bahia Guimarães
João Bahia Guimarães
Maria Bahia Guimarães
Constância Angélica Bahia Guimarães
José Bahia Guimarães
Samuel Pereira Guimarães Filho
Rosalina Bahia Guimarães
Cornélia Bahia Guimarães
Ana Maria Bahia Guimarães

148. Samuel Pereira Guimarães
Casou-se com Cornélia Augusta Bahia da Rocha (147).

149. José Bahia de Carvalho (Zequinha)
Nascido em 9/6/1888 em Bambuí, MG
Batizado em 17/6/1888 em Bambuí, MG
[15] (v.1883/1889 fl.248, freg. Santana, Bambuí, MG)
Ou José Bahia Sobrinho
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).
Casou-se com Francisca Vicência de Oliveira em 27/11/1909 em Bambuí, MG
[9] (lv.1904/1921 fl.23 freg. Santana, Bambuí, MG).
Casou-se com Maria Magdalena de Souza em 27/6/1949 em Bambuí, MG
[9] (lv.1949/1952 fl.13v, Bambuí, MG).

150. Francisco Bahia de Carvalho (Xixico)
Nascido em 26/7/1900 em Bambuí, MG [15] (lv.12 fl.279v freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).

151. João Batista Bahia de Carvalho (Joca)
Nascido em 17/10/1898 em Bambuí, MG
Batizado em 25/10/1898 em Bambuí, MG
[15] (lv.XII, fl.233v, freg. Santana, Bambuí, MG)
No seu assento de batismo, o pai já mudara de nome para Francisco Neves da Rocha
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).

152. Antonio Bahia de Carvalho (Totonho)
Nascido em 22/11/1906 em Bambuí, MG
Batizado em 4/12/1906 em Bambuí, MG [15] (lv.1906 fl.6 Bambuí, MG)
Informações sobre matrimônio e filhos fornecidas por Cida Garcia, neta de Antônio.
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).
Casou-se com Geralda Dias.

153. Joaquim Bahia de Carvalho (Quinzinho)
Nascido em 11/8/1894 em Bambuí, MG
[16] (Ficha no Instituto de Prev. dos Serv. de Minas Gerais)
Batizado em 3/11/1894 em Bambuí, MG [15] (lv.XII, fl.140v freg.Santana, Bambuí, MG)
Pai de Ivone Bahia
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).

154. Manoel Bahia de Carvalho (Nezinho)
Nascido em 20/9/1896 em Bambuí, MG
Batizado em 27/9/1896 em Bambuí, MG [15] (lv.XII, fl.190v, freg. Santana, Bambuí, MG)
Faleceu jovem
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).

155. Maria Bahia de Carvalho (Lica)
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).
Casou-se com Antônio de Oliveira Campos em 25/6/1917 em Bambuí, MG
[9] (lv.2C fl.101 freg. Santana, Bambuí, MG).
Filhos:
Antônio de Oliveira Campos Filho
Onofre Oliveira Campos
José Oliveira Campos
Maria da Conceição Oliveira Campos

156. Anna Bahia de Carvalho (Sinhazinha)
Casou-se em 8 de Abril de 1911 com Francisco da Silva
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).
Casou-se com Francisco Teixeira de Souza .
Filhos:
José de Souza

157. Benedicto Bahia de Carvalho
Nascido em 28/12/1902 em Bambuí, MG
Batizado em 18/1/1903 em Bambuí, MG
[15] (lv.1896/1906 fl.62, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).

158. Porcina Bahia de Carvalho
Nascida em 8/11/1904 em Bambuí, MG
Batizada em 17/11/1904 em Bambuí, MG [15] (lv.1896/1906 fl.225v Bambuí, MG)
Faleceu jovem
Pais: Francisco Bahia da Rocha Sobrinho (91) e Ambrosina Carvalho (92).

159. Tito Bahia da Rocha
Nascido em 4/1/1891 em Bambuí, MG
Batizado em 12/4/1891 em Bambuí, MG [15] (lv.12 fl.37v Bambuí, MG)
Padrinhos: Cândido Gonçalves dos Reis e Anna Bahia Gonçalves (Don'Anna)
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).

160. Joaquim Bahia da Rocha
Nascido em 10/2/1891 em Bambuí, MG
Batizado em 12/4/1891 em Bambuí, MG [15] (lv.12 fl.37v Bambuí, MG)
Pais: José Bahia da Rocha (93) e Christina Campos (94).

161. Manoel Bahia da Rocha
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).
Casou-se com Floricena Bahia Gontijo.

162. Porcina Bahia da Cunha
Nascida em 4/2/1894 em Bambuí, MG
Batizada em 7/3/1894 em Bambuí, MG [15] (lv.XII, fl.121v, freg.Santana, Bambuí, MG)
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).

163. Aurora Bahia de Jesus (Ou Anna)
Viúva de Aprígio, casou-se com Manoel Indelécio de Macedo em 1890.
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Aprigio Thomas da Silva.
Filhos:
Aprígio da Silva
Casou-se com Manoel Indelécio de Macedo em 23/5/1890 em Bambuí, MG
[9] (lv.1882/1892 fl.94, freg. Santana, Bambuí, MG).

164. Aprigio Thomas da Silva
Falecido antes de 1890
Casou-se com Aurora Bahia de Jesus (163).

165. Rosa Bahia da Rocha
Nascida em 17/10/1888 em Bambuí, MG
Batizada em 1/11/1888 em Bambuí, MG
[15] (lv.1883/1889 fl.258, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: José Bahia da Rocha (93) e Christina Campos (94).

166. Floricena Bahia Gontijo (Cena)
Nascida em 15/7/1887 em Bambuí, MG
Batizada em 13/8/1887 em Bambuí, MG
[15] (lv.1883/1889 fl.206, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Manoel Bahia da Rocha (161).
Filhos:
Iracy Bahia da Rocha
Raul Bahia da Rocha
Vicente Bahia da Rocha
José Bahia da Rocha
Astor Bahia da Rocha
Anna Bahia da Rocha

167. Maria Porcina Bahia da Rocha (Cina)
Nascida em 4/4/1887 em Bambuí, MG
Batizada em 8/5/1887 em Bambuí, MG
[15] (lv.1883/1889 fl.199, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).
Casou-se com José Bahia da Rocha Filho.
Filhos:
Maria Bahia da Rocha
Pedro Bahia da Rocha

168. Manoel Bahia da Rocha
Nascido em 21/10/1886 em Bambuí, MG
Batizado em 3/11/1886 em Bambuí, MG
[15] (lv.1883/1889 fl.179v, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: José Bahia da Rocha (93) e Christina Campos (94).

169. Francisco Bahia da Rocha
Nascido em 20/9/1885 em Bambuí, MG
Batizado em 23/9/1885 em Bambuí, MG
[15] (lv.1883/1889 fl.142v e 143, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).

170. Maria Bahia da Rocha
Nascida em 30/11/1884 em Bambuí, MG
Batizada em 11/12/1884 em Bambuí, MG
[15] (lv.1883/1889 fl.111v e 112, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: José Bahia da Rocha (93) e Christina Campos (94).

171. Maria Bahia da Rocha
Nascida em 7/5/1883 em Bambuí, MG
Batizada em 17/6/1883 em Bambuí, MG
[15] (lv.1883/1889 img.14, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: José Bahia da Rocha (93) e Christina Campos (94).

172. José Bahia da Rocha Filho
Nascido em 21/2/1880 em Bambuí, MG
Batizado em 6/3/1880 em Bambuí, MG
[15] (lv.1850/1881 n.50/1880, freg. Santana, Bambuí, MG)
Pais: José Bahia da Rocha (93) e Christina Campos (94).
Casou-se com Maria Porcina Bahia da Rocha (167).

173. Luiz Gonzaga Bahia da Rocha
Dono de hotel em Bambuí, MG
Pais: João Bahia da Rocha (78) e Constância Campos (90).
Casou-se com Júlia da Caridade Bahia Gontijo.

174. Manoel Indelécio de Macedo
Casou-se com Aurora Bahia de Jesus (163) em 23/5/1890 em Bambuí, MG
[9] (lv.1882/1892 fl.94, freg. Santana, Bambuí, MG).

175. Maria Blandina Bahia
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Ozório Mendes.
Filhos:
Maria Alda Mendes
Olavo Mendes
Maria José Mendes

176. Ignacio Bahia Filho
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Maria de Mello.

177. Francisca Vicência de Oliveira
Casou-se com José Bahia de Carvalho (149) em 27/11/1909 em Bambuí, MG
[9] (lv.1904/1921 fl.23 freg. Santana, Bambuí, MG).

178. Francisca Bahia Gontijo
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com José Furtado de Oliveira em 25/1/1911 em Bambuí, MG
[9] (lv.2C fl.37, freg. Santana, Bambuí, MG).

179. Antônia Bahia Gontijo
Falecida antes de 1945 em Bambuí, MG
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Ranulpho José de Magalhães.
Filhos:
Maria Bahia Magalhães
Ignacio Bahia Magalhães
Antônio Bahia Magalhães
Dalila Gontijo Magalhães

180. Manoel Bahia Gontijo
Negociante em Bambuí, MG
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Maria José Chaves.

181. Júlia da Caridade Bahia Gontijo (Júlia Gontijo)
Nascida em 22/10/1885 em Bom Despacho, MG
Batizada em 10/12/1885 em Bom Despacho, MG
[15] (v.1881/1889 fl.95v e 96 Bom Despacho, MG)
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Luiz Gonzaga Bahia da Rocha (173).
Filhos:
Mauro Bahia Gontijo
Rubens Bahia Gontijo

182. Amélia Luiza Bahia
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).
Casou-se com Joaquim José de Castro.
Filhos:
José Bahia de Castro
Djanira Bahia de Castro

183. Luiza Bahia
Viúva de José Luiz Porto em 1919
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).

184. Joaquim José de Castro
Casou-se com Amélia Luiza Bahia (182).

185. José Furtado de Oliveira
Casou-se com Francisca Bahia Gontijo (178) em 25/1/1911 em Bambuí, MG
[9] (lv.2C fl.37, freg. Santana, Bambuí, MG).

186. Maria de Mello
Casou-se com Ignacio Bahia Filho (176).
Filhos:
Walter de Mello Bahia
Wilkie de Mello Bahia
Maria de Lourdes Bahia
Wilson de Mello Bahia
Sélida de Mello Bahia
Léa de Mello Bahia

187. Antônio de Oliveira Campos
Casou-se com Maria Bahia de Carvalho (155) em 25/6/1917 em Bambuí, MG
[9] (lv.2C fl.101 freg. Santana, Bambuí, MG).

188. Afonso Bahia Gontijo
Nascido em 30/1/1884 em Bom Despacho, MG
Batizado em 12/6/1884 em Bom Despacho, MG
[15] (lv.1881/1889 fl.63v n.113, Bom Despacho, MG)
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).

189. Gerson Bahia Gontijo
Nascido em 24/8/1882 em Bom Despacho, MG
Batizado em 10/9/1882 em Bom Despacho, MG
[15] (lv.1881/1889 fl.28 n.154, Bom Despacho, MG)
Pais: Inácio Joaquim Bahia da Cunha (79) e Júlia Caridade (95).

190. Maria Magdalena de Souza
Casou-se com José Bahia de Carvalho (149) em 27/6/1949 em Bambuí, MG
[9] (lv.1949/1952 fl.13v, Bambuí, MG).

191. Ranulpho José de Magalhães
Casou-se com Antônia Bahia Gontijo (179).

192. Maria José Chaves
Casou-se com Manoel Bahia Gontijo (180).
Filhos:
Wazingthon Chaves Bahia
Nahir Chaves Bahia
Júlio Chaves Bahia
José Chaves Bahia
Manoel Chaves Bahia

193. Ozório Mendes
Casou-se com Maria Blandina Bahia (175).

194. Francisco Teixeira de Souza 
Casou-se com Anna Bahia de Carvalho (156).

195. Antônio Bahia de Campos
Nascido por volta de 1902 em Bambuí, MG
Pais: José Bahia da Rocha (93) e Christina Campos (94).

196. Geralda Dias
Casou-se com Antonio Bahia de Carvalho (152).
Filhos:
José Bahia de Carvalho
Ambrosina Carolina Bahia de Carvalho
Francisco Francelino Bahia de Carvalho
Manoel Bahia de Carvalho
João Bahia de Carvalho
Antônio Bahia de Carvalho
Geraldo Bahia de Carvalho
Ana Auxiliadora Bahia de Carvalho
Benedito Bahia de Carvalho


Fontes:
[1] - Blog: Sumidoiro's Blog
PAULA, Eduardo de
sumidoiro.wordpress.com
[2] - Pesquisas: Rodrigo Vasconcelos
VASCONCELOS, Rodrigo Figueiredo de
e-mails e Internet
[3] - Nobreza Brasileira de A a Z
Geneall.net
www.geneall.net
[4] - Relatos: Maria Laura Moreira
MOREIRA, Maria Laura de Salles
arquivos MP3
[6] - Web Site: Family Search
Igreja dos Santos dos Últimos Dias
familysearch.org
[9] - Matrimônios na Igreja
Igreja Católica
[10] - Notas Genealógicas: Carlos Aníbal
ALMEIDA, Carlos Aníbal Fernandes
[11] - Óbitos
Igreja Católica
[13] - Notas Genealógicas: Jorge CPF
FILHO, Jorge da Cunha Pereira
arquivo PDF, 09/1990, 3a rev. 02/2006
[14] - E-mails: Vânia L. Oliveira
OLIVEIRA, Vânia Lúcia de
[15] - Batismos na Igreja
Igreja Católica
[16] - Registro Civil: Brasil
República Federativa do Brasil
certidões e registros de identidade
[19] - Livro: Rachel Mascarenhas Vianna, por ela e por nós
VAZ, Isabel e Sílvia Mascarenhas Vianna
2012
[20] - E-Mails: Eduardo de Paula
PAULA, Eduardo de
e-mails enviados pelo autor
[21] - Web Site: Geneaminas
Geneaminas
www.geneaminas.com.br
[22] - Notas Pessoais: Mário Vianna
VIANNA, Mário da Conceição
[23] - Notas Pessoais: Miloca
BAHIA, Maria Emília Gonçalves
[24] - Internet: Pesquisas Avulsas
[26] - Relatos: Elysio Ferreira
FERREIRA, Elysio Alves Gonçalves
Jornais de Pedro Leopoldo
[27] - Relatos: João Vianna
VIANNA, João Alexandre Moreira Bahia
[28] - Matrículas: Caraça, 1881 a 1909
Seminário do Caraça
[29] - Relatos: Elísio Bahia e Irmãos
VIANNA, Elísio Bahia e irmãos
[40] - Jornais e Revistas
[41] - Relatos: Mária Vianna Mello
MELLO, Mária Vianna de
[49] - Livro: Sinhá Braba - Dona Joaquina do Pompéu
VASCONCELOS, Agripa
[52] - Livro: Pedro Leopoldo vista por Chico Xavier
LEMOS Neto, Geraldo e LEÃO, Geraldo
[55] - E-mails: Ana Lúcia Bahia
Bahia, Ana Lúcia
[57] - Bambuí - Nas Trilhas da Picada de Goiaz
Silva, Lindiomar J.
Anúncios


24 Comentários

Os Bahia da Rocha em Bambuí

No artigo A Família de Miloca, escrevemos sobre sua mãe, Anna Alvarenga Bahia, a Don’Anna, que viveu na Fazenda da Cachoeira de Cima em Maravilhas, Pitangui, MG, e, depois de ficar viúva, mudou-se para Pedro Leopoldo. Mencionamos o nome de cinco irmãos de Don’Anna que apareciam em um álbum de fotos da família. O que sabíamos na ocasião era pouco mais que isso. Tudo mudou quando a prima Ana Lúcia Bahia leu o artigo e entrou em contato. Com a sua inestimável colaboração e a generosidade dos primos de Bambuí, MG, descobrimos que muitos irmãos de Don’Anna se mudaram para esta cidade e lá constituíram família, gerando muitos descendentes. Neste artigo, contamos a sua história com base em relatos dos descendentes, fotografias e documentos encontrados. Agradecemos também ao Senhor Lindiomar Silva que nos deu permissão para reproduzir fotos do seu acervo no artigo e colaborou com informações sobre os Bahia da Rocha.

Don’Anna teve pelo menos três irmãs e cinco irmãos. As irmãs: Thereza Bahia de Jesus, Genoveva Bahia da Cunha e Inhá (da qual só temos o apelido em uma fotografia). As duas primeiras permaneceram solteiras, e sabe-se que Genoveva residiu algum tempo em Pedro Leopoldo. Seus nomes aparecem em assentos de batismo da família como madrinhas. Os irmãos: Manoel, batizado em 1839, Inácio Joaquim Bahia da Cunha, nascido por volta de 1843, José Bahia da Rocha, João Bahia da Rocha e Francisco Bahia da Rocha Sobrinho. Escolhemos a ordem pelo nascimento do primeiro filho conhecido de cada um, já que temos poucos dados sobre o nascimento dos irmãos de Don’Anna. Percebemos alguma variação nos sobrenomes. Inácio pode ter recebido o Cunha em homenagem a seu avô, o Sargento Mor Ignacio Joaquim da Cunha. Por sua vez, Francisco era sobrinho de Francisco Bahia da Rocha, o Major Bahia, político de remome em Pitangui, o que explica seu sobrenome.

Nos diversos ramos da família Bahia da Rocha encontramos a repetição dos pre-nomes José, Francisco e Manoel. Estes eram os nomes dos patriarcas. Isto gerou diversos sobrenomes em que Filho, Sobrinho ou Júnior é aposto ao Bahia da Rocha. Na ocasião, poucas filhas recebiam o nome da família. Muitas recebiam nomes religiosos, como ‘de Jesus’, ‘da Anunciação’, etc. Por isso, mantivemos apenas os primeiros nomes quando não há evidência que indique seus nomes completos.

Dois irmãos Bahia da Rocha constam da lista de voluntários que se alistaram para a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870. Na lista de alistamentos em Pitangui, MG, com data de 7 de Fevereiro a 21 de Março de 1865, encontramos Ignácio Joaquim Bahia da Cunha e José Bahia da Rocha.

Inácio Joaquim Bahia da Cunha foi Escrivão de Órfãos em Bambuí a partir de 1886. Uma pesquisa na Internet revela diversos despachos seus. Um obituário publicado no jornal ‘O Pharol’, de Bambuí, em 18 de Abril de 1919 (Cópia gentilmente cedida por Lindiomar da Silva) nos revela muito sobre sua vida e descendentes.

Ignacio Bahia da Cunha

 

Inácio casou-se com Júlia Maria da Caridade em Bom Despacho, MG, e deste casamento nasceram Aurora Bahia de Jesus, Antônia Gontijo, Inácio Bahia Filho, Manoel Bahia Gontijo, Gerson em 1882, Afonso em 1884, Júlia da Caridade Gontijo em 1885, Floricena em 1887, Maria Blandina, Francisca Bahia Gontijo, Amélia, Luiza e Porcina Bahia da Cunha (mesmo nome da avó) em 1894. Pelos sobrenomes dos filhos, e dos seus padrinhos nos assentos de batismos, inferimos que Júlia Maria da Caridade era da família Gontijo. Os primeiros filhos nasceram e foram batizados em Bom Despacho. A partir de Floricena, os batizados passam a ser feitos em Bambuí. Inácio Joaquim faleceu a 10 de Abril de 1919, aos 76 anos, cerca de dois anos após ficar viúvo de Júlia Maria. Pelo obituário, o enlace teria durado quarenta anos, ou seja, o matrimônio deve ter ocorrido antes de 1877.

Aurora Bahia de Jesus (ou da Cunha) já estava viúva de Aprígio Thomas da Silva em 1890, quando casou-se novamente com Manoel Indelécio de Macedo. Antônia casou-se com Ranulpho de Magalhães. Ignacio Bahia Filho casou-se com Maria de Mello. Manoel Bahia Gontijo casou-se com Maria José Chaves. Júlia da Caridade casou-se com seu primo, Luiz Gonzaga Bahia, irmão de Manoel Bahia da Rocha, que se casou com Floricena. Os dois irmãos eram filhos de João Bahia da Rocha. Maria Blandina Bahia casou-se em Janeiro de 1908 com Ozório Mendes. Francisca casou-se em Janeiro de 1911 com José Furtado de Oliveira. Amélia casou-se com Joaquim de Castro, e Luiza estava viúva de José Luiz Porto em 1919.

Dos filhos de Inácio Joaquim, Gerson, Afonso e Porcina não são mencionados no seu obituário. Podem ter falecido jovens.
Quem seria Rita Porcina Bahia da Rocha?

Nos assentos de batismo em Bom Despacho, um casal aparece em 1882, 1883 e 1886, época em que também nasciam os filhos de Inácio e Júlia: Antônio Theodoro Gontijo e Rita Bahia da Rocha. Pelo sobrenome e pelos padrinhos em cada batizado, inferimos que Rita era irmã de Inácio Joaquim. Seria ela a Inhá da fotografia?

Inhá Bahia

Inhá, irmã de Anna Bahia de Alvarenga

José Bahia da Rocha casou-se com Maria Christina de Campos, que supomos ser filha do Tenente Coronel José do Egypto de Campos e Dona Maria Cândida de Campos, por diversos indícios encontrados nos assentos de batismo dos filhos de José e Maria Christina. Deste casamento, nasceram José Bahia da Rocha Filho em 1880, duas filhas com nome Maria, em 1883 e 1884, Manoel Bahia da Rocha em 1886, Rosa em 1888, Joaquim Bahia da Rocha em 1891 e Antônio Bahia de Campos em 1902.

José do Egypto Campos

Coronel José do Egypto Campos, sogro de José e João Bahia da Rocha (cortesia de Lindiomar Silva)

 

José Bahia da Rocha Filho casou-se com Maria Porcina (tia Cina), sua prima, filha de João Bahia da Rocha. Não se sabe se foi por esta consanguinidade, mas alguns filhos do casal nasceram surdos.

cina_e_zeca_bahia

Maria Purcina e Zeca Bahia (primos)

Deste último casamento, temos o registro de sete filhos: Pedro, Maria de Lourdes, Afonso, Geraldo, Esteva, Paulo e Josafá.

teva_geraldo_maria_biloca

Filhos de Maria Purcina e Zeca Bahia (1988)

 

João Bahia da Rocha foi rábula (advogado) e casou-se com Constância Angélica de Campos, filha de José do Egypto de Campos e Maria Cândida já mencionados. A fonte desta informação é a declaração de Ana Lúcia Bahia, descendente direta de João. Seus filhos: Francisco Bahia da Rocha, de 1885, Luiz Gonzaga, Maria Porcina, de 1887, Manoel, João Bahia da Rocha Filho, nascido em 1889, Tito Bahia da Rocha, de 1891, Cornélia Augusta Bahia (Guimarães), de 1893, Padre Symphronio Bahia da Rocha, nascido em 1896 e matriculado no Seminário do Caraça em 1913.

João Bahia da Rocha

João Bahia da Rocha

Por contribuição de Geraldo Magela, obtivemos recortes da Publicação religiosa A Luz, onde constam notas de falecimento de Constância e de João Bahia da Rocha, com apenas dez dias de intervalo entre as duas.

constancia_angelica_obito

“Ano XI – 22.06.1933 – Nº284
Fallecimento
Em Bambuhy falleceu a 19 do corrente a exma. snra. D. Constância Bahia, esposa do sr. João Bahia da Rocha, digna progenitora do rvmo. Pe. Symphronio Bahia da Rocha, por cujo intermédio apresentamos à família enlutada sentidos pesames.”

joao_b_rocha_obito

“Ano XI – A Luz, Cidade de Luz (Minas) 6 de Julho de 1933 – Num.286
Fallecimento
Falleceu em Bambuhy, dia 29 i Sr. João Bahia da Rocha, pae do rvmo. Pe. Symphronio Bahia. Á família enlutada nossos sinceros pêsames.”

Francisco Bahia da Rocha Sobrinho casou-se com Ambrosina Carolina Dias de Carvalho, filha de José dias de Oliveira e Carolina Maria de Jesus, em 14 de Setembro de 1887 em Bambuí, MG. Deste casamento, nasceram: José Bahia de Carvalho (ou Bahia Sobrinho) em 1888, Maria, Anna, Joaquim em 1894, Manoel em 1896, João Batista em 1898, Francisco em 1900, Benedicto em 1902, Porcina em 1904 e Antônio em 1906. Quase todos receberam o sobrenome Bahia de Carvalho. Estas informações vêm de um relato de Ivone Bahia, descendente de Francisco e Ambrosina.

Ocorreu com Francisco um fato curioso. Em um jornal da época, foi publicado o seguinte:

“Declaração – Faço sciente ao publico em geral que, ha- vendo assignaturas egoaes à minha, em Iogar de me assignar Francisco Bahia da Rocha Sobrinho de ora em deante assigno-me Francisco Neves da Rocha. O que affirmo – Bambuhy, 27 de agosto de 1898 – Francisco Neves da Rocha”

Francisco Neves da Rocha

Francisco Neves da Rocha (ou Bahia da Rocha Sobrinho)

 

De fato, a troca de nome aparece no assento de batismo do filho João Batista em 25 de Outubro de 1998. Indagada sobre o fato, Ivone Bahia respondeu que isto ocorreu porque Francisco brigou com o irmão João. Sem outra fonte, tentamos aqui especular: João Bahia da Rocha deu o nome de Francisco a seu filho nascido em 1885. Em 1898, este filho já se tornava um rapaz, e, provavelmente foi escolhido para ele o sobrenome Bahia da Rocha, ou Bahia da Rocha Sobrinho, criando um homônimo. Pode ser que tenha sido esta a causa da desavença entre os irmãos. No batizado do filho Benedito, em Janeiro de 1903, Francisco já voltara a utilizar seu sobrenome original.

As descendência de João Bahia da Rocha

Dos filhos de João e Constância, sabemos que Cornélia Augusta casou-se com Samuel Pereira Guimarães, com quem teve os filhos: Samuel Filho em 1922, Rosalina em 1925, João (Zizico), Neli, Constância (Tancinha), Ana Maria, Nair e José (Zé de Samuel). Após o casamento, Cornélia passou a assinar Cornélia Bahia Guimarães.

Cornélia e Samuel

 

Manoel e Luiz Gonzaga casaram-se com as primas, filhas de Inácio Joaquim, como já foi mencionado.

Um dos filhos de João e Constância tornou-se padre. Segundo relato de José Aloise Bahia: “Padre Sinfrônio Bahia da Rocha encontra-se sepultado em Santo Antônio do Monte, MG. Segundo os relatos, faleceu nos braços da tia Cornélia Guimarães Bahia, acometido de tuberculose/peste cinzenta. Morreu bem novo, creio que na década de 1940, após tratamentos em Belo Horizonte, MG. Ele foi vigário em Lagoa da Prata, MG, São Gotardo, MG e Santo Antonio do Monte, MG. Dizem que não realizou o seu grande desejo, que era ser pároco/padre em Bambuí, MG, sua terra natal. Eu tenho no meu computador (tenho que pesquisar isso!), a notícia de sua ordenação, segundo jornal de Bambuí da época, após os estudos no Colégio do Caraça, MG. Ele é nome de rua em Santo Antonio do Monte, MG, e nome de Escola Estadual em São Gotardo, MG.”

Sinfronio Bahia

Padre Sinfrônio Bahia da Rocha

Sabemos mais de João Bahia da Rocha Filho, por ser ascendente de Ana Lúcia Bahia, nossa colaboradora. João casou-se com Marieta Magalhães em 28 de Outubro de 1918 em Bambuí, MG. Do casamento, nasceram os filhos: Maria Cândida em 1919, Laura em 1921, Maria de Lourdes em 1925, Sinfrônio Bahia da Rocha em 1927, Onofre Bahia da Rocha em 1932, João Evangelista Bahia em 1934, Lúcia Angélica em 1938 e José Vitório Bahia em 1941. Segundo José Aloise Bahia, “… o meu pai Sinfrônio Bahia da Rocha, filho de João Bahia da Rocha Filho e Marieta Magalhães Bahia, teve um outro irmão que não está no artigo acima. Trata-se de Pedro Bahia da Rocha, que veio a falecer na Infância. Meu querido pai, quase 90 anos, não soube precisar a data correta, mas acreditamos que Pedro Bahia da Rocha deve ter nascido no final da década de 1930.”

 

Casamento de João e Marieta

Casamento de João Bahia da Rocha Filho e Marieta Magalhães

Assento de matrimonio de João Bahia da Rocha Filho. Na anotação feita no livro da Igreja de Santana do Bambuí, a noiva consta como Maria – um engano do escrivão. O pai de João foi testemunha da celebração: “1918 – João/Maria – Aos vinte e oito dias do mez de Outubro deste anno, assisti em Matrimônio os nubentes: João Bahia da Rocha, filho e Maria (Marieta) de Magalhães. Testemunhas João Bahia da Rocha e Manoel Bahia da Rocha”

João Bahia e Marieta

João Bahia da Rocha Filho e Marieta Magalhães

 

Marieta era tetraneta de uma irmã de Tiradentes – Antônia Rita de Jesus Xavier – através de seu avô, o Capitão Joaquim Eliziário de Magalhães. Antônia veio com parte da família para Bambuí após a execução de Tiradentes.

Ascendentes de Marieta Magalhães

 

 Joaquim Eliziário e Maria Cândida

Capitão Joaquim Eliziário de Magalhães e Maria Cândida de Andrade, avós de Marieta (cortesia de Lindiomar Silva)

 

A bisavó de Marieta, Maria Rita de Jesus Magalhães, era irmã do Padre Protásio Rodrigues Chaves, que por muitos anos foi Vigário em Bambuí. Consta que os dois irmãos acolheram soldados voluntários a caminho da Guerra do Paraguai, dando-lhes abrigo e comida. O local deste aquartelamento é hoje conhecido como Quartéis.

Maria Rita de Jesus

Maria Rita de Jesus Magalhães – cortesia de Lindiomar Silva

 

Nas palavras de Ana Lúcia Bahia: “João Bahia da Rocha Filho era professor de escola rural … Ele era filiado ao partido da UDN e sofria perseguição politica. Quando o partido rival ganhava, ele era designado a dar aulas nas roças mais distantes e paupérrimas. Passaram por muitas dificuldades financeiras. Muitos anos depois, meu avô com os filhos conseguiu montar uma padaria começando do nada, comprando um saco de farinha e vendendo os pães produzidos com esta farinha. Hoje esta padaria se chama São José e pertence a um primo. Meu tio João Evangelista Bahia era também politico, foi vereador em Bambui e se nao tivesse falecido antes seria canditado a prefeito. Faleceu jovem, aos 40 anos. Hoje a Câmara dos Vereadores de Bambuí tem o seu nome como homenagem.”

Em relato de Ana Lúcia sobre o que a mãe lhe contou, “Maria, sua cunhada (a primeira filha de João Bahia da Rocha Filho), gostava de contar muitas histórias da familia. Contava que quando era pequena ia visitar o avô Joao Bahia da Rocha na fazenda, mas se sentia constrangida porque era uma fazenda muito grande (acho que é a fazenda de Corrego D’anta porque a tia Maria falava que a fazenda era entre Bambuí e Campos Altos) e o avô fazia questão que ela se sentasse na mesa de jantar e ela morria de vergonha porque tudo era muito fino e chique. Esta é a mesma Maria Cândida, que ao se casar deixou de usar o ‘Cândida’, dizendo que nunca foi tão cândida assim.”

João A.M. Bahia Vianna
Dezembro/2015


1 comentário

Família de Miloca – Notas

Estas notas, geradas automaticamente a partir de dados genealógicos, complementam o artigo A Família de Miloca, enumerando seus ascendentes. Em cada geração, são listados os irmãos e cunhados do ascendente direto na linha de Miloca. Os ascendentes diretos são destacados em negrito. Os números entre parêntesis são referências cruzadas a nomes já mencionados, e entre colchetes são referências às fontes das informações.

Geração n.1

1. Capitão Mor Francisco Bahia da Rocha
 Nascido em Guimarães, Braga, PT
 Batizado em 8/11/1665 em Braga, PT
 [15] (lv. 1653/1692, São Tiago de Guilhofrey, Braga, PT)
 Faleceu em 7/3/1724 em Braga, PT
 [7] (lv. 1719/1764 fl.31,32 Mosteiro de São João Batista, Braga, PT)
 Licenciado pela Universidade de Coimbra
 Proprietário da Quinta da Cuqueira, que herdou da mãe.
 Fonte: [2] 
 Pais: Domingos Soares Bahia e Mariana Rocha.
 Teve um filho natural com Senhorinha Soares.
 Casou-se com Inácia Maria Pinto Coelho.
2. Inácia Maria Pinto Coelho
 Pai: Francisco Coelho.
 Casou-se com Francisco Bahia da Rocha (1).
 Filhos:
 Maria Tomásia da Rocha Pinto
 Antônio Bahia da Rocha
 Padre José Bahia da Rocha
3. Senhorinha Soares
 Nascida em Guimarães, Braga, PT
 Teve um filho natural com Francisco Bahia da Rocha (1).
 Filhos:
 José Bahia da Rocha
4. Capitão Manoel da Mota Botelho
 Nascido em Ilha de São Miguel, Açores
 Falecido em Pitangui, MG
 Minerador de ouro em Pitangui, MG
 Em 1746, era um dos Portugueses mais abastados de Minas Gerais
 (fonte: Arquivo Histórico Ultramarino)
 Fonte: [24] geneall.net
 Casou-se com Catarina Paes Leite.
5. Catarina Paes Leite
 Nascida em São Paulo, SP
 Falecida em 1736 em Pitangui, MG
 Casou-se com Manoel da Mota Botelho (4).
 Filhos:
 Miguel da Mota Botelho
 Antônio da Mota Botelho
 Joana da Cruz Paes
 Romão da Mota Paes
 Manoel da Mota Paes Botelho
 Antônia Paes Botelho
 Fernando da Mota

Geração n.2

6. José Bahia da Rocha
 Nascido em Guimarães, Braga, PT
 Falecido em 7/8/1781 em Pitangui, MG [2] (Testamento, em Pitangui, MG)
 Declarou em seu testamento ser filho natural de Francisco e Senhorinha Soares
 Minerador
 Pais: Francisco Bahia da Rocha (1) e Senhorinha Soares (3).
 Casou-se com Joana da Cruz Paes.
7. Joana da Cruz Paes
 Falecida em 10/8/1803 em Pitangui, MG [2]
 Pais: Manoel da Mota Botelho (4) e Catarina Paes Leite (5).
 Casou-se com José Bahia da Rocha (6).
 Filhos:
 José Bahia da Rocha
 Joaquim José da Rocha
 João Manuel Bahia
 Francisco Bahia
8. Capitão José da Cunha e Melo
 Fonte: [2] 
 Casou-se com Maria Pimentel de Faria.
9. Maria Pimentel de Faria
 Casou-se com José da Cunha e Melo (8).
 Filhos:
 José Corrêa e Melo
10. Sr. Silva
 Casou-se com Clara Maria da Silva.
11. Clara Maria da Silva
 Fonte: [2] 
 Casou-se com Sr. Silva (10).
 Filhos:
 Lauriana Maria Clara da Silva
12. Maria Tomásia da Rocha Pinto
 Fonte: [3] 
 Pais: Francisco Bahia da Rocha (1) e Inácia Maria Pinto Coelho (2).
 Casou-se com Luiz da Rocha e Sousa em 7/4/1715 em Braga, PT.
 Filhos:
 Francisco José da Rocha de Souza Pinto
13. Padre José Bahia da Rocha
 Inquirido em 01/12/1715
 Pais: Francisco Bahia da Rocha (1) e Inácia Maria Pinto Coelho (2).
14. Capitão Mor Luiz da Rocha e Sousa
 Capitão Mor da Ribeira do Soaz
 Fonte: [2] 
 Casou-se com Maria Tomásia da Rocha Pinto (12) em 7/4/1715 em Braga, PT.
15. Manoel Ferreira da Cunha
 Falecido antes de 1758
 [24] (www.geni.com - De Generes do Padre José de Araújo da Cunha)
 Data estimada por já ter falecido quando seu filho,
 José de Araujo da Cunha se casou.
 Casou-se com Maria Gomes de Araújo.
16. Maria Gomes de Araújo
 Casou-se com Manoel Ferreira da Cunha (15).
 Filhos:
 Antônio de Araújo da Cunha
 Manoel de Araújo da Cunha
 José de Araújo da Cunha
17. Amaro Gomes Cardoso
 Casou-se com Maria Raul de Caldas.
18. Maria Raul de Caldas
 Casou-se com Amaro Gomes Cardoso (17).
 Filhos:
 Úrsula Maria de Alvarenga

Geração n.3

19. José Bahia da Rocha
 Nascido em 1746 em Pitangui, MG
 Falecido em 14/1/1801 em Pitangui, MG [3]
 Pais: José Bahia da Rocha (6) e Joana da Cruz Paes (7).
 Casou-se com Maria dos Santos Gomes.
20. João Manuel Bahia
 Nascido antes de 1763
 Fonte: [24] geneall.net mensagens trocadas com Felipe Vasconcelos
 Pais: José Bahia da Rocha (6) e Joana da Cruz Paes (7).
21. Capitão José Corrêa e Melo
 Falecido em 21/1/1820 em Pitangui, MG [2]
 Pais: José da Cunha e Melo (8) e Maria Pimentel de Faria (9).
 Casou-se com Maria Pascoal dos Santos.
 Casou-se com Lauriana Maria Clara da Silva.
 Casou-se com Teresa Maria de Jesus .
22. Lauriana Maria Clara da Silva
 Falecida em 9/7/1811
 Pais: Sr. Silva (10) e Clara Maria da Silva (11).
 Casou-se com José Corrêa e Melo (21).
 Filhos:
 Clementino 
 Genoveva Maria Clara 
 Demétrio 
 Clara 
 Hilarino
23. Maria dos Santos Gomes
 Falecida em 1/9/1785 em Pitangui, MG
 Casou-se com José Bahia da Rocha (19).
 Filhos:
 Jacinto Bahia da Rocha
 Manuel Bahia da Anunciação
24. Maria Pascoal dos Santos
 Casou-se com José Corrêa e Melo (21).
 Filhos:
 Ana Jesuína 
 Laurina 
 Dorotéia 
 Catarina 
 José Caetano 
 Demétrio 
 Antônio
25. Teresa Maria de Jesus 
 Casou-se com José Corrêa e Melo (21).
26. Miguel Gonçalves Palmeira
 Casou-se com Anna Teresa da Silva.
27. Anna Teresa da Silva
 Casou-se com Miguel Gonçalves Palmeira (26).
 Filhos:
 Maria Felisberta da Silva
28. José de Araújo da Cunha
 Nascido em 13/11/1718 em Braga, PT
 [15] (lv. 1591-1783 fl.177 Santa Maria de Arnoso, Braga, PT)
 Pais: Manoel Ferreira da Cunha (15) e Maria Gomes de Araújo (16).
 Casou-se com Úrsula Maria de Alvarenga em 13/11/1758 em Sabará, MG
 [24] (site: www.geneall.net).
29. Úrsula Maria de Alvarenga
 Nascida em 17/4/1730 em Sabará, MG
 [24] (www.geni.com, registro mantido por Carla Assenheimer)
 Falecida antes de 1849;
 Dados do nascimento obtidos pelo De Genere do padre
 José de Araújo da Cunha, seu filho.
 Pais: Amaro Cardoso (17) e Maria Caldas (18).
 Casou-se com José de Araújo da Cunha (28) em 13/11/1758 em Sabará, MG
 [24] (site: www.geneall.net).
 Filhos:
 José de Araújo da Cunha Alvarenga
 Manoel de Araújo da Cunha Alvarenga
 Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga
30. Manoel de Araújo da Cunha
 Nascido em 13/11/1710 em Braga, PT
 [15] (lv. 1591-1783 fl.150 Santa Maria de Arnoso, Braga, PT)
 Pais: Manoel Ferreira da Cunha (15) e Maria Gomes de Araújo (16).
31. Antônio de Araújo da Cunha
 Batizado em 11/3/1703 em Braga, PT
 [15] (lv.1591-1783 fl.102/103 Santa Maria de Arnoso, Braga, PT)
 Falecido em 26/6/1780 em Braga, PT
 Pais: Manoel Ferreira da Cunha (15) e Maria Gomes de Araújo (16).
 Casou-se com Úrsula de Araújo em 13/9/1733 em Braga, PT.
32. Úrsula de Araújo
 Casou-se com Antônio de Araújo da Cunha (31) em 13/9/1733 em Braga, PT.
 Filhos:
 Maria Josepha Araújo da Cunha

Geração n.4

33. Jacinto Bahia da Rocha
 Nascido em 1778
 Falecido em 1857
 Fonte: [3] Fórum sobre a família Bahia da Rocha
 Pais: José Bahia da Rocha (19) e Maria dos Santos Gomes (23).
 Casou-se com Clara Maria Vieira.
34. Capitão Manuel Bahia da Anunciação (da Rocha)
 Nascido em 1789 em Pitangui, MG
 Falecido em 17/11/1855 em Pitangui, MG
 [3] Fórum sobre a família Bahia da Rocha, por Felipe de Vasconcellos
 Pais: José Bahia da Rocha (19) e Maria dos Santos Gomes (23).
 Casou-se com Genoveva Maria Clara .
35. Ana Jesuína 
 Fonte: [2] Fórum no geneall.net sobre os Bahia da Rocha
 Pais: José Corrêa e Melo (21) e Maria Pascoal dos Santos (24).
36. Antônio 
 Falecido antes de 1820
 Casado com Anna Bahia
 Pais: José Corrêa e Melo (21) e Maria Pascoal dos Santos (24).
37. Clementino 
 Fonte: [2] 
 Pais: José Corrêa e Melo (21) e Lauriana Maria Clara da Silva (22).
38. Genoveva Maria Clara 
 Nascida em 1802 em Pitangui, MG
 Falecida em 1859 em Pitangui, MG
 Pais: José Corrêa e Melo (21) e Lauriana Maria Clara da Silva (22).
 Casou-se com Manuel Bahia da Anunciação (34).
 Filhos:
 Manoel Bahia da Rocha Júnior
 Ana Maria do Espírito Santo 
 Maria Clara da Circuncisão Bahia
 Maria Clara da Silva
 Francisco Bahia da Rocha
 Miguel Raimundo da Rocha Bahia
39. Maria Felisberta da Silva (Maria Tangará)
 Falecida em 20/1/1837 em Pitangui, MG
 [2] (Testamento de Maria Tangará, no Arq. Judiciário de Pitangui, MG)
 Fonte: Site de Pitangui, Prof. Arnaldo de Souza Ribeiro
 Mudou-se para Pitangui em 1794, já casada e com filhos.
 Fonte: [2] 
 Pais: Miguel Gonçalves Palmeira (26) e Anna Teresa da Silva (27).
 Casou-se com Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga.
 Filhos:
 Balbina Felisberta da Cunha Alvarenga
 Delfina da Cunha Alvarenga
 Ildefonso da Cunha Alvarenga
 Pulquéria Severina da Cunha Alvarenga
 Gomes da Cunha Alvarenga
 Lino Joaquim da Cunha Alvarenga
 Bazilio de Araújo da Cunha Alvarenga
 Matildes da Cunha Alvarenga
 Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga
40. Capitão Mor Manoel de Araújo da Cunha Alvarenga
 Nascido em 25/12/1768 em Sabará, MG [12]
 Batizado em JAN/1769 em Sabará, MG
 (Processo "De Genere" do filho - Padre José Júlio de Araújo Vianna)
 Fonte: [21] 
 Pais: José de Araújo da Cunha (28) e Úrsula Maria de Alvarenga (29).
 Casou-se com Mariana Clara Viana em 16/7/1793 em Congonhas do Sabará, MG [21].
41. Capitão Mor José de Araújo da Cunha Alvarenga
 Nascido em 17/8/1759 em Sabará, MG [12]
 Falecido antes de 1830
 Recebeu Carta Patente como Capitão de Ordenanças da
 Capitania de Minas Gerais em 09/11/1798
 (Registo Geral de Mercês de D. Maria I, liv.29, f. 87)
 Pais: José de Araújo da Cunha (28) e Úrsula Maria de Alvarenga (29).
 Casou-se com Thereza Maria Rodrigues do Rosário.
42. Sargento Mor Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga
 Falecido em 1857
 Fonte: [2] 
 Proprietário da Fazenda Ponte Alta
 Pais: José de Araújo da Cunha (28) e Úrsula Maria de Alvarenga (29).
 Casou-se com Maria Felisberta da Silva (39).
43. Clara Maria Vieira
 Casou-se com Jacinto Bahia da Rocha (33).
44. Mariana Clara Viana
 Batizada em 27/10/1768 em Congonhas do Sabará, MG
 Pais: Manoel Ribeiro e Escolástica Vianna.
 Casou-se com Manoel de Araújo da Cunha Alvarenga (40)
 em 16/7/1793 em Congonhas do Sabará, MG [21].
 Filhos:
 Cândido José de Araújo Viana (Marquês de Sapucaí)
 José Júlio de Araújo Vianna
 Francisco de Paula Alvarenga
 Silvério Augusto de Araújo Viana
45. João Gonçalves dos Reis
 Fonte: [2] 
 Casou-se com Ana da Silva.
46. Ana da Silva
 Casou-se com João Gonçalves dos Reis (45).
 Filhos:
 Domingos Gonçalves dos Reis
47. Thereza Maria Rodrigues do Rosário
 Falecida em 12/3/1843 em Raposos, MG
 [11] (lv.1743/1911 fl.228v, N. S. Conceição, Raposos, MG)
 Fonte: [21] Parentes de Manoel de Araújo da Cunha Alvarenga
 Casou-se com José de Araújo da Cunha Alvarenga (41).
 Filhos:
 Genoveva Maria de Alvarenga
 Thereza Ignácia de Jesus 
 José de Araújo da Cunha
 Antônio Joaquim da Cunha
48. Clara Maria Vieira
 Casou-se com Jacinto Bahia da Rocha (33).

Geração n.5

49. Pulquéria Severina da Cunha Alvarenga
 Pais: Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga (42) e
       Maria Felisberta da Silva (39).
 Casou-se com Fernando Xavier Rabello.
50. Lino Joaquim da Cunha Alvarenga
 Pais: Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga (42) e
       Maria Felisberta da Silva (39).
 Casou-se com Maria Rosa da Costa Lima.
51. Alferes Bazilio de Araújo da Cunha Alvarenga
 Pais: Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga (42) e
       Maria Felisberta da Silva (39).
 Casou-se com Máxima Jesuína de Faria.
 Casou-se com Maria Augusta Alvarenga.
52. Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (ou Pulsina)
 Nascida por volta de 1815 em Pitangui, MG [21]
 Fonte: [2] 
 Pais: Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga (42) e
       Maria Felisberta da Silva (39).
 Casou-se com Manoel Bahia da Rocha Júnior por volta de 1838.
 Filhos:
 Manoel Alvarenga Bahia da Rocha
 Genoveva Maria da Cunha
 João Bahia da Rocha
 Inácio Joaquim Bahia da Cunha
 Thereza Bahia de Jesus
 Francisco Bahia da Rocha Sobrinho
 José Bahia da Rocha
  Anna Alvarenga Bahia
 Inhá Alvarenga Bahia
53. Balbina Felisberta da Cunha Alvarenga
 Falecida antes de 1836 em Pitangui, MG
 [2] (Testamento de Maria Tangará, no Arq. Judiciário de Pitangui, MG)
 Pais: Inácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga (42) e
       Maria Felisberta da Silva (39).
 Casou-se com Firminiano Alves de Souza.
 Filhos:
 João Quirino Alves da Cunha Alvarenga
 Maria Salomé Alves de Souza
 Cecília Alves de Souza
 Inácio Alves de Souza
54. Manoel Bahia da Rocha Júnior
 Dono de Cartório em Pitangui
 Há documento com firma reconhecida por Manoel datado de 14/02/1838.
 Fonte: [2] 
 Pais: Manuel Bahia da Anunciação (34) e Genoveva Maria Clara (38).
 Casou-se com Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52)
 por volta de 1838 em Pitangui, MG.
55. Ana Maria do Espírito Santo 
 Solteira
 Pais: Manuel Bahia da Anunciação (34) e Genoveva Maria Clara (38).
56. Maria Clara da Circuncisão Bahia
 Solteira
 Pais: Manuel Bahia da Anunciação (34) e Genoveva Maria Clara (38).
57. Major da Guarda Nacional Francisco Bahia da Rocha (Major Bahia)
 Nascido em 1826 em Pitangui, MG
 Falecido em 28/11/1912, sepultado na Igreja N. S. do Pilar, Pitangui, MG
 Pais: Manuel Bahia da Anunciação (34) e Genoveva Maria Clara (38).
 Casou-se com Carolina Corrêa de Lacerda.
 Casou-se com Rita Maria de Jesus Lopes.
58. Domingos Gonçalves dos Reis
 Fonte: [2] 
 Pais: João Gonçalves dos Reis (45) e Ana da Silva (46).
 Casou-se com Antonia Maria Madalena .
59. Carolina Corrêa de Lacerda
 Falecida em 23/4/1855
 Pais: Alexandre Mesquita e Idalécia Barbosa.
 Casou-se com Francisco Bahia da Rocha (57).
 Filhos:
 Francisco Bahia da Rocha Filho
 Maria Carolina D'Anunciação Bahia da Rocha
60. Rita Maria de Jesus Lopes
 Casou-se com Francisco Bahia da Rocha (57).
 Filhos:
 Américo Bahia da Rocha
 Genoveva Bahia da Rocha
 Francisca Bahia da Rocha
 Rita Bahia da Rocha
 Sabina Bahia da Rocha
 Cecília Bahia da Rocha
 Maria Bahia da Rocha
61. Antonia Maria Madalena 
 Casou-se com Domingos Gonçalves dos Reis (58).
 Filhos:
 Cândido Gonçalves dos Reis
62. Alferes Firminiano Alves de Souza
 Falecido em 3/2/1855
 Fonte: [24] www.myheritage.com site de Rodrigo Kaukal Valladares
 Casou-se com Balbina Felisberta da Cunha Alvarenga (53).
63. Máxima Jesuína de Faria
 Fonte: [21] por Ivana Maria de Aguiar Ribeiro
 Casou-se com Bazilio de Araújo da Cunha Alvarenga (51).
 Filhos:
 Beralda Celestiana Alvarenga
 Flávio Máximo de Faria
 Basílio Faria
64. Fernando Xavier Rabello
 Fonte: [11] Testamento de Maria Felisberta da Silva
        transcrito por Rodrigo Figueiredo de Vasconcellos
 Casou-se com Pulquéria Severina da Cunha Alvarenga (49).
65. Maria Augusta Alvarenga
 Casou-se com Bazilio de Araújo da Cunha Alvarenga (51).
 Filhos:
 Dorothóvio Araújo da Cunha Alvarenga67. Anna Alvarenga Bahia
 Durval da Cunha Alvarenga
 Cristóvão da Cunha Alvarenga
 José da Cunha Alvarenga
66. Maria Rosa da Costa Lima
 Casou-se com Lino Joaquim da Cunha Alvarenga (50).
 Filhos:
 Bazílio da Cunha Alvarenga
 João da Cunha Alvarenga

Geração n.6

67. Anna Alvarenga Bahia
 Nascida em 1851 [2]
 Falecida por volta de 1926 em Pedro Leopoldo, MG
 [27] (Deduzido pelos reg. nasc. dos netos)
 Nascimento deduzido pela data de casamento e
 o dado de que teria se casado com 18 anos.
 (anotações de Rivadávia Bahia Vianna)
 Fonte: [23] 
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
 Casou-se com Cândido Gonçalves dos Reis por volta de 1869.
 Filhos:
 Manoel Gonçalves Bahia
 Elisa Gonçalves Bahia
 Joaquim Gonçalves Bahia
 Cândido Gonçalves Bahia
 Francisco Gonçalves Bahia
 Joviniano Gonçalves Bahia
 Leopoldo Gonçalves Bahia
 José Josias Gonçalves Bahia
 Maria Emília Gonçalves Bahia
68. Genoveva Maria da Cunha
 Faleceu solteira
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
69. Cândido Gonçalves dos Reis
 Nascido em 1835 em Maravilhas, Pitangui, MG
 Falecido em 4/5/1895
 Herdou do sogro por parte da primeira mulher,
 o Padre João Félix Rodrigues Galvão,
 a Fazenda da Cachoeira de Cima entre Maravilhas e Pequi, MG.
 Fonte: [2] e-mail Junho/2013
 Pais: Domingos Gonçalves dos Reis (58) e Antonia Maria Madalena (61).
 Casou-se com Ana Rosa Rodrigues.
 Casou-se com Anna Alvarenga Bahia (67) por volta de 1869.
70. Ana Rosa Rodrigues
 Fonte: [2] 
 Pais: João Galvão e ?.
 Casou-se com .
 Filhos:
 Benvindo Gonçalves dos Reis
 Antônio Gonçalves dos Reis
 Joaquim Gonçalves dos Reis
71. Inácio Joaquim Bahia da Cunha
 Escrivão de órfãos em Bambuí, MG
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
 Casou-se com Júlia Maria da Caridade
 Filhos:
 Floriana Bahia da Cunha
 Porcina Bahia da Cunha
72. Thereza Bahia de Jesus
 Faleceu solteira
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
73. Manoel Alvarenga Bahia da Rocha
 Batizado em 8/4/1839 em Pitangui, MG
 [15] (lv.1828/1843 fl.170 Pitangui, MG - em Divinópolis)
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
74. Francisco Bahia da Rocha Sobrinho
 Mudou seu nome para Francisco Neves da Rocha após uma desavença com João Bahia da Rocha
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
 Casou-se com Ambrosina Carolina de Carvalho em 14 de Setembro de 1887

75. João Bahia da Rocha
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
 Casou-se com Constância Angélica de Campos

76. José Bahia da Rocha
 Pais: Manoel Bahia da Rocha Júnior (54) e
       Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga (52).
 Casou-se com Maria Christina de Campos

Geração n.7

77. Benvindo Gonçalves dos Reis
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Ana Rosa Rodrigues (70).
 Casou-se com Maria Margarida da Conceição .
78. Antônio Gonçalves dos Reis (Sô Nico)
 Nascido em 1865 em Maravilhas, Pitangui, MG
 [28] (Matrícula 1462 10/10/1881)
 Seminarista no Caraça em 1881
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Ana Rosa Rodrigues (70).
 Filhos:
 Elisa Gonçalves dos Reis
 Ana Gonçalves dos Reis
79. Cândido Gonçalves Bahia (Candinho)
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Maria Tavares.
80. Francisco Gonçalves Bahia (Chiquinho)
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Natividade Alves Vianna (98).
81. Manoel Gonçalves Bahia (Nelinho)
 Nascido em 20/8/1870
 Falecido em 14/11/1933
 Sofria da coluna
 Fonte: [2] 
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Joana Helena Valladares de Vasconcelos.
82. Elisa Gonçalves Bahia (Sinhá)
 Nascida em 29/3/1871 [22]
 Falecida em 1975 [4]
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Ottoni Alves Ferreira da Silva.
 Filhos:
 Antônio Alves Gonçalves Ferreira
 Christiano Ottoni Gonçalves Ferreira
 Juvenal Gonçalves Ferreira
 Jussara Lucy Gonçalves Ferreira
 Ottoni Alves Filho
 Francisca Alves Gonçalves Ferreira
 Geraldo Otoni Alves Gonçalves Ferreira
 Elysio Alves Gonçalves Ferreira
 Romero Alves Gonçalves Ferreira
 Elisa Alves Gonçalves Ferreira
 João Gonçalves Ferreira
 Elza Alves Gonçalves Ferreira
83. Joaquim Gonçalves Bahia (Sô Quim)
 Nascido em 22/6/1872 [22]
 Falecido em 1948
 Foi sócio de Otoni Alves Ferreira no armazém
 que depois se tornou Alves Carvalho e Cia
 Fonte: [26] 
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Cota França.
 Casou-se com Conceição França.
84. Joviniano Gonçalves Bahia (Jovem)
 Nascido em 4/5
 Solteiro, cego;
 Faleceu de cirrose sem nunca ter bebido.
 Fonte: [4] De conversas com Miloca e Mária Vianna
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
85. Maria Emília Gonçalves Bahia (Miloca)
 Nascida em 28/5/1889 em Maravilhas, Pitangui, MG
 [22] (Caderneta de Aniversários)
 Falecida por volta de 6/1981 em Pedro Leopoldo, MG [27]
 Agente dos Correios em Pedro Leopoldo, MG
 Fonte: [29] 
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Mário da Conceição Vianna (99)
 em 8/5/1915 em Pedro Leopoldo, MG
 [16] (lv. 1 fl. 101 n. 205 Pedro Leopoldo, MG).
 Filhos:
 Rivadávia Bahia Vianna
 Mário Bahia Vianna
 Caio Bahia Vianna
 Raymundo Bahia Vianna
 Cândido Bahia Vianna
 Geraldo Bahia Vianna
 Elísio Bahia Vianna
 Maria Mária Bahia Vianna
86. Joana Helena Valladares de Vasconcelos
 Nascida em 29/10/1873
 Falecida em 25/6/1922 em Papagaios, MG
 Fonte: [2] 
 Pais: Diogo Vasconcellos e Isabel Valadares.
 Casou-se com Manoel Gonçalves Bahia (81).
 Filhos:
 Maria do Carmo Valadares Bahia
 Maria de Lourdes Valadares Bahia
 Juca Gonçalves Bahia
87. Ottoni Alves Ferreira da Silva
 Nascido em 6/10
 Falecido em 27/1/1946 em Pedro Leopoldo, MG [52] (pg.22)
 Estudou no Caraça;
 Diretor da Companhia Fabril Cachoeira Grande;
 Construiu em 1921 o Cine Ottoni, que funcionou até 1946
 Fonte: [26] 
 Pais: Antônio Alves Ferreira da Silva e Francisca da Silva.
 Casou-se com Elisa Gonçalves Bahia (82).
88. Conceição França
 Falecida em 1963
 Casou-se com Joaquim Gonçalves Bahia (83).
 Filhos:
 Odete França Bahia
 Alberto França Bahia
 Edith França Bahia
 Délio França Bahia
89. Maria Margarida da Conceição 
 Casou-se com Benvindo Gonçalves dos Reis (77).
 Filhos:
 José Gonçalves dos Reis
 Cândido Gonçalves dos Reis Neto
 Elisa Gonçalves dos Reis
90. Joaquim Gonçalves dos Reis
 Nascido em 1868 em Maravilhas, Pitangui, MG
 [28] (Matrícula 1463 10/10/1881)
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Ana Rosa Rodrigues (70).
91. Leopoldo Gonçalves Bahia
 Fonte: [41] Genealogia Gonçalves Bahia
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Cristina Castro Capanema.
 Casou-se com Olívia Gontijo.
92. Cristina Castro Capanema
 Casou-se com Leopoldo Gonçalves Bahia (91).
 Filhos:
 Claudionor Castro Bahia
 Luiz de Castro Bahia
 Nanci de Castro Bahia
 Altiva de Castro Bahia
93. Olívia Gontijo
 Casou-se com Leopoldo Gonçalves Bahia (91).
 Filhos:
 Milton Gontijo Bahia
 Cássio Gontijo Bahia
94. Cota França (Cota)
 Irmã da segunda esposa, Conceição.
 Seria Amélia França?
 Uma terceira irmã, Chiquinha França, foi casada com o Sr. Dino.
 Casou-se com Joaquim Gonçalves Bahia (83).
 Filhos:
 Nicanor França Bahia
 Gumercindo França Bahia
 José França Bahia
 Clodomiro Gonçalves Bahia
95. Maria Tavares (Maricas)
 Fonte: [23] Álbum de fotos (Maricas) e Diário Oficial de 12/02/1840
 Pais: José Tavares e Ana Reis.
 Casou-se com Cândido Gonçalves Bahia (79).
 Filhos:
 Antônio Gonçalves Bahia
 Cândido Gonçalves Bahia Filho
 Norma Gonçalves Bahia
 Ana Elisa Gonçalves Bahia
 Cândida Beatriz Gonçalves Bahia
 Viriato Gonçalves Bahia
 Vicente Gonçalves Bahia
 Paulo Gonçalves Bahia
96. José Josias Gonçalves Bahia (Jusa)
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis (69) e Anna Alvarenga Bahia (67).
 Casou-se com Palmira Meireles.
97. Palmira Meireles
 Casou-se com José Josias Gonçalves Bahia (96).
 Filhos:
 João Gonçalves Bahia
 Antônio Gonçalves Bahia
 Maria Nazaré Meireles Bahia
 Geraldo Gonçalves Bahia
 José Meireles Bahia
 Lúcio Meireles Bahia
98. Natividade Alves Vianna
 Pais: José Alves Vianna e Maria Dias.
 Casou-se com Francisco Gonçalves Bahia (80).
 Filhos:
 José Alves Bahia
 Maria da Conceição Alves Bahia
 Ana Lúcia Alves Bahia
 Margarida Alves Bahia
 Marta Alves Bahia

99. Mário da Conceição Vianna
 Nascido em 8/12/1892 em Pedro Leopoldo, MG
 [16] (lv. 2 fl. 13 n. 135 Pedro Leopoldo, MG)
 Falecido em 8/11/1942 em Pedro Leopoldo, MG
 [23] (Santinho do Funeral de Mário)
 Funcionário da Estrada de Ferro Central do Brasil
 Faleceu do coração ao pular uma cerca na
 Estação Ferroviária de Pedro Leopoldo, onde trabalhava.
 Pais: Francisco de Paula da Fonseca Vianna e Laurinda de Souza.
 Casou-se com Maria Emília Gonçalves Bahia (85)
 em 8/5/1915 em Pedro Leopoldo, MG
 [16] (lv. 1 fl. 101 n. 205 Pedro Leopoldo, MG).

Fontes:

[2] - Pesquisas: Rodrigo Vasconcelos
 VASCONCELOS, Rodrigo Figueiredo de
 e-mails e Internet
[3] - Nobreza Brasileira de A a Z
 Geneall.net
 www.geneall.net
[4] - Relatos: Maria Laura Moreira
 MOREIRA, Maria Laura de Salles
 arquivos MP3
[6] - Web Site: Family Search
 Igreja dos Santos dos Últimos Dias
 familysearch.org
[7] - Testamentos
 Igreja Católica
[9] - Matrimônios na Igreja
 Igreja Católica
[11] - Óbitos
 Igreja Católica
[12] - Livro: Genealogia e Memória Histórica de José Ângelo Nogueira
 NOGUEIRA, José Ângelo
 Gráfica O Lutador, 2011
[15] - Batismos na Igreja
 Igreja Católica
[16] - Registro Civil: Brasil
 República Federativa do Brasil
 certidões e registros de identidade
[21] - Web Site: Geneaminas
 Geneaminas
 www.geneaminas.com.br
[22] - Notas Pessoais: Mário Vianna
 VIANNA, Mário da Conceição
[23] - Notas Pessoais: Miloca
 BAHIA, Maria Emília Gonçalves
[24] - Internet: Pesquisas Avulsas
[26] - Relatos: Elysio Ferreira
 FERREIRA, Elysio Alves Gonçalves
 Jornais de Pedro Leopoldo
[27] - Relatos: João Vianna
 VIANNA, João Alexandre Moreira Bahia
[28] - Matrículas: Caraça, 1881 a 1909
 Seminário do Caraça
[29] - Relatos: Elísio Bahia e Irmãos
 VIANNA, Elísio Bahia e irmãos
[30] - Arquivo Geraldo Leão
 LEÃO, Geraldo
 Documentos e relatos colhidos em Pedro Leopoldo
[40] - Jornais e Revistas
[41] - Relatos: Mária Vianna Mello
 MELLO, Mária Vianna de
[49] - Livro: Sinhá Braba - Dona Joaquina do Pompéu
 VASCONCELOS, Agripa
[52] - Livro: Pedro Leopoldo vista por Chico Xavier
 LEMOS Neto, Geraldo e LEÃO, Geraldo


4 Comentários

A Família de Miloca

Maria Emília Gonçalves Bahia (Miloca) descende das famílias Alvarenga Bahia e Gonçalves dos Reis, de Pitangui. Com a ajuda de Rodrigo Figueiredo de Vasconcelos [2] e dos primos da família Bahia Vianna, em especial Mária Vianna de Mello [41] e Ângela Bahia Vianna, pesquisamos seus ascendentes, e contamos aqui uma parte desta história.

Ascendentes de Maria Emília Gonçalves Bahia

Ascendentes de Maria Emília Gonçalves Bahia

Irmãos

Miloca era a mais nova dos nove irmãos que alcançaram a idade adulta: Manoel, Elisa, Joaquim, Cândido, Francisco, Joviniano, Leopoldo, José Josias e Maria Emília. Miloca contava que sua mãe perdera muitos filhos que, deixados aos cuidados de amas de leite, adoeciam e não passavam da tenra infância. Havia ainda, pelo menos três meio-irmãos, filhos do primeiro matrimônio do seu pai, Cândido Gonçalves dos Reis, com Ana Rosa Rodrigues, filha do Padre João Félix Rodrigues Galvão: Benvindo, Antônio e Joaquim.

Os três filhos de Cândido nascidos do primeiro casamento receberam sobrenome Gonçalves dos Reis. Os filhos nascidos do casamento com Anna Alvarenga Bahia receberam o sobrenome Gonçalves Bahia.

Benvindo Gonçalves dos Reis teve um filho a quem deu o nome de Cândido, que assinava como o avô. Deste filho, nascido em 1893, e de Maria do Carmo Valadares Bahia, nascida em 1900 e filha de Manoel Gonçalves Bahia, descende o nosso primo e colaborador Rodrigo de Vasconcelos. Nas palavras de Rodrigo: “talvez importasse anotar que o meu bisavô Cândido, neto do seu homônimo, foi interventor em Pitangui, nomeado por Benedito Valadares (o qual era primo primeiro de Joana Helena, sogra do meu bisavô), e o primeiro prefeito eleito de Papagaios, cujo atual prefeito é seu neto materno, assim como o anterior.”

Através de matrículas no Caraça em 30 de Junho de 1882, em que consta a filiação e a idade dos alunos, chegamos ao ano de nascimento de Antônio Gonçalves dos Reis (Sô Nico, nascido em 1865) e Joaquim Gonçalves dos Reis (1868).

Sobre os Gonçalves Bahia, Mária de Mello contribuiu com uma árvore da família, complementada por anotações feitas por Ângela Vianna no álbum de fotografias de Miloca.

Manoel Gonçalves Bahia, nascido em 1870, casou-se com Joana Helena Valadares de Vasconcelos, nascida em 1873, que era descendente de Joaquina do Pompéu. Aqui se uniram as famílias das duas ilustres senhoras de Pitangui, pois Manoel era bisneto de Maria Tangará.

manoel_g_bahia

Elisa Gonçalves Bahia nasceu em 1871. Como já foi mencionado em outro artigo deste Blog, Elisa casou-se com Ottoni Alves Ferreira da Silva e gerou muitos descendentes, dentre eles pessoas ilustres em Pedro Leopoldo, como o Doutor Christiano Ottoni Gonçalves Ferreira, Francisca Alves Gonçalves Ferreira (Chiquita), casada com Romero de Carvalho Filho (Milu) e o Doutor Elysio Alves Gonçalves Fereira dentre tantos outros. A diferença de idade entre as irmãs fez com que os filhos de Miloca regulassem em idade com os netos de Elisa. Entre eles se formaram grandes amizades, como as de Luciano e Sílvio de Milu, filhos de Chiquita, com Elísio Bahia Vianna.
A casa dos Gonçalves Ferreira ficava na praça Dr. Senra, próxima da Cachoeira Grande, que deu nome à fábrica de tecidos. Elisa viveu mais de 102 anos, e manteve-se lúcida até idade bem avaçada.

Ottoni e Elisa

Ottoni, Elisa e filhos

Joaquim Gonçalves Bahia (Sô Quim) nasceu em 1872. Foi sócio de Otoni Alves Ferreira no armazém que depois se tornou Alves Carvalho e Cia. Joaquim casou-se com Cota França, com quem teve quatro filhos. Com o falecimento desta, casou-se com a irmã, Conceição França, que lhe deu outros quatro filhos, dentre os quais Odete, Alberto e Edith. Sô Quim faleceu em 1948.

Cândido Gonçalves Bahia (Candinho) casou-se com Maria Tavares, que era neta de Antônio Gonçalves dos Reis. Do casamento nasceram oito filhos, entre eles Norma e Ana Elisa, muito amigas de Maria Mária Bahia Vianna. A curiosidade aqui é que os filhos de Cândido tinham duas avós chamadas de Donana – Anna Alvarenga Bahia e Ana Gonçalves dos Reis.

Francisco Gonçalves Bahia (Chiquinho) casou-se com Natividade Alves Vianna, neta de Joaquina Cândida de Souza Vianna. Portanto, houve aqui um segundo entrelaçamento das famílias Gonçalves Bahia e Souza Vianna. Deste casamento nasceram José Alves Bahia, Ana Lúcia e Marta, que também eram muito amigos de Mária Bahia Vianna. José casou-se com Maria José Rodrigues Barbosa, que ficou conhecida na família como Zezé Bahia ao receber o sobrenome do marido.

joaquim_e_francisco_bahia

Joviniano Gonçalves Bahia (Jovi) tinha problemas de visão e não se casou. Consta que faleceu de barriga d’agua (cirrose) sem nunca ter bebido.

jovi_bahia

Leopoldo Gonçalves Bahia casou-se com Cristina Castro Capanema e, ao ficar viúvo, com Olívia Gontijo. Do primeiro casamento, nasceram Nanci e Altiva, além de dois rapazes. Nanci era afilhada de Miloca. As duas permaneceram solteiras e uma cuidava da outra. Eram muito religiosas, e sempre rezavam muito por todos da família. No quintal da casa onde moravam havia pés de cidra e as irmãs gostavam de preparar doces de compota que serviam com ambrosia para as visitas.

José Josias Gonçalves Bahia (Jusa) casou-se com Palmira Meireles. Moravam em Sete Lagoas. Dentre seus filhos estava José Meireles Bahia, o Zé Bahia, dentista e muito amigo de Elísio Bahia Vianna. Os dois primos fizeram muitos passeios memoráveis, quando Elísio vinha a Pedro Leopoldo visitar a mãe Miloca.

Família de Jusa Bahia e Palmira Meireles

Os Pais

Cândido Gonçalves dos Reis era filho de Domingos Gonçalves dos Reis e Antônia Maria Madalena. Teria nascido em 1835. Nas palavras de Rodrigo de Vasconcelos, em e-mail: “Como já disse à prima Mária, no meu ramo da família, contam que Cândido conheceu Donana, sua segunda esposa, quando, já viúvo de Ana Rosa Rodrigues, foi chamado ao cartório de Pitangui para a abertura do inventário do seu sogro, o Pe. (sim, padre!) João Félix Rodrigues Galvão. No cartório, encontrou Donana, filha do tabelião.” Este tabelião era Manoel Bahia da Rocha Júnior, casado com Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga, pais de Anna Alvarenga Bahia.

Anna Alvarenga Bahia (Don'Anna)

Cândido teria herdado da primeira esposa, Ana Rosa Rodrigues, a fazenda da Cachoeira de Cima em Maravilhas, Pitangui, MG (hoje, município de Pequi). Essas terras eram todas do arraial de São Joanico, fundado por José Aniceto Rodrigues, tio paterno de Ana Rosa [2]. Foi lá que Miloca passou a infância (não confundir com a Fazenda da Cachoeira Grande, em Pedro Leopoldo). Quando Cândido faleceu, em 1895, Miloca tinha apenas seis anos de idade, mas seus meio-irmãos já tinham mais de 25 anos. Na partilha, os irmãos Gonçalves dos Reis ficaram com a administração da fazenda, herança da mãe. Por sua vez, Don’Anna mudou-se de Pitangui para Pedro Leopoldo, onde vivia sua filha Elisa. Com a parte que lhe coube da herança do marido ou do pai, Don’Anna comprou uma chácara em Pedro Leopoldo. Um desenho representando a cidade nos anos 30 mostra sua localização. A casa foi construída com frente para a Rua Ferreira Mello (mais tarde Rua Comendador Antônio Alves) e o terreno se estendia até as margens do Ribeirão da Mata, tendo sido desmembrado mais tarde, para construção da Rodoviária e do Clube Social de Pedro Leopoldo (conforme relatos de Miloca). Don’Anna teria criado o primeiro cinema de Pedro Leopoldo, num galpão em meia-água, sem fachada. Na bilheteria trabalhava Genoveva, irmã de Don’Anna. Mais tarde, foi criado o Cine Otoni, que ficava de frente para a Rua Dr. Herbster.

chacara_donanna

Avós, Bisavós e Outros Parentes

Dos ascendentes de Cândido, sabe-se pouco além dos seus nomes. Os pais de Domingos Gonçalves dos Reis chamavam-se João Gonçalves dos Reis e Ana da Silva. De Antonia Maria Madalena, só temos mesmo o nome. Do lado materno, os avós de Miloca eram Manoel e Porcina.

O avô materno de Miloca, Manoel Bahia da Rocha Junior, era cartoriante em Pitangui. Sua família era de Braga, Portugal, e veio para o Brasil no ciclo da mineração. O sobrenome Bahia surgiu através do seu ancestral Domingos Soares Bahia, que passou aos descendentes o toponímico, dando origem aos Bahia da Rocha. Os pais de Manoel eram Manoel Bahia da Anunciação (da Rocha), nascido em 1789 em Pitangui, e Genoveva Maria Clara, nascida em 1802, também em Pitangui.

manoel_b_rocha

A genealogia dos Bahia da Rocha foi discutida em um Forum do site geneall.net [3]. Infelizmente, as informações neste site só estão disponíveis para membros inscritos. O Forum cita o inventário de Manoel Bahia da Anunciação, falecido em 17 de Novembro de 1855. Este inventário estaria disponível no Arquivo Judiciário de Pitangui, MG. Com a ajuda de Rodrigo Vasconcelos, obtivemos um assento de batismo de Francisco Bahia da Rocha, filho de Domingos Soares Bahia, datado de 1665 ([6] livro 1653-1692, Braga,Vieira do Minho,Guilhofrei,São Tiago). É um dos documentos mais antigos que encontramos sobre a família até o momento.

Assento de Batismo de Francisco Bahia da Rocha

Assento de Batismo de Francisco Bahia da Rocha

“Aos oito de Novembro de mil seiscentos e seçenta e sinco annos. Eu Osvaldo Francisco da Costa Reitor em esta Igreja de São Tiago de Guilhofrey Baptizei a Francisco filho legítimo de Domingos Soarez Bahia, e de Mariana da Rocha moradores no lugar de Requeixada desta Freguezia. forão padrinhos o Rv. p e Francisco Rebello do lugar de Seleiro; E por verdade fiz este termo dia ?? supra. Reitor Francisco da Costa”

Manoel Bahia da Rocha consta em uma lista de eleitores de 1857 juntamente com seu irmão, Francisco Bahia da Rocha, nascido em 1826, o Major Bahia, que foi figura política importante em Pitangui. Na lista, Francisco ainda está no posto de Alferes. É atribuído a Manoel o posto de Capitão, o que faria mais sentido em relação a seu pai. No entanto, Manoel Bahia da Anunciação falecera cerca de dois anos antes. Além de Manoel e Francisco, são listados também Francisco Tiburcio e Antonio Pedro Bahia da Rocha, mas não conseguimos determinar o grau de parentesco destes com os dois primeiros.

Fragmento do Correio de Minas de 1857

A avó materna de Miloca, Porcina de Araújo da Cunha Alvarenga, era filha do Sargento Mor Ignácio Joaquim Araújo da Cunha Alvarenga e Maria Felisberta da Silva – a Maria Tangará. Do testamento de Maria Tangará, transcrito mais adiante, pode-se inferir que em Novembro de 1836 Porcina ainda era solteira, pois não há menção de um marido ou dote no dito testamento. Por outro lado, há um assento de batismo de um filho de Porcina em 1839. Teria ela, portanto, se casado pouco tempo depois do falecimento da mãe. De Maria Felisberta, Porcina herdou os escravos Joaquina Conga, Victoria, Rita Mullata e Luis Moçambique, além de duas éguas, um cavalo e quatro vacas. Coube-lhe ainda parte do restante da repartição da terça (um terço da herança, de que o testador podia dispor como desejasse), dividida com as duas irmãs, Delfina e Matildes.

pulsina_c_alvarenga

Em 1839, nasceu um filho de Manoel e Porcina, possivelmente o primogênito, já que foi batizado com o nome do pai. Os padrinhos foram os avós – Manoel Bahia da Anunciação e Ignácio Joaquim da Cunha Alvarenga. Houve pelo menos mais oito filhos: Genoveva, João, Ignácio, Thereza, Inhá (apelido),  Francisco, José e Anna (a Don’Anna, minha bisavó). Os rapazes passaram a usar o sobrenome do pai – Bahia da Rocha. As moças receberam o Alvarenga ou o Cunha da mãe e o Bahia do pai. Thereza e Genoveva não se casaram.

Batismo de Manoel, filho de Manoel Bahia da Rocha e Porcina [15] livro 1828/1843 fl.170 Pitangui, MG (guardado na igreja de Divinópolis)

Batismo de Manoel, filho de Manoel Bahia da Rocha e Porcina [15]
livro 1828/1843 fl.170 Pitangui, MG (guardado na igreja de Divinópolis)

“Aos oito de Abril de mil oitocentos e trinta e nove o Reverendo Antônio Gregório ??? baptizou e pôs os Sanctos Óleos a Maria innocente digo Manoel innocente filho legítimo de Manoel Bahia da Rocha Júnior e D. Porcina de Araújo da Cunha; Forão Padrinhos o Sargento Mor Ignácio Joaquim da Cunha ??? e o Tenente Manoel Bahia da Anunciação para constar fiz este assento que assignei. O Vigário Belchior Pinheiro de Oliveira.”

Há bastante informação na literatura e documentação histórica sobre Ignácio Joaquim e Maria Felisberta. O casal teria vindo de Sabará, de onde seriam suas famílias. Em seu livro sobre Dona Joaquina do Pompéu – Sinhá Braba, Agripa Vasconcelos traça o perfil de Maria Felisberta como inimiga de Joaquina, praticante de rituais de magia e de muitos maus tratos aos escravos. Tenho notícia de um livro entitulado “Uma dama esquecida e injustiçada”, escrito pelo Dr. Tasso Lacerda Machado sobre a história e a descendência de Maria Tangará. Pelo título, se vê que o autor tenta desmitificar a personagem. Sem acesso a dados fidedignos que confirmem ou desmintam os feitos de Maria Felisberta, nos limitamos aqui a descrever fatos comprovados por documentos.

Dois imóveis pertencentes ao casal sobreviveram ao tempo. A Fazenda Ponte Alta, que em meados do século XIX já havia passado às mãos do português Mathias José de Souza Lobato; e um casarão no centro de Pitangui, transferido para a prefeitura em 1891 por doação de Beralda Celestiana Teixeira de Azevedo e seu marido Comendador José Maria Teixeira de Azevedo hoje transformada em Escola Estadual. Beralda, nascida em 1836, era filha de Basílio de Araújo da Cunha Alvarenga, e, portanto, neta de Inácio Joaquim e Maria Felisberta. A posição do casarão, próximo à igreja, é sinal da importância da família na época em que foi construído, em fins do século XVIII.

Casa de Maria Tangará em Pitangui

Casa de Maria Tangará em Pitangui – Escola Estadual Professor José Valadares

Um documento importante é a transcrição do testamento de Maria Felisberta da Silva (Maria Tangará), gentilmente fornecida por Rodrigo Figueiredo de Vasconcelos (infelizmente, não temos a imagem original):

“In nomine Domini Amen
Eu D. Maria Felisberta da S.a. achandome gravemente inferma; mas em meu perfeito juízo e entendimento temendome da morte quero fazer disposições de minha ultima vontade. Sou catholica Romana em cuja fé sempre vivi, e protesto morrer. Sou natural da Freg.a. de Congonhas de Sabará filha legitima de Miguel Gonçalves Palmeira e D. Anna Tereza da S.a. ambos falecidos; dos quaes inda não recebi erança alg~ua. Sou cazada com o S. Mor Ignacio Joaquim da Cunha, e deste consorsio temos nove filhos, Delfina – Ildefonço – Pulqueria – Gomes – Lino – Bazilio – Matildes – Porcina e Balbina já falecida que foi cazada com o Alf.s. Firmianno Alz. De Sz.a. de quem ficarão quatro filhos – João – Maria – Cicilia e Ignacio que a representão, aos quais todos instituos erdeiros nas duas partes de meus bens, os quais são nove erdeiros. Disponho de minha terça na forma seg.te. Instituo por meus Testamenteiros em pr.o Lugar a meu marido o S. Mor Ignacio Joaquim da Cunha, em segundo lugar a meu filho o Cap.m. Ildifonço – em terceiro lugar a meu filho o Alferes Bazilio – lhes concedo doze annos para as Contas. O funeral quero sem pompa alguma a elleição do meu testamenteiro no habito de S. Francisco q. sou Irmã. So quero por minha alma hu oitavario de Missas pelos Padres da Frg.a. e que commodamente se ajuntarem de qualquer outra Freguezia. O que dei, a meu marido e minha filha Balbina forão dous escravos de que lhe passamos papel. Casemos nossa filha Pulqueria com Fernando X.er. Rabello, a quem nada demos de dote, e passados tempos lhe demos para servir hua escrava de nome Lusia para usufruir som.te. Dou a meu filho Lino de minha terça por m.to. bem que me tem servido o crioulo Rufino, e a negra Tereza, e trezentos mil reis em dinheiro, ou no que elle escolher de bens. Dou de minha terça a minha filha Delfina pelo m.to. bem que me tem servido e acompanhado a escrava Luiza cabra e sua filha Felicidade, a mulata Antonia com hua filha de nome Narciza, e o negro André. Dou a minha filha Matildes de minha terça a crioula Ignacia, e o marido Felippe, a crioulinha Maria. Dou a minha filha Porcina de minha terça Joaquina Conga, Victoria esc.a. e Rita Mullata, Luis Moçambique. Declaro que dou mais o negro Jacintho Mina para minha filha Matildes. Deixo hu Cavallo de sella a escolha de minha filha Delfina para ella com meu sellim, arreios e estribos de prata, e para Matildes duas Egoas, quatro vacas, hu Cavallo. E para Porcinaduas Egoas, hu Cavallo e quatro vacas. E para a Delfina duas Egoas e oito vacas. Deixo a meu filho o Cap.m. Ildefonço quatro centos mil reis, hua Egoa, e quatro vacas. Deixo a minha filha Pulqueria quatro centos mil reis, hu potro, e duas vacas. Deixo a meu filho o Alf.s. Bazilio duzentos mil reis. Deixo a meu filho o Ten.te. Gomes duzentos mil reis, e lhe perdôo o que elle me dever. Deixo a cada hua de minhas netas Maria Salomé e Cicilia cem mil reis, que poparão a seus dous Irmãos João e Ignacio não tendo ellas tido filhos, e esta quantia lhes será dada por meu Testamenteiro logo q. tomarem estado. Declaro que meu neto João se quizer ordenar o meu Testamenteiro lhe fará o patrimônio a custa de minha terça , e elle se não ordenar, e vivo o Ignacio a este se fará o patrimônio, e não a aquelle. Deixo a meu marido o S. Mor Ignacio Joaq.m da Cunha Silveria e seu marido Leandro, Maria da S.a., Joanna esc.a. Manoel Congo, Jeronimo esc.o. M.el. esc.o. Deixo de premio a meu Testamenteiro duzentos mil reis por seu trabalho e q. nos dose annos não possa concluir lhe concede mais trez. Quando haja remanecente de minha terça deixo se repartão igualm.te. por minhas trez filhas Delfina, Matildes ePorcina. E por esta forma fis minha ultima vontade e disposição testamentária por acabado, e pesso as Justiças de S.M.I. Rei de inteiro vigor, e mandem
cumprir e guardar como nella se contem, e vai escrito a meu rogo por Fran.co Fulgencio d´Oliv.a. que por mim somente assignado hoje Pitangui 27 de 9br.o. de 1836 (a) Maria Felisberda da S.a.
Termo de aprovação em 27/11/1836 assinado pelo segundo tabelião Joaquim Felizardo da Fonseca, Maria Felisberta da S.a., Fran.co. Fulgencio d´Olivr.a., Fran.co. Per.a. Guim.ães, Antônio Caentano da Fon.ca, Joze Julio Corgozinho, João Evangelista d´Olivr.a.
Aos vinte e seis de Janeiro de 1837 me foi aprezentado este Testam.to. cozido e lacrado como no rotulo se declara, e não achando nelle duvida faça mando q. se cumpra e registre. Pitangui 26 de Janeiro de 1837
Termo de aceitação do 1º Testamenteiro assinado por Ignacio Joaqm. Da Cunha aos 26/01/1837″

Compilando os valores testados, temos na terça cerca de vinte e cinco escravos, trinta e três animais, entre cavalos e vacas, e menos de dois contos de Réis em dinheiro. Comparados com os valores no inventário de Joaquina do Pompéu, de 1824 (centenas de milhares de alqueires de terras, dezenas de milhares de animais e perto de mil escravos), estes valores são bastante modestos. Para efeito de conversões, em 1840, um escravo valia em torno de 350 mil Réis, e em 1860 um quilograma de ouro valia cerca de um conto de Réis, que também era o preço de um escravo. Em 1824, época do inventário de Joaquina do Pompéu, uma vaca valia cerca de oito mil réis.

Note-se também que Maria Felisberta se declara Católica e pede para ser sepultada se pompas, com o hábito de São Francisco, a cuja irmandade pertencia.

Não temos o inventário de Ignacio Joaquim, que poderia esclarecer sobre os bens imóveis, não citados no inventário de Maria Felisberta, provavelmente por estarem em nome do marido.

Ignacio Joaquim de Araújo da Cunha Alvarenga era filho de José de Araújo da Cunha, nascido em 1718 em Braga, Portugal, e Úrsula Maria de Alvarenga, nascida em 1730 em Sabará, MG. Encontramos assentos de batismo dos seus irmãos, o primogênito José, em 1759 e Manoel em 1768. Os dois irmãos chegaram ao posto de Capitão Mor. Ignacio chegou a Sargento Mor. Conta-se que o apelido de Maria Tangará se devia ao barrete vermelho usado pelos cunhados. Um filho de Manoel de Araújo da Cunha Alvarenga com Mariana Clara Viana, e, portanto, sobrinho de Ignacio, recebeu o título de Marquês de Sapucaí por ter sido tutor do Imperador. Seu nome era Cândido José de Araújo Viana.

A ascendência dos Bahia da Rocha e a dos Cunha Alvarenga se estendem por muitas gerações. Acompanha este artigo um outro com informações genealógicas que abrange em mais detalhes a ramificação das famílias.

João A.M. Bahia Vianna
Julho/2015

Correção em Setembro/2015 – Mais três filhos de Porcina e Manoel Bahia da Rocha

Fontes:

[2] - Pesquisas: Rodrigo Vasconcelos
 VASCONCELOS, Rodrigo Figueiredo de
 e-mails e Internet
[3] - Nobreza Brasileira de A a Z
 Geneall.net
 www.geneall.net
[6] - Web Site: Family Search
 Igreja dos Santos dos Últimos Dias
 familysearch.org
[15] - Batismos na Igreja
 Igreja Católica
[16] - Registro Civil: Brasil
 República Federativa do Brasil
 certidões e registros de identidade
[21] - Web Site: Geneaminas
 Geneaminas
 www.geneaminas.com.br
[22] - Notas Pessoais: Mário Vianna
 VIANNA, Mário da Conceição
[23] - Notas Pessoais: Miloca
 BAHIA, Maria Emília Gonçalves
[24] - Internet: Pesquisas Avulsas
[28] - Matrículas: Caraça, 1881 a 1909
 Seminário do Caraça
[29] - Relatos: Elísio Bahia e Irmãos
 VIANNA, Elísio Bahia e irmãos
[41] - Relatos: Mária Vianna Mello
 MELLO, Mária Vianna de
[49] - Livro: Sinhá Braba - Dona Joaquina do Pompéu
 VASCONCELOS, Agripa
[52] - Livro: Pedro Leopoldo vista por Chico Xavier
 LEMOS Neto, Geraldo   e   LEÃO, Geraldo


2 Comentários

Família de Mário – Notas

Notas Genealógicas

Estas notas complementam o artigo A Família de Mário com informações genealógicas acumuladass de diversas fontes, e geradas automaticamente. Os dados apresentados vão dos bisavós de Mário da Conceição Vianna até a sua geração. Em cada geração, são listados os irmãos e primos do ascendente direto na linha de Mário. Os ascendentes diretos são destacados em negrito. Os números entre parêntesis são referências cruzadas a nomes já mencionados.

Ascendentes de Mário da Conceição Vianna

Ascendentes diretos de Mário da Conceição Vianna

 

Geração n.1
1. Maria Cândida da Assumpção Fonseca Ferreira
 Nascida em 1794 [1] (Post: Notícia de José e Maria)
 Falecida em 11/5/1830 em Santa Luzia, MG
 Fazenda dos Maçaricos
 Faleceu ao dar à luz Tristão.
 Pais: Antonio da Fonseca Ferreira e
       Josefa Maria da Conceição Velloso.
 Casou-se com José de Souza Vianna em 11/10/1813
  na Fazenda de Carreira Comprida, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1809/1822 fl. 33).
 Filhos:
  Francisco de Paula da Fonseca Vianna
  Antônio da Fonseca Vianna
  Maria Cândida da Assumpção Fonseca Vianna
  Joaquim de Souza Vianna
  Cândido José de Souza Vianna
  José de Souza Vianna Júnior
  Bernardo de Souza Vianna
  Joaquina Cândida de Souza Vianna
  Bernarda Cândida de Souza Vianna
  Francisco Xavier da Fonseca Vianna
  Manoel da Fonseca Vianna
  Maria Luíza de Souza Vianna
  Maria Cecília de Souza Vianna
  Francisco de Assis da Fonseca Vianna
  Tristão da Fonseca Vianna
2. Tenente da Guarda Nacional José de Souza Vianna
 Nascido em 1789 em Santa Luzia, MG
 Falecido em 17/7/1863 em Santa Luzia, MG
  [8] (v.3 p. 689)
 Fazenda dos Angicos
 Pais: Bernardo de Souza Vianna e
       Angélica Maria Pacheco Ribeiro.
 Casou-se com Maria Cândida da Assumpção Fonseca Ferreira (1)
  em 11/10/1813, na Fazenda da Carreira Comprida,
  Santa Luzia, MG [9] (lv. 1809/1822 fl. 33).
3. Perpétua Moreira da Silva
 Nascida em 10/3/1798 Santa Luzia, MG [3]
 Pais: Manoel Gonçalves Pinto e Brígida Moreira da Silva.
 Casou-se com Francisco Fidélis da Silva por volta de 1821
  em Santa Luzia, MG [3] (Fórum sobre a família Carneiro Leão).
 Filhos:
  Brígida Honorina Gonçalves Moreira da Silva
4. Furriel Francisco Fidélis da Silva
 Exposto em casa do Capitão Rafael Carneiro Leão e de
  Angélica Moreira da Silva
 Casou-se com Perpétua Moreira da Silva (3) por volta de 1821
  em Santa Luzia, MG [3] (Fórum sobre a família Carneiro Leão).

Geração n.2
5. Comendador Manoel Teixeira da Costa
 Nascido em 1800 em Santa Luzia, MG
 Fazenda do Engenho
 Sobrinho de Clara Silvéria da Costa, por sua vez,
 filha de Francisco da Costa Matoso e Francisca Theresa de Jesus.
 Fonte: [1] 
 Pais: Manoel Teixeira da Costa e Francisca de Jesus.
 Casou-se com Maria Cândida da Assumpção Fonseca Vianna
  em 6/8/1832, na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 21).
 Casou-se com Maria Luíza de Souza Vianna em 24/8/1845,
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 55v).
6. Joaquim Alves dos Santos Vianna
 Nascido em 1810 na Fazenda de Cima dos Alves, Taquaruçu, MG [5]
 Faleceu antes de 04/05/1892, quando se casou seu filho,
  Pedro A. S. Vianna
 Em seu assento de casamento, em 1841, lhe são atribuídos
  31 anos de idade.
 Fonte: [14] Filhos de Joaquim A. S. Vianna
 Pais: Manoel Alves dos Santos e Anna Joaquina Moreira de Castilho.
 Casou-se com Joaquina Cândida de Souza Vianna em 20/7/1841,
  na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 44).
7. Tenente Coronel Francisco de Paula Alves dos Santos
 Nascido em 1816 em Taquaraçu, MG
 Falecido em 3/1/1887 em Jaboticatubas, MG
 Fazenda de Baixo dos Alves (herança do pai)
 Fonte: [5] (bn. 7 p. 17)
 Pais: Manoel Alves dos Santos e
       Anna Joaquina Moreira de Castilho.
 Casou-se com Maria Cecília de Souza Vianna em 18/9/1843,
  na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 47v).
 Casou-se com Bernarda de Souza Vianna.
8. Major Antonio Ribeiro da Fonseca
 Nascido em 1817 Itabira, MG
 Pais: João Ribeiro da Fonseca e Maria Joaquina de Jesus.
 Casou-se com Bernarda Cândida de Souza Vianna em 11/5/1840,
  na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 41).
9. Maria Cândida de Salles
 Nascida em Santa Luzia, MG
 Falecida em 15/10/1878 
 Pais: Francisco de Salles Rocha e Carlota Joaquina de Salles.
 Casou-se com Francisco de Paula da Fonseca Vianna em 18/6/1835
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1809/1822 fl. 28).
 Filhos:
  Maria Fonseca Vianna
  Lisaura de Souza Vianna
  Laurinda Vianna
  Antônio de Paula Vianna
  Urbano Vianna
10. Joaquina Emília de Salles Rocha
 Nascida em 1823 em Santa Luzia, MG
 Pais: Francisco de Salles Rocha e Carlota Joaquina de Salles.
 Casou-se com Joaquim de Souza Vianna em 24/11/1841
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 45v).
 Filhos:
  Maria Adelaide de Salles Vianna
11. Francisco de Paula da Fonseca Vianna
 Nascido em 2/4/1815 em Sabará, MG
  [17] (Dados fornecidos por Hélio Viana)
 Falecido em 17/2/1893 Santa Luzia, MG
  [2] (Fotografia da Sepultura do Barão)
 Barão do Rio das Velhas, por decreto de 25/04/1867
 Visconde do Rio das Velhas, por decreto de 07/03/1885
 Fonte: Archivo Nobiliárchico Brasileiro,
  Barão de Vasconcellos, 1918, pg. 404
 Fonte: [3] 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Maria Cândida de Salles (9) em 18/6/1835
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1809/1822 fl. 28).
 Casou-se com Ana Cândida Fonseca Vianna em 17/5/1879.
12. Maria Cândida da Assumpção Fonseca Vianna
 Nascida em 1817 em Santa Luzia, MG
 Faleceu antes de 1845, quando seu marido se casou com a sobrinha.
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Manoel Teixeira da Costa (5) em 6/8/1832,
  na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 21).
 Filhos:
  Joaquim Teixeira da Costa
  Manoel Teixeira da Costa Júnior
  Maria Teixeira da Costa
  Joaquina Teixeira da Costa
  Francisca Teixeira da Costa
  Francisca da Fonseca Vianna
13. Joaquim de Souza Vianna
 Nascido em 1818 em Santa Luzia, MG
 Falecido em antes de 1871 [6]
 Fazenda das Porteiras
 Fonte: [2] 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Joaquina Emília de Salles Rocha (10)
  em 24/11/1841 em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 45v).
14. Cândido José de Souza Vianna
 Nascido em 1819 em Santa Luzia, MG
 Batizado em 5/8/1819 na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1818/1825 fl. 12v Lagoa Santa, MG)
 Padrinhos: Bernardo de Souza Vianna Mosso e
            Dona Theodora Luíza da Piedade;
 Herdou a Fazenda do Sumidouro;
 Faleceu entre 1871, em que foi padrinho, e
  1879, em que ocorreu o casamento do filho,
  Luiz Augusto da Fonseca Vianna.
  Fonte: [1] 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Brígida Honorina Gonçalves Moreira da Silva.
15. Alferes José de Souza Vianna Júnior
 Nascido em Santa Luzia, MG
 Batizado em 5/8/1819 na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 5 1901/1909 fl. 12v Lagoa Santa, MG)
 Falecido em 10/5/1904 em Lagoa Santa, MG
  [11] (lv. 1895/1912 fl. 65)
 Gêmeo de Cândido José de Souza Vianna (14);
 Fazenda dos Maçaricos;
 Foi Presidente da Câmara Municipal de Santa Luzia, e
 encarregado da instalação do Município de Sete Lagoas.
 Fonte: [2] Notas sobre José de Souza Vianna Júnior
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Ritta Maria da Fonseca Ferreira
  em 3/5/1845, na Fazenda da Carreira Comprida, Santa Luzia,
  MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 54).
16. Bernardo de Souza Vianna
 Nascido em Santa Luzia, MG
 Batizado em 3/8/1820, na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1818/1825 fl. 17v)
 Falecido em 1870 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
17. Joaquina Cândida de Souza Vianna
 Nascida em 1821 em Santa Luzia, MG
 Batizada em 18/9/1821 na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1818/1825 fl. 91)
 Falecida em Matozinhos, MG
 Fazenda de Matinhos
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Joaquim Alves dos Santos Vianna (6) em 20/7/1841,
  na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 44).
 Filhos:
  Ana da Fonseca Alves Vianna
  Francisco Alves dos Santos Vianna
  Maria Augusta Alves dos Santos Vianna
  Joaquina Alves
  Pedro Alves dos Santos Vianna
  Rita de Cássia dos Santos Vianna
  Joaquim Alves dos Santos Vianna Filho
  Manoel Alves dos Santos Vianna
  Josefa Cândida Alves dos Santos Vianna
  Úrsula Alves dos Santos Vianna
  José Alves dos Santos Vianna
  Joaquina Alves dos Santos Vianna
18. Bernarda Cândida de Souza Vianna
 Nascida em Santa Luzia, MG
 Batizada em 24/9/1822 na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1818/1825 fl. 91v)
 Fazenda Bateias, Itabira, MG
 Fonte: [3] 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Antonio Ribeiro da Fonseca (8) em 11/5/1840,
  na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 41).
 Filhos:
  Maria da Fonseca Vianna
  Ana Cândida Fonseca Vianna
  Antonio Ribeiro da Fonseca Vianna
  João Ribeiro da Fonseca Viana
  Joaquina Cândida Ribeiro da Fonseca
  Maria Cândida Ribeiro da Fonseca Vianna
  Maria Emília de Souza Vianna
19. Francisco Xavier da Fonseca Vianna
 Nascido em Santa Luzia, MG
 Batizado em 2/10/1823 na Capela da Carreira Comprida, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1818/1825 fl. 92v)
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
20. Manoel da Fonseca Vianna
 Nascido em Santa Luzia, MG
 Batizado em 10/11/1824 Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1818/1825 fl. 97)
 Fazenda dos Angicos
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Luíza Augusta de Araújo Valle em 16/1/1860,
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 97).
21. Maria Luíza de Souza Vianna
 Nascida em Santa Luzia, MG
 Batizada em 10/11/1825 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1818/1825 fl. 104v)
 Falecida em 7/8/1908 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [11] (lv. 1895/1912 fl. 91v)
 Sepultada dentro da Matriz de Lagoa Santa. 
 Sobrinha da primeira esposa do seu marido,
  Manoel Teixeira da Costa;
 Fazenda do Engenho;
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Manoel Teixeira da Costa (5) em 24/8/1845,
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 55v).
 Filhos:
  Maria Alexandrina da Piedade Teixeira
  Francisca Teixeira da Costa
  José Teixeira da Costa
  Luiza Augusta Teixeira Vianna
  Antônio Teixeira da Costa
  Anna Teixeira da Costa
  Alphredo Teixeira da Costa
  Eugênia Teixeira da Costa
  Maria Teixeira da Costa
22. Maria Cecília de Souza Vianna
 Nascida em 1826 em Santa Luzia, MG
 Falecida em 1872 em Jaboticatubas, MG
 Fazenda de Baixo dos Alves
 Fonte: [5] 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Francisco de Paula Alves dos Santos (7)
  em 18/9/1843, na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 47v).
 Filhos:
  Antônio Cecílio dos Santos
  Benjamin Torres
  Sérgio de Paula Santos
  Maria Augusta Alves dos Santos
  Francisca Cecília Alves dos Santos
23. Tristão da Fonseca Vianna
 Nascido em 11/5/1830 em Santa Luzia, MG
 Batizado em 25/5/1830 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1825/1833 fl. 118v)
 Falecido em 30/11/1875 Lagoa Santa, MG
  [11] (lv. bat. 1875/1889 fl. 17v)
 Fazenda do Ilídio, às margens do Rio das Velhas
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Cândida Maria da Fonseca Ferreira em 2/6/1852,
  na Capela da Carreira Comprida, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 85v).
24. Ritta Maria da Fonseca Ferreira
 Nascida em 1826 em Santa Luzia, MG
 Falecida em 6/5/1866 [2]
 Pais: Antônio da Fonseca Ferreira Filho e
       Theodora Luíza da Piedade.
 Casou-se com José de Souza Vianna Júnior (15) em 3/5/1845,
  na Fazenda da Carreira Comprida, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 54).
 Filhos:
  José da Fonseca Vianna
  Maria Ernestina da Fonseca Vianna
  Antônio da Fonseca Vianna
  Ritta de Cássia da Fonseca Vianna
  Anna Luíza da Fonseca Vianna
  Celestino da Fonseca Vianna
  Maria Valleriana de Souza Vianna
  Elisa de Souza Vianna
  José de Souza Vianna
25. Cândida Maria da Fonseca Ferreira
 Nascida em Dezembro/1829 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 214)
 Pais: Antônio da Fonseca Ferreira Filho e
       Theodora Luíza da Piedade.
 Casou-se com Tristão da Fonseca Vianna (23) em 2/6/1852,
  na Capela da Carreira Comprida, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 85v).
 Filhos:
  Maria Cândida da Fonseca Vianna
  Laura Augusta da Fonseca Vianna
  Maria Cecília da Fonseca Vianna
  Olynta da Fonseca Vianna
  Luiz da Fonseca Vianna
26. Brígida Honorina Gonçalves Moreira da Silva
 Batizada em 21/10/1827 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 1823/1843 fl. 184)
 Nascida na Fazenda da Cachoeira Grande;
 Fonte: [20] 
 Pais: Francisco Silva (4) e Perpétua Silva (3).
 Casou-se com Cândido José de Souza Vianna (14).
 Filhos:
  José Cândido da Fonseca Vianna
  Francisco de Paula Fonseca Vianna
  Cândido da Fonseca Vianna
  Luiz Augusto da Fonseca Vianna
  Anna Augusta da Fonseca Vianna
  Adelaide da Fonseca Vianna
  Izidro da Fonseca Vianna
  Laura da Fonseca Vianna
  Laurinda Cândida da Fonseca Vianna
  Joaquim Cândido da Fonseca Vianna
27. Luíza Augusta de Araújo Valle
 Pais: Daniel de Araújo Valle e Ritta Valle.
 Casou-se com Manoel da Fonseca Vianna (20) em 16/1/1860,
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 97).
 Filhos:
  José da Fonseca Vianna
  Luiz da Fonseca Vianna
28. Ana Cândida Fonseca Vianna
 Nascida em 10/2/1846 
 Falecida em 23/2/1923 em Belo Horizonte, MG
 Sobrinha do marido, Francisco
 Pais: Antonio Fonseca (8) e Bernarda Vianna (18).
 Casou-se com Francisco de Paula da Fonseca Vianna (11)
  em 17/5/1879.
 Filhos:
  Mercedes da Fonseca Vianna
  Bernarda da Fonseca Vianna
  Francisco da Fonseca Vianna
  Maria da Fonseca Vianna
  José Afonso da Fonseca Vianna
29. Bernarda de Souza Vianna
 Sobrinha de Maria Cecília, de quem seu marido ficara viúvo.
 Casou-se com Francisco de Paula Alves dos Santos (7).
 Filhos:
  Francisco Cândido dos Santos Vianna
  Francisco Alves dos Santos Júnior
30. Doutor Antônio da Fonseca Vianna
 Nascido em 1816 
 Fonte: [2] 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Francisca Cândida Peixoto.
31. Francisca Cândida Peixoto
 Casou-se com Antônio da Fonseca Vianna (30).

Geração n.3
32. Francisco de Assis da Fonseca Vianna
 Nascido em 1828 em Santa Luzia, MG
 Batizado em 10/2/1829 na Capela da Carreira Comprida,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1825/1833 fl. 125)
 Falecido em 1913 
 Foi aposentado em 13/08/1889 como coletor
  do Município de Santa Luzia;
 Fazenda do Engenho e Fazenda Peri-Peri
 Fonte: [2] 
 Pais: José Vianna (2) e Maria Ferreira (1).
 Casou-se com Anna Ricardina Augusta de Lima em 20/11/1847
  em Santa Luzia, MG [9] (lv. 1822/1899 fl. 61v e 62).
 Casou-se com Francisca da Fonseca Vianna em 13/5/1871
  em Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 123v).
33. Luís Maria da Fonseca Ferreira
 Pais: Antônio Filho e Theodora Piedade.
 Casou-se com Joaquina Cândida Ribeiro da Fonseca
  em 21/5/1860, na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 97v).
34. Anna Ricardina Augusta de Lima
 Nascida em 1831 em Santa Luzia, MG
 Batizada em 26/4/1832 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 13v?)
 Pais: Serafim Thimótio de Lima e Claudina Hipólita da Silva.
 Casou-se com Francisco de Assis da Fonseca Vianna (32)
  em 20/11/1847, em Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 61v e 62).
 Filhos:
  José Vianna
35. Delfino da Costa
 Casou-se com Francisca Teixeira da Costa.
36. Joaquim Teixeira da Costa
 Nascido em 1832 
 Exposto ao Comendador Manoel Teixeira da Costa
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (12).
 Casou-se com Josefa da Anunciação em 16/1/1851,
  no Fidalgo, Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 99v).
37. Comendador Manoel Teixeira da Costa Júnior
 Nascido em 10/8/1833 em Lagoa Santa, MG
 Batizado em 13/9/1835 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 1836/1850 fl. 154 Lagoa Santa, MG)
 Falecido em 10/7/1913 
 Senador Estadual MG de 1886 a 1906
 Fonte: [1] 
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (12).
 Casou-se com Maria Cândida Ribeiro da Fonseca Vianna
  em 18/1/1860, em Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 97).
38. Maria Teixeira da Costa
 Nascida em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 20/7/1834 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 1836/1850 fl. 207)
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (12).
39. Joaquina Teixeira da Costa
 Nascida em 17/2/1838 em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 18/3/1838 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 1836/1859 fl. 14)
 Nasceu na Fazenda do Engenho
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (12).
 Casou-se com Joaquim Cláudio de Salles.
 Filhos:
  Julieta Salles
40. Francisca Teixeira da Costa
 Nascida em 21/9/1839 em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 20/10/1839 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 1836/1859 fl. 22)
 Nasceu na Fazenda do Engenho
 Teria falecido na infância?
 Dois anos depois, nasceu uma irmã com o mesmo nome.
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (12).
 Casou-se com Delfino da Costa (35).
 Filhos:
 Maria Costa
41. Francisca da Fonseca Vianna
 Nascida em 3/11/1841 em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 6/12/1841 em Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 1836/1859 fl. 30v)
 Nasceu na Fazenda do Engenho
 No assento de casamento consta:
  Filha de Manoel Teixeira da Costa e D. Maria, falecida.
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (12).
 Casou-se com Francisco de Assis da Fonseca Vianna (32)
  em 13/5/1871, em Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 123v).
42. Maria Alexandrina da Piedade Teixeira
 Nascida em 3/10/1848 em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 29/10/1848 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1836/1850 fl. 294v Lagoa Santa, MG)
 Padrinhos: Barão e a Baronesa de Santa Luzia
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
 Casou-se com Antonio Ribeiro da Fonseca Vianna
  em 29/10/1870, na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 122v e 123).
 Filhos:
  Wanderlei da Fonseca Vianna
  Alencar da Fonseca Vianna
  Ataliba da Fonseca Vianna
  Nelson da Fonseca Vianna
  Anízio da Fonseca Vianna
43. Francisca Teixeira da Costa
 Nascida em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 24/9/1850 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1836/1850 fl. 313 Lagoa Santa, MG)
 Padrinhos: José de Souza Vianna e a Baronesa de Santa Luzia
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
44. José Teixeira da Costa
 Nascido em Santa Luzia, MG
 Batizado em 11/7/1852 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 216v)
 Padrinhos: Barão de Sabará e a Baronesa de Santa Luzia
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
 Casou-se com Laura Augusta da Fonseca Vianna
  em 30/11/1871, em Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 125).
45. Luiza Augusta Teixeira Vianna
 Nascida em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 15/5/1861 Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 148)
 Nasceu na Fazenda do Engenho
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
 Casou-se com Manoel Alves dos Santos Vianna
  em 16/6/1878, na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 130).
 Filhos:
  Maria Vianna
  João Vianna
46. Antônio Teixeira da Costa
 Nascido em Lagoa Santa, MG
 Batizado em 25/1/1854 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 14v)
 Nasceu na Fazenda do Engenho
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
47. Anna Teixeira da Costa
 Nascida em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 3/1/1858 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 135)
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
48. Alphredo Teixeira da Costa
 Nascido em Lagoa Santa, MG
 Batizado em 11/4/1865 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 80v)
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
49. Eugênia Teixeira da Costa
 Nascida em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 27/2/1871 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 152)
 Nascida na Fazenda do Engenho
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
50. Lisaura de Souza Vianna
 Pais: Francisco Vianna (11) e Maria Salles (9).
 Casou-se com Júlio Cesar Teixeira Guimarães.
 Filhos:
  Orminda Guimarães
  Zoraida Guimarães
  Isaura Guimarães
  Ivaí Guimarães
51. Antônio de Paula Vianna
 Pais: Francisco Vianna (11) e Maria Salles (9).
 Casou-se com Elvira Gabriela de Castro Vasconcellos.
52. Urbano Vianna
 Nascido em 6/8/1854
 Batizado em 6/8/1858 na Fazenda dos Angicos,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 259)
 Pais: Francisco Vianna (11) e Maria Salles (9).
53. Mercedes da Fonseca Vianna
 Fonte: artigo de jornal por Vasconcelos Costa
 Pais: Francisco Vianna (11) e Ana Vianna (28).
54. Maria da Fonseca Vianna (Mariquinha)
 Pais: Francisco Vianna (11) e Ana Vianna (28).
55. Doutor José Afonso da Fonseca Vianna
 Médico em Sete Lagoas
 Pais: Francisco Vianna (11) e Ana Vianna (28).
56. Rita Augusta Alves dos Santos (Ritinha)
 Nascida em 28/1/1857 em Jaboticatubas, MG
  [12] (lv. 2 fl. 186 Batismos em Taquaruçu)
 Falecida em 31/7/1913 em Belo Horizonte, MG [5]
 Pais: João Batista dos Santos Vianna e
       Felicidade Augusta Moreira de Castilho.
 Casou-se com Francisco Alves dos Santos Júnior em 9/2/1870.
57. Maria da Fonseca Vianna
 Nascida em 4/2/1841 na Fazenda dos Angicos, MG
 Batizada em 1/4/1841 na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 70)
 Pais: Antonio Fonseca (8) e Bernarda Vianna (18).
58. Francisco Alves dos Santos Júnior
 Nascido em Jaboticatubas, MG
 Falecido em 1910 em Ribeirão Preto, SP [12]
 Pais: Francisco Santos (7) e Bernarda Vianna (29).
 Casou-se com Rita Augusta Alves dos Santos (56) em 9/2/1870.
59. Antonio Ribeiro da Fonseca Vianna
 Pais: Antonio Fonseca (8) e Bernarda Vianna (18).
 Casou-se com Maria Alexandrina da Piedade Teixeira (42)
  em 29/10/1870, na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 122v e 123).
60. Coronel João Ribeiro da Fonseca Viana
 Nascido em 1850 em Itabira, MG [18]
 Falecido em 1909 em Belo Horizonte, MG
 Pais: Antonio Fonseca (8) e Bernarda Vianna (18).
 Casou-se com Ana Eulália de Souza Lima em 1872 .
61. Joaquina Cândida Ribeiro da Fonseca
 Pais: Antonio Fonseca (8) e Bernarda Vianna (18).
 Casou-se com Luís Maria da Fonseca Ferreira (33)
  em 21/5/1860, na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 97v.)
 Filhos:
 Maria da Fonseca Ferreira
 Luís da Fonseca Ferreira
 Antônio da Fonseca Ferreira
 Rita Maria da Fonseca Ferreira
62. Maria Cândida Ribeiro da Fonseca Vianna
 Nascida em Santa Luzia, MG
 Pais: Antonio Fonseca (8) e Bernarda Vianna (18).
 Casou-se com Manoel Teixeira da Costa Júnior (37)
  em 18/1/1860, em Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 97).
 Filhos:
 Luíza Teixeira da Costa
 Zamira Teixeira da Costa
 Maria da Glória Teixeira da Costa
 Francisco Teixeira da Costa
63. Maria Augusta Alves dos Santos Vianna
 Batizada em 31/12/1846 na Fazenda dos Angicos,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 129v)
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
64. Ana da Fonseca Alves Vianna
 Nascida em 1843 em Matozinhos, MG [5] (tn. 2 p. 15)
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
65. Francisco Alves dos Santos Vianna
 Nascido em 1846 
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
66. Joaquina Alves
 Nascida em 4/4/1848 em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 26/4/1848 na Fazenda dos Angicos,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1836/1850 fl. 291v e 292)
 O batizado consta duplicado em outro assento
  na Fazenda dos Angicos, MG (fl. 144v).
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
67. Pedro Alves dos Santos Vianna
 Nascido por volta de 1848 em Matozinhos, MG [5]
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
 Casou-se com Rosálida Cláudio de Sales
  em 4/5/1892, em Matozinhos, MG [5].
68. Rita de Cássia dos Santos Vianna
 Nascida em 1850 
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
69. Joaquim Alves dos Santos Vianna Filho
 Nascido em 1854 
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
70. Manoel Alves dos Santos Vianna
 Nascido em 1855 
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
 Casou-se com Luiza Augusta Teixeira Vianna (45)
  em 16/6/1878, na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 130).
71. Josefa Cândida Alves dos Santos Vianna
 Nascida por volta de 1856 Matozinhos, MG [5] (tn. 9 p. 16)
 Falecida em 13/6/1926 Pedro Leopoldo, MG
  [14] (e-mail de 14/06/2006 Filhos de Joaquim A.S.V)
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
 Casou-se com Isidoro Barbosa da Silva Chaves.
 Filhos:
 José Eugênio Barbosa
72. Úrsula Alves dos Santos Vianna
 Nascida em 1858 Matozinhos, MG
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
73. José Alves dos Santos Vianna
 Nascido em 1860 
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
 Casou-se com Maria Cândida d'Assumpção Dias
  em 13/5/1877, na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 129v).
74. Joaquina Alves dos Santos Vianna
 Nascida em 1862 
 Casou-se com o Sr. Drumond
 Pais: Joaquim Vianna (6) e Joaquina Vianna (17).
75. Maria Adelaide de Salles Vianna
 Pais: Joaquim Vianna (13) e Joaquina Rocha (10).
 Casou-se com Luís Augusto de Salles Lima
  em 7/8/1871, em Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 115v).
76. Antônio Cecílio dos Santos
 Nascido em 1852 
 Falecido em 23/2/1913 
 Pais: Francisco Santos (7) e Maria Vianna (22).
77. Doutor Benjamin Torres
 Médico
 Pais: Francisco Santos (7) e Maria Vianna (22).
78. Sérgio de Paula Santos
 Pais: Francisco Santos (7) e Maria Vianna (22).
 Casou-se com Maria Cecília da Fonseca Vianna em 30/11/1871,
  em Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 125).
79. Doutor Francisco Cândido dos Santos Vianna
 Médico
 Pais: Francisco Santos (7) e Bernarda Vianna (29).
80. José da Fonseca Vianna
 Nascido em 10/4/1846 em Santa Luzia, MG
 Batizado em 20/4/1846 na Capela da Carreira Comprida,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 121v)
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
81. Maria Ernestina da Fonseca Vianna (Sinhá)
 Nascida em Santa Luzia, MG
 Batizada em 10/10/1847 na Capela da Carreira Comprida,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 143v)
 Falecida em 1940 
 Residiu em Cordisburgo.
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
 Casou-se com Francisco de Paula Moreira.
 Filhos:
  Francisco Moreira
  Osório Moreira
  Sinval Moreira
  Cristina Moreira
  Arminda
82. Antônio da Fonseca Vianna
 Nascido na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG
 Batizado em 22/2/1852 na Fazenda dos Maçaricos,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 211)
 Falecido em 1854 
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
83. Ritta de Cássia da Fonseca Vianna
 Nascida em Santa Luzia, MG
 Batizada em 27/5/1853 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 229v)
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
 Casou-se com Francisco de Assis Martins Maia em 30/9/1884,
  na Fazenda Manoel Carlos, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 163v).
 Filhos:
  Francisca Martins Maia
  Odila Martins Maia
  Rita de Cássia Martins Maia
  José Martins Maia
84. Anna Luíza da Fonseca Vianna (Don'Anna)
 Nascida em 19/2/1854 em Santa Luzia, MG
 Batizada em 7/3/1854 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 236v)
 Falecida em 1950 
 Fonte: [2] 
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
 Casou-se com Saturnino Martins Maia em 1876 .
 Filhos:
  Rita Vianna Maia
  Mário Martins Maia
  Maria Martins Maia
  Francisca Leodomila da Fonseca Vianna
  Maria de Lourdes Maia
  Florisbella Martins Maia
  Ana Vianna Maia
  João Baptista Maia
  José Elias Maia
85. Celestino da Fonseca Vianna (Nhô Tino)
 Nascido em 1855 
 Falecido em 1960 
 Fazenda Manoel Carlos
 Fonte: [2] Notas sobre José de Souza Vianna Júnior
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
 Casou-se com Anna Augusta da Fonseca Vianna em 30/7/1879,
  em Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 134).
86. Maria Valleriana de Souza Vianna (Cota)
 Nascida em 11/2/1856 em Santa Luzia, MG
 Batizada em 25/3/1856 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 247)
 Falecida em 1903 em Pedro Leopoldo, MG [2]
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
 Casou-se com Amando Belisário Freitas Bicalho.
 Filhos:
  Maria Amanda Belisário
  José Belisário Vianna
  Amando Belisário Vianna
  Mário Belisário Vianna
  João Belisário Vianna
  Nelson Belisário Vianna
  Francisco Belisário Vianna
  Raimundo Belisário Vianna
  Jayme Belisário Vianna
  Anníbal Belisário Vianna
87. Elisa de Souza Vianna
 Nascida em 22/7/1861 em Santa Luzia, MG
 Batizada em 25/3/1862 na Ermida dos Angicos, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 62 Lagoa Santa, MG)
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
88. José de Souza Vianna (Juca)
 Nascido em 8/1/1863 em Lagoa Santa, MG
 Batizado em 18/6/1863 na Fazenda Manoel Carlos,
  Lagoa Santa, MG [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 69)
 Falecido em 1928 
 Fazenda do Gambá
 Fonte: [2] 
 Pais: José Júnior (15) e Ritta Ferreira (24).
 Casou-se com Rita Maria de Oliveira.
89. Saturnino Martins Maia
 Nascido em 1847 na Fazenda do Redondo, Matozinhos, MG
 Falecido em 1909 
 Fazenda Busca Vida, em Dr. Lund.
 Fonte: [2] 
 Pais: João Maia e Francisca Silva.
 Casou-se com Anna Luíza da Fonseca Vianna (84) em 1876 .
90. Francisco de Assis Martins Maia
 Nascido em 1861 
 Falecido em 20/9/1944 
 Fazenda das Contendas;
 Fonte: [2] 
 Pais: João Maia e Francisca Silva.
 Casou-se com Ritta de Cássia da Fonseca Vianna (83)
  em 30/9/1884, na Fazenda Manoel Carlos, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 163v).
91. Josefa da Anunciação 
 Nascida em 1828 
 Pais: José Pinho e Maria Rodrigues.
 Casou-se com Joaquim Teixeira da Costa (36) em 16/1/1851,
  no Fidalgo, Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 99v).
92. Maria Cândida da Fonseca Vianna
 Nascida em Santa Luzia, MG
 Batizada em 28/5/1853 na Capela da Carreira Comprida,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 229)
 Pais: Tristão Vianna (23) e Cândida Ferreira (25).
93. Laura Augusta da Fonseca Vianna
 Pais: Tristão Vianna (23) e Cândida Ferreira (25).
 Casou-se com José Teixeira da Costa (44) em 30/11/1871,
  em Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 125).
 Filhos:
  José Teixeira da Costa Filho
  Luiz Teixeira da Costa
  Lauro Teixeira da Costa
94. Maria Cecília da Fonseca Vianna
 Pais: Tristão Vianna (23) e Cândida Ferreira (25).
 Casou-se com Sérgio de Paula Santos (78) em 30/11/1871,
  em Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 125).
95. Olynta da Fonseca Vianna
 Nascida em 15/3/1856 em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 15/5/1856 em Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 27v)
 Pais: Tristão Vianna (23) e Cândida Ferreira (25).
96. Luiz da Fonseca Vianna
 Nascido em 6/10/1858 em Santa Luzia, MG
 Batizado em 13/11/1858 na Capela da Carreira Comprida,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 256v)
 Existe outro assento com datas ilegíveis em
  lv.2 fl. 38 de Lagoa Santa, MG, onde o nascimento
  seria em 08/04/1858.
 Pais: Tristão Vianna (23) e Cândida Ferreira (25).
97. José Cândido da Fonseca Vianna (Juca)
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Rita.
98. Laura da Fonseca Vianna
 Nascida em 1863 
 Falecida em 30/10/1948 em Belo Horizonte, MG
  [11] (Cemitério do Bonfim, Q.47 Sep.85)
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Antônio Romanelli.
 Filhos:
  Gentil Vianna Romanelli
  Alípio Vianna Romanelli
99. Luiz Augusto da Fonseca Vianna
 Nascido em 6/10/1858 
 Falecido em 22/4/1919
 Fonte: [2] (Relato de Luiz Aníbal de Lima Fernandes)
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Anna Cândida d'Assumpção Dias em 28/6/1879,
  na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 132 e 132v).
100. Francisco de Paula Fonseca Vianna
 Nascido em 1855 em Santa Luzia, MG
 Falecido em 16/9/1912 em Pedro Leopoldo, MG
  [11] (Certidão transcrita em 20/01/2014)
 Fazenda do Campinho;
 Sobrinho do Barão do Rio das Velhas, seu homônimo;
 Diretor da Companhia Fabril da Cachoeira Grande
  (cf. ata de fundação de 1893 e ação emitida em 1897);
 Faleceu de Congestão Cerebral, deixando cinco filhos
 Fonte: [7] lv. 2 fl. 13 n. 135 Pedro Leopoldo, MG;
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Laurinda Carolina de Souza.
101. Coronel Cândido da Fonseca Vianna (Dudu)
 Nascido em 1/1/1857 
 Falecido em 29/4/1924 em Pedro Leopoldo, MG [2]
 Recebeu concessão (caducada em 1894) para construir
  um engenho de açúcar e álcool em Sete Lagoas, MG,
  em 1890, tendo como sócios Caetano Mascarenhas e
  Francisco Domingos Gontijo.
  Fonte: Decreto n.1.814, de 22 de Setembro de 1894.
 Fonte: [2] Notas de Maria Iphigênia de Lima Fernandes
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Laura Ernestina Gonçalves Moreira.
102. Anna Augusta da Fonseca Vianna
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Celestino da Fonseca Vianna (85) em 30/7/1879,
  em Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 134).
 Filhos:
  Celestino da Fonseca Vianna Filho
103. Izidro da Fonseca Vianna
 Nascido em 1862 em Lagoa Santa, MG
 Batizado em 15/5/1861 na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 148)
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Anna Baeta.
104. Laurinda Cândida da Fonseca Vianna
 Nascida em 1864 
 Falecida em 9/7/1896 [2]
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
 Casou-se com Antônio Luiz Barbosa Nogueira em 8/6/1880,
  em Lagoa Santa, MG [9] (lv. 1824/1884 fl. 136v).
105. Joaquim Cândido da Fonseca Vianna
 Nascido em 1866 [2]
 Segundo anotações de Carlos Aníbal,
 casou-se com Maria Cândida da Fonseca Vianna
 (nome e idade compatíveis com a filha de
  Tristão da Fonseca Vianna).
 Pais: Cândido Vianna (14) e Brígida Silva (26).
106. Maria Cândida d'Assumpção Dias
 Nascida no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
 Batizada em 1/7/1854 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 121)
 Pais: Joaquim Dias da Silva e Maria Cândida d'Assumpção.
 Casou-se com José Alves dos Santos Vianna (73)
  em 13/5/1877, na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 129v).
 Filhos:
  Natividade Alves Vianna
107. Anna Cândida d'Assumpção Dias
 Pais: Joaquim Dias da Silva e Maria Cândida d'Assumpção.
 Casou-se com Luiz Augusto da Fonseca Vianna (99)
  em 28/6/1879, na Fazenda do Engenho, Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 132 e 132v).
 Filhos:
  José da Fonseca Vianna
  Cândido da Fonseca Vianna Sobrinho
  Luiz da Fonseca Vianna Filho
  Octávia Fonseca Vianna
  Lourival Fonseca Vianna
108. Laura Ernestina Gonçalves Moreira (Vó Aia)
 Nascida em 12/12/1861 em Santa Luzia, MG [20]
 Pais: Joaquim Gonçalves Moreira e Maria Evangelista Moreira.
 Casou-se com Cândido da Fonseca Vianna (101).
 Filhos:
  Gentil Vianna
  Izolina Vianna
  Violeta Vianna
  Rita de Cássia Vianna
  Maria Eugênia Vianna
  José Cândido Vianna
  Laura Vianna
109. José da Fonseca Vianna
 Nascido em Santa Luzia, MG
 Batizado em 12/4/1864 na Fazenda dos Angicos,
  Santa Luzia, MG [10] (lv. 1834/1865 fl. 289v)
 Pais: Manoel Vianna (20) e Luíza Valle (27).
110. Luiz da Fonseca Vianna
 Nascido em 11/9/1865 em Santa Luzia, MG
 Batizado em 13/11/1865 na Fazenda dos Angicos,
  Santa Luzia, MG [6] (lv. 1834/1865 fl. 297v)
 Pais: Manoel Vianna (20) e Luíza Valle (27).
111. Joaquim Cláudio de Salles
 Casou-se com Joaquina Teixeira da Costa (39).
112. Luís Augusto de Salles Lima
 Pais: Eduardo Augusto Aristides de Lima e
       Emerenciana Augusta de Salles.
 Casou-se com Maria Adelaide de Salles Vianna (75)
  em 7/8/1871, em Santa Luzia, MG
  [9] (lv. 1822/1899 fl. 115v).
113. Francisca Cecília Alves dos Santos (Nhá Chica)
 Nascida em 11/6/1859 na Fazenda de Baixo dos Alves,
  Taquaruçu, MG
 Batizada em 19/7/1859 Taquaraçu, MG
  [10] (lv. 3 1857/1866 fl. 76)
 Pais: Francisco Santos (7) e Maria Vianna (22).
 Casou-se com José Augusto dos Santos Vianna.
114. Isidoro Barbosa da Silva Chaves
 Casou-se com Josefa Cândida Alves dos Santos Vianna (71).
115. Coronel Júlio Cesar Teixeira Guimarães
 Casou-se com Lisaura de Souza Vianna (50).
116. Ana Eulália de Souza Lima
 Nascida em 1854 em Cataguazes, MG [18]
 Falecida em 1935 em Belo Horizonte, MG
 Casou-se com João Ribeiro da Fonseca Viana (60) em 1872 .
 Filhos:
  João Ribeiro Viana
  Arthur Ribeiro Viana
  Armando Ribeiro Viana
  Adolpho Ribeiro Viana
  José Ribeiro Viana
  Anita Viana
  Maria de Souza Viana
  Francisca de Souza Lima Viana
  Laura Olímpia Viana
  Dina de Souza Viana
117. Maria Teixeira da Costa
 Nascida em Lagoa Santa, MG
 Batizada em 22/2/1863 no Fidalgo, Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 2 1852/1874 fl. 67v)
 Nasceu na Fazenda do Engenho
 Pais: Manoel Costa (5) e Maria Vianna (21).
118. Amando Belisário Freitas Bicalho
 Nascido em 1832 em Taquaraçu, MG
 Falecido em 1931 em Pedro Leopoldo, MG
 Fonte: [21] Márcio de Ávila Rodrigues
 Casou-se com Maria Valleriana de Souza Vianna (86).
119. Antônio Luiz Barbosa Nogueira
 Pais: Luiz Antônio Barbosa Nogueira e
       Joaquina Carolina de Freitas.
 Casou-se com Laurinda Cândida da Fonseca Vianna (104)
  em 8/6/1880, em Lagoa Santa, MG
  [9] (lv. 1824/1884 fl. 136v).
120. Laurinda Carolina de Souza
 Nascida em 19 de Agosto
 Falecida em 3/5/1938 em Pedro Leopoldo, MG [22]
 Casou-se com Francisco de Paula Fonseca Vianna (100).
 Filhos:
  Guiomar Vianna
  Joaquim de Paula Vianna
  Sócrates Colaro Vianna
  Mário da Conceição Vianna
  Cyro José Vianna
121. Anna Baeta
 Casou-se com Izidro da Fonseca Vianna (103).
 Filhos:
  Arnaldo da Fonseca Vianna
122. Francisco de Paula Moreira
 Casou-se com Maria Ernestina da Fonseca Vianna (81).
123. José Augusto dos Santos Vianna (Juca do Cipó)
 Nascido na Fazenda das Lages, Taquaruçu, MG
 Fazenda do Cipó
 Fonte: [12] 
 Pais: João Batista dos Santos Vianna e
       Rita Amélia de Cássia Carneiro.
 Casou-se com Maria Josefina dos Santos Pinto.
 Casou-se com Francisca Cecília Alves dos Santos (113).
124. Maria Josefina dos Santos Pinto (Mariquinha)
 Batizada em 15/12/1850 em Santa Luzia, MG
  [12] (lv. 1 fl. 192)
 Falecida em 1875 
 Casou-se com José Augusto dos Santos Vianna (123).
 Filhos:
  Maria Josefina dos Santos Vianna
125. Rita Maria de Oliveira (Ritinha do Gambá)
 Casou-se com José de Souza Vianna (88).
 Filhos:
  Jefferson Vianna
  Aciole Vianna
  José de Souza Vianna
  Amir Vianna
  Rita Vianna
  Carmen Vianna
  Maria de Lourdes Vianna
  Maria Vianna
126. Maria Augusta Alves dos Santos
 Nascida em 5/12/1857 
 Batizada em 23/2/1858 na Fazenda dos Angicos, Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 3 1857/1866 fl. 52 e 52v Taquaruçu, MG)
 Pais: Francisco Santos (7) e Maria Vianna (22).
127. Maria Fonseca Vianna
 Nascida em 5/6/1837 Santa Luzia, MG
 Batizada em 9/7/1837 em Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1834/1865 fl. 35v)
 Pais: Francisco Vianna (11) e Maria Salles (9).
128. Rosálida Cláudio de Sales (Rosálida Cláudio Sales)
 Nascida em 1867 Lagoa Santa, MG
 Casou-se com Pedro Alves dos Santos Vianna (67)
  em 4/5/1892, em Matozinhos, MG [5].
 Filhos:
  Helena Sales Vianna
  Maria de Sales Vianna
129. Rita 
 Casou-se com José Cândido da Fonseca Vianna (97).
 Filhos:
  Guilhobel Vianna
  João Vianna
130. Elvira Gabriela de Castro Vasconcellos (Mãezinha)
 Nascida em 2/1/1864 
 Pais: Francisco Gabriel da Cunha e Castro Vasconcellos e
       Joanna Helena de Sá.
 Casou-se com Antônio de Paula Vianna (51).
131. Antônio Romanelli
 Casou-se com Laura da Fonseca Vianna (98).
Geração n.4
132. José da Fonseca Vianna
 Nascido em 11/5/1880 em Lagoa Santa, MG
 Batizado em 4/7/1880 na Fazenda do Engenho,
  Lagoa Santa, MG [10] (lv. 1875/1889 fl. 121v)
 Pais: Luiz Vianna (99) e Anna Dias (107).
133. Cândido da Fonseca Vianna Sobrinho
 Nascido em 14/10/1881 em Lagoa Santa, MG
 Batizado em 12/3/1882 na Quinta do Sumidouro,
  Santa Luzia, MG
  [10] (lv. 1875/1889 fl. 158 Lagoa Santa, MG)
 Falecido em 1967 
 Foi testemunha do casamento de Maria da Conceição Diniz
  em 09/02/1907;
 Foi prefeito de Matozinhos em 1944.
 Pais: Luiz Vianna (99) e Anna Dias (107).
134. Luiz da Fonseca Vianna Filho
 Nascido em 23/4/1889 Lagoa Santa, MG
 Batizado em 28/4/1889 em Lagoa Santa, MG
  [10] (lv. 1875/1889 fl. 263v)
 Pais: Luiz Vianna (99) e Anna Dias (107).
135. Joaquim de Paula Vianna (Quincota)
 Nascido em 14/9/1882 
 Falecido em 19/2/1940 
 Fonte: [22] Caderneta de Aniversários
 Pais: Francisco Vianna (100) e Laurinda Souza (120).
 Não se tem notícias de descendentes.
136. Cyro José Vianna
 Nascido em 28/8 
 Trabalhou na E.F.C.B e se aposentou em 26/11/1957
  ver D.O. de 28/01/1958 pg. 19
 Pais: Francisco Vianna (100) e Laurinda Souza (120).
 Casou-se com Maria Fonseca.
137. Sócrates Colaro Vianna
 Nascido em 29/8 [22] (Caderneta de Aniversários)
 Pais: Francisco Vianna (100) e Laurinda Souza (120).
 Casou-se com Cefisa Pereira.
138. Mário da Conceição Vianna
 Nascido em 8/12/1892 em Pedro Leopoldo, MG
  [7] (lv. 2 fl. 13 n. 135)
 Falecido em 8/11/1942 em Pedro Leopoldo, MG
  [23] (Santinho do Funeral de Mário)
 Funcionário da Estrada de Ferro Central do Brasil
 Faleceu de ataque cardíaco ao pular uma cerca
  na Estação Ferroviária de Pedro Leopoldo.
 Pais: Francisco Vianna (100) e Laurinda Souza (120).
 Casou-se com Maria Emília Gonçalves Bahia em 8/5/1915,
  em Pedro Leopoldo, MG [7] (lv. 1 fl. 101 n. 205).
139. Guiomar Vianna
 Nascida em 1/9/1881 
 Falecida em 28/4/1961 em Belo Horizonte, MG
  [11] (q.19 c.325 Cemitério do Bonfim)
 Pais: Francisco Vianna (100) e Laurinda Souza (120).
 Casou-se com Adolpho Herbster Júnior.
 Filhos:
  Rodolpho Vianna Herbster
  Rita Vianna Herbster
140. Cefisa Pereira
 Fonte: [21] 
 Pais: Pedro Maria Pereira e Antônia Benigna de Andrade.
 Casou-se com Sócrates Colaro Vianna (137).
 Filhos:
  Astor Pereira Vianna
141. Gentil Vianna
 Nascido em 1891 [2]
 Pais: Cândido Vianna (101) e Laura Moreira (108).
 Casou-se com Madalena Diniz.
142. Izolina Vianna (Zuzu)
 Nascida em 27/2/1893 
 Falecida em 1970 
 Fonte: [2] 
 Pais: Cândido Vianna (101) e Laura Moreira (108).
 Casou-se com Alípio Vianna Romanelli.
143. Violeta Vianna
 Falecida em 15/4/1920 
 Fonte: [2] 
 Pais: Cândido Vianna (101) e Laura Moreira (108).
144. Rita de Cássia Vianna
 Pais: Cândido Vianna (101) e Laura Moreira (108).
 Casou-se com Lucas Neiva.
145. Maria Eugênia Vianna (Voinha)
 Nascida em 12/11/1898 
 Falecida em 23/2/1949 
 Fonte: [2] Notas de Maria Iphigênia de Lima Fernandes
 Pais: Cândido Vianna (101) e Laura Moreira (108).
 Casou-se com Luiz Franzen de Lima em 24/12/1917 [2].
 Filhos:
  Maria Iphigênia Vianna de Lima
146. José Cândido Vianna (Zezinho)
 Nascido em 1900 
 Pais: Cândido Vianna (101) e Laura Moreira (108).
147. Laura Vianna (Laurita)
 Nascida em 18/3/1904 
 Fonte: [2] 
 Pais: Cândido Vianna (101) e Laura Moreira (108).
148. Arnaldo da Fonseca Vianna
 Nascido em 14/5/1898 em Belo Horizonte, MG
 Batizado em 12/7/1898 em Belo Horizonte, MG
  [6] (ITEM 03 P 11, FHL microfilm 1252329)
 Pais: Izidro Vianna (103) e Anna Baeta (121).
149. Luiz Franzen de Lima
 Casou-se com Maria Eugênia Vianna (145) em 24/12/1917 [2].
150. Maria Fonseca
 Nascida em 14/11 
 Casou-se com Cyro José Vianna (136).
 Filhos:
  Teresa Vianna
  Francisco Vianna
  Hermann Vianna
151. Doutor Adolpho Herbster Júnior
 Nascido em 16/10/1871 
 Engenheiro da EFCB
 Casou-se com Guiomar Vianna (139).
152. Maria Emília Gonçalves Bahia (Miloca)
 Nascida em 28/5/1889 em Maravilhas, Pitangui, MG
  [22] (Caderneta de Aniversários)
 Falecida em Junho de 1981 em Pedro Leopoldo, MG [27]
 Agente dos Correios em Pedro Leopoldo, MG
 Fonte: [29] 
 Pais: Cândido Gonçalves dos Reis e Anna Alvarenga Bahia.
 Casou-se com Mário da Conceição Vianna (138) em 8/5/1915,
  em Pedro Leopoldo, MG [7] (lv. 1 fl. 101 n. 205).
 Filhos:
  Rivadávia Bahia Vianna
  Mário Bahia Vianna
  Caio Bahia Vianna
  Raymundo Bahia Vianna
  Cândido Bahia Vianna
  Geraldo Bahia Vianna
  Elísio Bahia Vianna
  Maria Mária Bahia Vianna
153. Isabel dos Santos Ferreira (Belinha)
 Nascida em 1906 na Fazenda do Cipó, Jaboticatubas, MG [12]
 Falecida em 7/4/1942 em Pedro Leopoldo, MG
 Faleceu ao cair de um caminhão. Estava grávida.
 Pais: José dos Santos Ferreira Neto e
       Maria Josefina dos Santos Vianna.
 Casou-se com Guilhobel Vianna.
154. Guilhobel Vianna (Guili)
 Nascido em Pedro Leopoldo, MG
 Falecido em Pedro Leopoldo, MG
 Pais: José Vianna (97) e Rita (129).
 Casou-se com Isabel dos Santos Ferreira (153).
 Tem-se notícia de que foi casado mais de uma vez.
 Filhos:
  Ângelo Vianna
155. Alípio Vianna Romanelli
 Declarante no óbito de Francisco de Paula da Fonseca Vianna
 Pais: Antônio Romanelli (131) e Laura Vianna (98).
 Casou-se com Izolina Vianna (142).
156. Madalena Diniz
 Casou-se com Gentil Vianna (141).
157. Octávia Fonseca Vianna
 Nascida em Novembro/1897 em Lagoa Santa, MG
 Falecida em 25/9/1898 em Lagoa Santa, MG
  [11] (lv. 1895/1912 fl. 27 n. 316)
 Pais: Luiz Vianna (99) e Anna Dias (107).
158. Lourival Fonseca Vianna
 Nascido em Outubro/1899 em Lagoa Santa, MG
 Falecido em 16/11/1899 em Lagoa Santa, MG
  [11] (lv. 1895/1912 fl. 33v n. 347)
 Pais: Luiz Vianna (99) e Anna Dias (107).
159. Lucas Neiva
 Engenheiro da EFCB
 Casou-se com Rita de Cássia Vianna (144).
160. Juiz Gentil Vianna Romanelli
 Nascido por volta de 1890 
 Falecido em 8/9/1968 em Belo Horizonte, MG
  [11] (q.47 carn.85 Cemitério do Bonfim)
 Juiz Federal
 Pais: Antônio Romanelli (131) e Laura Vianna (98).
 Filhos:
  Antônio Ribeiro Romanelli
  João Sebastião Ribeiro Romanelli

Fontes:

[1] - Blog: Sumidoiro's Blog
 PAULA, Eduardo de
 sumidoiro.wordpress.com
[2] - Notas Genealógicas: Carlos Aníbal
 ALMEIDA, Carlos Aníbal Fernandes
[3] - Nobreza Brasileira de A a Z
 Geneall.net
 www.geneall.net
[4] - Relatos: Maria Laura Moreira
 MOREIRA, Maria Laura de Salles
 arquivos MP3
[5] - Notas Genealógicas: Jorge CPF
 FILHO, Jorge da Cunha Pereira
 arquivo PDF, 09/1990, 3a rev. 02/2006
[6] - Web Site: Family Search
 Igreja dos Santos dos Últimos Dias
 familysearch.org
[7] - Registro Civil: Brasil
 República Federativa do Brasil
 Certidões e registros de identidade
[8] - Livro: Nobreza de Portugal e Brasil
[9] - Matrimônios na Igreja
 Igreja Católica
[10] - Batismos na Igreja
 Igreja Católica
[11] - Óbitos
 Igreja Católica
[12] - Livro: Genealogia e Memória Histórica de
              José Ângelo Nogueira
 NOGUEIRA, José Ângelo
 Gráfica O Lutador, 2011
[14] - E-mails: Vânia L. Oliveira
 OLIVEIRA, Vânia Lúcia de
[17] - Web Site: Wikipedia
 Wikipedia
 www.wikipedia.org
[18] - Notas Genealógicas: Gonçalves Barroso
 arquivos obtidos na Internet
[20] - E-Mails: Eduardo de Paula
 PAULA, Eduardo de
 e-mails enviados pelo autor
[21] - Web Site: Geneaminas
 Geneaminas
 www.geneaminas.com.br
[22] - Notas Pessoais: Mário Vianna
 VIANNA, Mário da Conceição
[23] - Notas Pessoais: Miloca
 BAHIA, Maria Emília Gonçalves
[24] - Internet: Pesquisas Avulsas
[27] - Relatos: João Vianna
 VIANNA, João Alexandre Moreira Bahia
[29] - Relatos: Elísio Bahia e Irmãos
 VIANNA, Elísio Bahia e irmãos


8 Comentários

A Família de Mário

Mário da Conceição Vianna era descendente dos Souza Vianna, família sobre a qual Eduardo de Paula [1] realizou extensas pesquisas, que publicou no seu blog: Sumidoiro’s Blog. Neste artigo, acrescentamos informações sobre os familiares que vão dos filhos de José de Souza Vianna até os irmãos de Mário, passando também pela família Moreira da Silva.

Ascendentes de Mário da Conceição Vianna

Ascendentes de Mário da Conceição Vianna

Os Irmãos

Mário teve quatro irmãos: Guiomar, Joaquim de Paula (Quincota), Sócrates Colaro e Cyro José. Todos tiveram algum vínculo com a Estrada de Ferro Central do Brasil (E.F.C.B.). Adolpho Herbster, marido de Guiomar, era engenheiro residente, e foi responsável pelo trecho de Cordisburgo em 1908. Os outros irmãos foram funcionários da E.F.C.B. Na geração anterior, terrenos da família haviam sido cedidos para construção do trecho da estrada de ferro que passava por Pedro Leopoldo.

irmaos_vianna_02

Irmãos Vianna. Cyro José, Mário da Conceição, Sócrates Colaro, Guiomar e Joaquim de Paula. Sentadas, estão as respectivas esposas, e, por último, a mãe, Laurinda Carolina.

 

Guiomar Vianna era a mais velha, nascida em 1 de Setembro de 1881 e falecida em 28 de Abril de 1961, em Belo Horizonte, MG  [11] (q.19 c.325 Cemitério do Bonfim). Casou-se com Adolpho Herbster Júnior, nascido em 16 de Outubro de 1871. Do casamento, nasceram Rodolpho Vianna Herbster e Rita Vianna Herbster. Adolpho faleceu antes de Setembro de 1931, quando seus filhos passaram a receber montepio civil.

Segue o texto da concessão do montepio: Diário Oficial, 31 de Agosto de 1931 – Ministério da Fazenda, Processos de Concessão – “De montepio civil a Rodolpho Vianna Herbster, filho do Dr. Adolpho Herbster Júnior, engenheiro residente da Estrada de Ferro Central do Brasil e de apostila feita no título de D. Rita Vianna Herbster, filha do mesmo engenheiro, por ter sido admitido o referido menor a partilha da pensão.”
Adolpho Herbster Júnior, Rita Vianna Herbster e Guiomar Vianna

Adolpho Herbster Júnior, Rita Vianna Herbster e Guiomar Vianna

Joaquim de Paula Vianna (Quincota) nasceu em 14 de Setembro de 1882 e faleceu em 19 de Fevereiro de 1940 [22] (Caderneta de Aniversários de Mário). Participou da construção de trechos da estrada de ferro no Paraná em 1911, conforme registrado em fotos de família. Não se tem notícia de que tenha deixado descendentes.

Joaquim de Paula Vianna no Paraná, em 1911

Joaquim de Paula Vianna no Paraná, em 1911

Sócrates Colaro Vianna casou-se com Cefisa Pereira, filha de Pedro Maria Pereira e Antônia Benigna de Andrade [21]. Deste casamento nasceu um único filho, Astor Pereira Vianna, nascido em 10 de Julho de 1909. Astor deixou descendentes em Conselheiro Lafayete, MG, onde há um cartório que ainda é administrado por membros da família. Os sogros de Astor eram Joaquim Alves dos Santos Vianna e Joaquina Cândida de Souza Vianna, esta última, filha de José de Souza Vianna. Uma publicação no Diário Oficial de 14 de Março de 1911 (página 18) refere-se a exames admissionais de Sócrates para cargo na E.F.C.B. O casal fez bodas de ouro ainda residindo em Pedro Leopoldo.

Sócrates Colaro Vianna

Sócrates Colaro Vianna

Cyro José Vianna era o irmão mais novo. Casou-se com Maria da Fonseca, e deste casamento nasceram três filhos: Teresa, Francisco e Hermann, sendo que este último nasceu em 28 de Julho de 1936. Cyro aposentou-se pela E.F.C.B. em 26/11/1957 (D.O. de 28/01/1958 pág. 19). Cyro residiu no Rio de Janeiro e, depois de aposentado, retornou a Pedro Leopoldo. Em meados da década de 60, Cyro contraiu uma doença renal que o levou a óbito. Maria viveu ainda por muitos anos em Belo Horizonte, tendo alcançado quase cem anos de idade [4].

Cyro José VIanna e Maria Fonseca

Cyro José VIanna e Maria Fonseca

Pais e Tios

O pai de Mário era Francisco de Paula Fonseca Vianna, conhecido como Nhô Chico. Nasceu por volta de 1855, e faleceu em 16 de Setembro de 1912, deixando cinco filhos e a viúva, Laurinda Carolina de Souza [7] (lv. 2 fl. 13 n. 135 Pedro Leopoldo, MG). Laurinda faleceu em 3 de Maio de 1938, três anos antes do filho Mário [22]. Sobre ela, sabe-se pouco. Conta-se que era muito religiosa, e ajudou nas obras da igreja de Pedro Leopoldo.

Nhô Chico e Laurinda em Janeiro/1907 (imagem cedida por Carlos Aníbal Fernandes de Almeida [1])

Nhô Chico e Laurinda em Janeiro/1907 (imagem cedida por Carlos Aníbal Fernandes de Almeida [1])

Nhô Chico foi diretor da Companhia Fabril Cachoeira Grande (cf. ata de fundação de 1893 e ação emitida em 1897). Possuiu também a Fazenda do Campinho. Seu nome é o mesmo de um tio ilustre, nascido em 2 de Abril de 1815 em Sabará, MG e falecido em 17 de Fevereiro de 1893 em Santa Luzia, MG, que se tornou Barão, e depois Visconde do Rio das Velhas.

Certidão de Óbito de Nhô Chico, obtida através de Carlos Aníbal Fernandes de Almeida

Certidão de Óbito de Nhô Chico, obtida através de Carlos Aníbal Fernandes de Almeida

Um tio de Mário que merece menção é o Coronel Cândido da Fonseca Vianna (Dudu), nascido em 1 de Janeiro de 1857, e falecido em 29 de Abril de 1924, em Pedro Leopoldo, MG [2] (Notas de Maria Iphigênia de Lima Fernandes). Dudu tinha o mesmo pré-nome do pai (avô de Mário). Obteve concessão para construção de Engenho de Açúcar em Sete Lagoas, MG, tendo como sócios Caetano Mascarenhas e Francisco Domingos Gontijo, mas esta caducou em 1894 sem que a construção tivesse sido concluída (Decreto n.1.814, de 22 de Setembro de 1894). Do casamento do Coronel Cândido com Laura Ernestina Gonçalves Moreira, nasceu em 1891 um filho de nome Gentil Vianna [2], que viria a se casar com Madalena Diniz. Gentil era padrinho de Romário Vianna de Mello, neto de Mário. Gentil visitava Miloca e a comadre, Mária Vianna, regularmente até a década de 70 (informações fornecidas por Romário Vianna de Mello e Maria Cândida Vianna, neta de Gentil).

Para complicar um pouco mais a genealogia dos Vianna, um primo de Mário também recebeu o nome do avô: Cândido da Fonseca Vianna Sobrinho, nascido em 14 de Outubro de 1881 em Lagoa Santa, MG [10] (lv. 1875/1889 fl. 158), e que foi prefeito de Matozinhos em 1944.

Um outro primo de Mário, Guilhobel Vianna (Guili), teve um filho de nome Ângelo (Gilu), cuja família manteve muitos laços de amizade com os Bahia Vianna.

Os Avós e Bisavós

Não se sabe dos pais de Laurinda. Os pais de Nhô Chico foram Cândido José e Brígida Honorina.

Cândido José de Souza Vianna foi batizado em 5 de Agosto de 1819 na Fazenda dos Maçaricos, Santa Luzia, MG [10] (lv. 1818/1825 fl. 12v Lagoa Santa, MG), e faleceu entre 1871, em que foi padrinho em um batizado, e 1879, em que ocorreu o casamento de seu filho – Luiz Augusto da Fonseca Vianna. Cândido herdou a Fazenda do Sumidouro, e quando se casou mudou-se para a Fazenda da Palestina. Cândido era irmão gêmeo de José de Souza Vianna Júnior, que herdou a Fazenda dos Maçaricos, berço de muitos Souza Vianna.

Batizado de Cândido e seu irmão gêmeo, José:  “Aos cinco de Agosto de mil oitocentos e dezenove na Capella de Nossa Senhora do Valle de Massaricos o Reverendo Coadjutor José Soares Dinis baptizou e pos os Santos Olleos a Cândido innocente gemio filho legítimo de José de Souza Vianna e de Dona Maria Cândida da Assumpção; forão padrinhos Bernardo de Souza Vianna Mosso e Dona Theodora Luiza da Piedade de que se fez este assento que assigno. O C Alexandre Gomes …”    “Aos cinco de Agosto de mil oitocentos e dezenove na Capella de Nossa Senhora do Valle de Massaricos o Padre Manoel Antônio de Freitas Caldas de licença Parochial baptizou e pos os Santos Olleos a José innocente gemio filho legítimo de José de Souza Vianna e de Dona Maria Cândida da Assumpção; forão padrinhos O Capitão Manoel d’Affonsecca Ferreira e Dona Joaquina Claudina de Santa Ritta de que se fez este assento que assignei. O C. Alexandre Gomes …”
Batismos de Cândido e José

Batismos de Cândido e José

Casamento de Luiz Augusto da Fonseca Vianna, em que Cândido é mencionado como falecido: “Aos vinte e oito de Junho de mil oitocentos e setenta e nove na Capella da Fazenda do Engenho, em minha presença e das testemunhas; Joaquim Cláudio de Salles, e José Pereira da Costa, receberão se em Matrimônio Luiz Augusto da Fonseca Vianna e Anna da Assumpção, aquelle filho legítimo de Cândido José de Souza Vianna já falecido e Brígida da Silva Moreira e esta filha legítima de Joaquim Dias da Silva e Maria Cândida da Assumpção forão dispensados do impedimento de consanguinidade no 3o grau ??? ao 2o. O Vigário Odorico Antônio Dolabella”
matrimonio_luiz_ana

Brígida Honorina Gonçalves Moreira da Silva foi batizada em 21 de Outubro de 1827 na Capela do Fidalgo, Lagoa Santa, MG [10] (lv. 1823/1843 fl. 184). Recebeu o nome em memória da avó, Brígida Moreira da Silva, que faleceu poucos meses depois do seu nascimento. A mãe de Brígida se chamava Perpétua Moreira da Silva. Seu pai, Francisco Fidélis da Silva, parece ter sido administrador da Fazenda da Cachoeira Grande. A fazenda também teria o nome de Fazenda da Cachoeira das Três Moças, referindo-se a três moças da família Moreira da Silva que residiam na mesma. Esta fazenda foi hipotecada para pagar dívidas de jogo, e não permaneceu na família, tendo sido mais tarde arrematada por Antônio Alves Ferreira da Silva, que usou a força da cachoeira para mover as máquinas da fábrica de tecidos da Cachoeira Grande.

fazenda_cachoeira_grande

 

Batizado de Brígida: “Aos vinte e hum dias do mês de Outubro de mil oitocentos e vinte e sete annos na Capella do Fidalgo desta Freguezia da Lagoa Santa o Padre Antônio de Souza Camargo baptizou e pôs os Santos Óleos a Brígida párvola filha legítima de Francisco Fidélis da Silva e Dona Perpétua Moreira da Silva; forão padrinhos o Capitão Manoel Gonçalves Pinto e sua filha Dona Francisca Manoella Moreira todos da Freguezia de Matozinhos por licença de cujo Párocho se baptizou. O Vigário Manoel de Almeida Lima”
Batismo de Brígida Honorina

Batismo de Brígida Honorina

É interessante notar que nos filhos de Cândido e Brígida foram abandonados os sobrenomes vindos da mãe (Moreira da Silva), e também o Souza, vindo do pai, em favor do Fonseca, vindo da avó paterna. Adotaram, assim, o sobrenome Fonseca Vianna.

A partir daí, chegamos aos bisavós: José de Souza Vianna e Maria Cândida da Assumpção Fonseca Ferreira, pais de Cândido, cuja história é contada com detalhes por Eduardo de Paula em seu blog.

Outro documento importante é o testamento de Brígida Moreira da Silva, avó de Brígida Honorina, transcrito a seguir:

“Testamento com que falleceo D. Brígida Moreira da Silva nesta Freguesia de N. S. da Saúde da Alagoa Santa aos 15 de Março de 1828
In nomine Domini Amen
Eu Brígida Moreira da Silva filha legítima do Capitão Antônio Moreira Barbosa e de Anna Moreira da Silva natural da Freguesia do Curral de ElRey moradora na Freguesia do Senhor Bom Jesus de Matozinhos do Termo da (Fidelíssima?) Villa do Sabará que achando-me enferma mas em meu perfeito juízo, e temendo-ma da morte ordeno meu testamento, última vondate na forma seguinte. Sou Catholica Romana e professo a Ley de Christo, na qual pretendo viver e morrer. Declaro que sou casada a facie da Igreja com o Capitão Manoel Gonçalves Pinto, de cujo Matrimônio tivemos os filhos seguintes: José, Joaquim, Luís, Francisco, Angélica casada com o Tenente Manoel Pereira Lopes, Venância casada com Antônio de Paula Moreira, Perpétua casada com Francisco Fidélis da Silva, Francisca solteira, Maria solteira, Cândida solteira, Anna solteira, Justina solteira, os quais são meus legítimos e necessários herdeiros das duas partes dos meos bens. Declaro que depois de cumpridos todos os meos legados os remanescentes de minha Terça serão repartidos com igualdade por minhas Filhas Francisca, Cândida, Anna e Justina as quaes instituo minhas herdeiras desta parte, e hé minha vontade que lhes fiquem pertencendo na parte da minha terça as escravas seguintes: Para a minha filha Francisca, Beatriz mestiça; para Cândida, Angélica parda; para Anna, Marianna cabra; para Justina, Umbelina angola, as quaes escravas receberão pelo preço de sua avaliação para haver igualdade na herança de minha terça. Declaro que instituo por meus testamenteiros com livre e geral administração de todos os meus bens em primeiro lugar a meu Marido, Capitão Manoel Gonçalves Pinto; em segundo lugar a meu filho o Alferes José Gonçalves Moreira e em terceiro lugar a meu filho Joaquim Gonçalves Moreira, e ao que aceitar lhe deixo cincoenta mil réis de prêmio. Declaro que o meu funeral e lugar do meu enterro serão (??) a elleição do meu Testamenteiro a que recomendo o maior número possível de Missas de corpo presente de esmola de mil e duzentos. Declaro que logo depois do meu fallecimento o meu Testamenteiro mandará dizer por minha Alma seis (??) de Missas de esmola cada huma de seiscentos e quarenta réis (??) mais cento e cincoenta Missas por minha Alma de esmola de seiscentos réis por Padres da Freguesia de Matozinhos e da Alagoa, tendo a elleição de meu testamenteiro, e serão ditas dentro de hum anno. Declaro que meu testamenteiro dará de esmola a minha affilhada Brígida, filha de Antônio Dias, cem mil réis, quando (tomar?) estado ou tiver vinte e cinco annos de idade, assim mais dará de esmola doze mil réis para o ornato do Altar da Senhora do Porto da Freguesia de Matozinhos. Declaro que deixo o tempo determinado para meu testamenteiro dar contas desta minha testamentária .. lhe levarão em conta todas as despesas que elle jurar fizera a bem da testamentária. E nesta forma tenho feito este meu testamento e última vontade, e peço a Justiça de Sua Magestade o Jurador o fação cumprir como nelle se declarão e se nelle faltar alguma cláusula ou cláusulas em Direito necessárias, aqui as hei por declaradas, e por não saber ler nem escrever pedi e roguei ao Padre Antônio de Souza Camargo que este por mim fizesse e como testemunha se assignasse, e ao Cirurgião Mor Serafim Moreira de Carvalho que por mim se assignasse. Fazenda do Fidalgo, 25 de Outubro de 1827. Assignome a rogo da Testadora Brígida Moreira da Silva – Serafim Moreira de Carvalho. Como Testemunha que este fiz a rogo da Testadora o Padre Antônio de Souza Camargo.
Estava aprovado o dito testamento pelo Tabelião o Capitão Bento José Marianno, e outra vez assignado a rogo da testadora Brígida Moreira da Silva pelo Padre Antônio de Souza Camargo, que tão bem servio de testemunha com Paulo Moreira de Carvalho, Pacífico de Souza de Carvalho, José Telles da Silva e Athanásio Antônio Penha, estando tão bem a assignatura do sobredito Tabelião. E nada mais continha o dito testamento, que aqui copiei: do que tudo afirmo in fide (?rochi). Alagoa Santa 15 de Março de 1828
O Vigário Manoel de Almeida Lima”
 
brigida_testamento_1
 
brigida_testamento_2
 
 

João A.M. Bahia Vianna
Outubro/2014

Fontes:

[1] - Blog: Sumidoiro's Blog
    PAULA, Eduardo de
    sumidoiro.wordpress.com

[2] - Notas Genealógicas: Carlos Aníbal
    ALMEIDA, Carlos Aníbal Fernandes

[4] - Relatos: Maria Laura Moreira (arquivos MP3)
     MOREIRA, Maria Laura de Salles

[7] - Registro Civil: Brasil
    República Federativa do Brasil
    Certidões e registros de identidade
     
[10] - Batismos na Igreja
     Igreja Católica

[11] - Óbitos
     Igreja Católica

[21] - Web Site: Geneaminas
     www.geneaminas.com.br

[22] - Notas Pessoais: Mário Vianna
     VIANNA, Mário da Conceição


2 Comentários

Elísio Bahia Vianna

Elísio Bahia Vianna nasceu em Pedro Leopoldo em 3 de Maio de 1928. Era filho de Mário da Conceição Vianna e Maria Emília Bahia Vianna (em solteira, Gonçalves Bahia, e mais conhecida como Miloca). Seus avós participaram do desenvolvimento do local desde a fundação da fábrica de tecidos, onde Francisco de Paula da Fonseca Vianna – o avô paterno – foi diretor.

elisio_09

Elísio Bahia Vianna

Infância

A vida de Elísio se iniciou pouco depois que Pedro Leopoldo foi elevada à categoria de cidade, em 1925. A estação de trem trouxe para a cidade armazéns atacadistas, que comercializavam as mercadorias vindas dos grandes centros. Produtos das propriedades rurais faziam o percurso inverso, deixando a cidade mais independente da antiga sede, Santa Luzia. Na família, a geração de Elísio foi a primeira a ter um infância urbana. O pai foi criado na Fazenda do Campinho, nas imediações do que se tornou a cidade de Pedro Leopoldo. Sua mãe nasceu na Fazenda da Cachoeira de Cima, em Maravilhas, pequeno lugarejo próximo de Pitangui.

Mário Vianna fez uma cópia da Certidão de Nascimento¹ de Elísio, como o fez para cada um dos seus filhos [2]. A família ainda residia na Rua Neiva, mas em poucos anos se mudaria para a Rua Antônio Alves, onde era a antiga chácara da avó Don’Anna, e onde Elísio viveu sua infância.

Certidão de Nascimento de Elísio - Folha 1

Certidão de Nascimento de Elísio – Folha 1

folha 2

 

Por ser um dos irmãos mais novos, Elísio foi vítima dos mais velhos. Convenciam-no a enterrar moedas para que se multiplicassem, e a provar que era HOMEM, assumindo as artes dos irmãos e levando o castigo sozinho. Quando os mais velhos alcançaram idade escolar, o menino reclamava com a mãe que também queria ir para a escola. Miloca falou com a professora, e ela, então disse que o menino poderia ir com os irmãos. Elísio foi para a escola, mas não ficou satisfeito, e voltou reclamando que os irmãos estavam aprendendo a ler, e ele não.

Na casa, com grande quintal ao fundo, que chegava até o ribeirão, cresciam mangueiras e outras árvores frutíferas. Havia bastante espaço para brincadeiras. Certa vez, os irmãos montaram um “circo de cavalinhos”. O ingresso cobrado era um palito de fósforo. Além das brincadeiras, Elísio gostava das pescarias que fazia com o irmão Mundinho. Como este tinha problemas de visão noturna, Elísio o guiava na volta, quando já começava a escurecer. Para pagar o favor, Mundinho levava Elísio nas costas durante a ida.

Quando voltavam da escola, Elísio e os companheiros passavam pelo Ribeirão da Mata, e muitas vezes decidiam nadar no rio. Para não molhar as roupas, deixavam tudo pendurado nos galhos das árvores. Mas sempre tinha um mais maldoso, que saía da água antes, dava nós nas roupas dos companheiros e saia de fininho, deixando os outros em apuros. As travessuras eram muitas. Dentre elas, os meninos catavam vaga-lumes e os guardavam em caixinhas de fósforos, para soltá-los durante as seções de cinema.

Elísio (o terceiro na fila de cima) e a turma do ginásio

Elísio (o terceiro na fila de cima) e a turma do ginásio

Juventude

Em 1942, Mário faleceu. Elísio recebeu dispensa no internato para vir visitar a mãe e não mais retornou. Sem ter completado o Ginásio, enfrentou mais tarde muitos desafios na sua carreira profissional. Começou a trabalhar ainda jovem, e perdeu parte dos dedos em uma plaina, em uma fábrica de tamancos. A juventude em Pedro Leopoldo foi agitada, e Elísio se envolvia nas campanhas políticas, como cabo eleitoral. Quando as ações contra políticos da oposição passavam dos limites, o rapaz se valia de um tio delegado para livrá-lo da cadeia. Na explosão de uma bomba caseira, que ia soltar na varanda de um candidato, Elísio teve o tímpano perfurado, ficando surdo de um ouvido.

Elísio passou por muitos empregos que não requeriam especialização. Na Cooperativa Agro-Pecuária de Pedro Leopoldo, dentre outras coisas, ajudava a descarregar os latões de leite que chegavam das fazendas. Possuiu bicicletaria em Matozinhos, passou um tempo morando com o irmão Geraldo em Belo Horizonte, foi caixeiro viajante e trabalhou também no açougue do irmão, Caio, em Volta Redonda. Era boêmio e valentão, e por muitas vezes se envolveu em brigas por causa de mulheres em cabarés.

Elísio a passeio em Juiz de Fora

Elísio a passeio em Juiz de Fora

Elísio era fascinado pelos automóveis e motocicletas, grandes novidades na cidadezinha onde vivia e, habilidoso, havia aprendido noções de mecânica. Com o fim da Segunda Grande Guerra, o Brasil passou por uma fase de industrialização intensa. Minas Gerais contribuía com a produção siderúrgica e a indústria de cimento. As fábricas da região Sudeste ofereciam muitas oportunidades de emprego. A partir de 1948, com vinte anos de idade, Elísio passou a ter sua carteira de trabalho, se empregando na indústria como mecânico. Pelos registros em sua carteira profissional, trabalhou na Cooperativa Agro-Pecuária de Pedro Leopoldo, montando sistemas de refrigeração, de 1948 a 1950; trabalhou como mecânico na Fidelidade, em São Paulo, em reprensagem de algodão; trabalhou montando formas para tijolos refratários na Magnesita, em Contagem; e na Cia. de Cimento Portland Cauê, com o cargo de ajustador, em 1953. Nestes empregos, seu salário variava entre sete e nove Cruzeiros por hora, ou, quando mensal, em torno de novecentos Cruzeiros. O emprego na Cauê já mostrava alguma estabilidade. Nele, Elísio ficou até 1956, e recebeu aumentos de salário, chegando a ganhar doze Cruzeiros por hora.

elisio_trab3_5

Carteira de Trabalho de Elísio, mostrando empregos em Pedro Leopoldo

 

Bancário

Em 1956, Rivadávia, irmão mais velho de Elísio, já tinha carreira consolidada como bancário. Vendo que o irmão ainda não encontrara um emprego sólido, Riva conseguiu que Elísio fizesse uma entrevista de admissão ao Banco do Brasil, que estava abrindo uma agência em São Gonçalo. Após um teste simples, o rapaz foi contratado como contínuo. Como a agência de São Gonçalo ainda não estava instalada, Elísio passou a trabalhar na agência de Niterói. A data de admissão foi de 11 de Fevereiro de 1956.

A carreira de bancário era o que faltava para a vida de Elísio. No Banco do Brasil, encontrou a estabilidade para se estabelecer e formar família, abandonando de vez os tempos de boemia e aventuras. O salário inicial, de dois mil e quinhentos cruzeiros, já representava um bom aumento com relação aos empregos anteriores, e trabalhando com dedicação, logo vieram as promoções. Em Novembro de 1959, Elísio já estava na categoria de Contínuo D, com salário de onze mil e novecentos reais. Ao considerar os valores de salário, há que descontar a inflação do período, que estava na casa dos 20% ao ano no início da década e acelerou para 30% no final do governo de Juscelino Kubitschek. Mesmo assim, houve ganhos reais e, em mais dois anos se completaria o primeiro quinqüênio, que traria ganhos adicionais.

A Agência do Banco do Brasil onde Elísio trabalhava ficava na Rua São Pedro, n.60. No caminho da pensão onde dormia até o trabalho, Elísio notou uma professora que sempre passava a caminho do ponto de ônibus no mesmo horário. Da troca de cumprimentos passaram a rápidas conversas, e a professora, que se chamava Maria Laura, lhe emprestou uns livros, pois o rapaz estava se preparando para um concurso interno no banco, em busca de uma promoção. Elísio se mudou de pensão e o ponto de ônibus também, passando para perto da Praça do Rinque. Como a pensão ficava bem próxima, ele se ofereceu para guardar o lugar da moça no ponto de ônibus. O lugar era marcado com um tijolo, e assim Laura podia chegar um pouco mais tarde. Era também a desculpa para se encontrar com ela no caminho e dizer que lugar tinha reservado: “Hoje o seu lugar é o quinto tijolo”. Em pouco tempo, começaram a namorar. Elísio não foi aprovado no primeiro concurso, e Laura passou a ajudar com exercícios de Matemática e mais livros. Casaram-se em Fevereiro de 1959. Foram padrinhos o irmão de Elísio, Geraldo Bahia, e a irmã de Laura, Maria Helena. Também participaram o padrinho de Laura, Zeca Salles, e sua filha, Gilma [1].

Casamento de Elísio e Laura em 1959 Maria Helena, Geraldo, Elísio, Laura, José Salles e Gilma

Casamento de Elísio e Laura em 1959
Maria Helena, Geraldo, Elísio, Laura, José Salles e Gilma

Pai de Família

Do casamento com Laura, nasceram João em 1959 e Cristina (Tininha) em 1960. Quando a menina nasceu, João Moreira, sogro de Elísio, chegou com uma chave e deu a Laura. A chave era de uma casa que tinha comprado para o casal no Fonseca, na Rua Abraão da Costa Saião nº 75. João Moreira pagou a entrada e Elísio e Laura foram pagando as prestações até quitarem o imóvel.

Rua Abraão da Costa Saião

Casa na Rua Abraão da Costa Saião, Fonseca, Niterói, RJ

O primeiro automóvel que Elísio comprou depois de casado foi um Ford 1939 verde. Sempre que iam para a casa de Cecília, vindo do Fonseca, o carro enguiçava em frente à estação do trem, próximo ao Moinho Fluminense. Laura, então, tomava um ônibus com as crianças, e Elísio ficava consertando o carro. Este mesmo carro também enguiçava quando Elísio ia levar Laura ao trabalho. As amigas já sabiam, e sempre que Laura chegava atrasada perguntavam se pegou carona com o marido.

Elísio tinha curiosidade por todo tipo de máquina, e os aparelhos eletrônicos não eram exceção. Certa vez, pegou um rádio emprestado com seu irmão, Rivadávia. Quando devolveu o aparelho, Rivadávia percebeu que o rádio não funcionava mais. Então, perguntou ao irmão: “O que você fez com o rádio Elísio?” A resposta: “Eu abri o rádio, e encontrei uns parafusos frouxos. Então, resolvi apertar”. Os ‘parafusos’ eram para regular os delicados filtros de sintonia do rádio, um super-heteródino. Riva teve que chamar um técnico para regular o aparelho novamente.

Quando Fernando, irmão de Laura, se casou, em 1965, João Moreira repetiu o que fez com cada um dos filhos, e o ajudou a comprar uma casa no Centro de Niterói. Era um sobrado na rua Senador Nabuco 45, esquina com Marquês de Olinda. João propôs que Fernando Moreira ficasse com a parte de cima e Elísio com a parte de baixo. João Moreira ajudou com a entrada de Fernando, e os dois pagariam as prestações fixas até quitar a compra, quando, então, assinariam a escritura definitiva. Elísio morava no Fonseca e resolveu vender o carro, o mesmo Ford 1939, para pagar a entrada da nova casa. Quando se mudaram, o motorista do caminhão não quis levar o tampo de vidro da mesa da sala, pois havia o risco de quebrá-lo. O tampo era muito grande e pesado e Elísio chamou Fernando para ajudá-lo. Os dois vieram a pé desde o Fonseca até o Centro (cerca de três quilômetros) trazendo o tampo. A cada trecho do percurso, paravam em um bar e tomavam uma pinga. Foi quase um milagre o tampo da mesa ter chegado inteiro.

Casa na Rua Senador Nabuco, Centro, Niterói, RJ

Casa na Rua Senador Nabuco, Centro, Niterói, RJ

Elísio trouxe para Niterói sua Mineirice. Era calado, gostava de pescar, de tomar uma pinga e de acordar cedo. Usava uma bicicleta para trabalhar, que era também o meio de transporte para fazer compras. Quando os filhos já podiam acompanhá-lo, instalou uma cadeirinha no guidão da bicicleta. Se precisava levar as duas crianças, uma ia sentada no bagageiro. Costumava fazer compras na Rua da Praia, no Centro de Niterói, e deixava a bicicleta trancada em frente ao mercado. Um dia, ao voltar com as compras, não encontrou a bicicleta. Olhou em volta e não conseguiu descobrir quem a teria levado. No dia seguinte, saiu dizendo que ia buscar a bicicleta. João Moreira estava na casa do genro, e duvidou que Elísio fosse capaz de recuperar o que fora roubado no dia anterior. Perto do local do furto, havia um ponto de ônibus para uma linha que ia para São Gonçalo. Elísio imaginou que o ladrão estivesse na fila, e, vendo a oportunidade, furtara a bicicleta e fora com ela para casa. Elísio entrou no ônibus e indagou ao motorista e ao trocador se lembravam de alguém que tivesse deixado de viajar na véspera, no horário do furto. Sem conseguir uma pista concreta, continuou no ônibus a caminho de São Gonçalo até que viu uma bicicleta igual à sua parada na calçada. Já estava pintada de outra cor, e sem a cadeirinha que usava para levar as crianças. Pediu ao motorista para parar e desceu do ônibus. Conversou com o dono da bicicleta, e contou sua história. O rapaz disse que tinha comprado a bicicleta na véspera, e levou Elísio ao vendedor. Lá, Elísio teve a confirmação de que a bicicleta fora adquirida na véspera, e encontrou a cadeirinha onde transportava as crianças. Ameaçando fazer queixa à polícia, Elísio conseguiu que a bicicleta lhe fosse devolvida. Já era bem tarde quando chegou em casa com a bicicleta, para surpresa de todos.

Da infância em Minas, Elísio trouxe um gosto por criar passarinhos. A área de serviço da casa tinha um corredor comprido, que era cheio de gaiolas com coleiros, canários e outros pássaros, mas o preferido era um curió chamado Bicudinho. Elísio tratava o pássaro com muitos mimos, e até o levava para o serviço. Um dia, o gerente da agência passou pela sala e viu a gaiola pendurada na parede. Perguntou aborrecido de quem era o passarinho, e os funcionários lhe disseram que era de Elísio. O gerente então sorriu: “Esse Bahia!!” No Banco, Elísio era conhecido pelo sobrenome.

Elísio no trabalho

Elísio no trabalho

 

Pescarias, Automóveis e Outras Aventuras

Morando tão perto do cunhado, Elísio fez grande amizade com Fernando Moreira. O passatempo preferido eram as pescarias. Pescavam na Praia das Flexas, e vinham para casa com uma fieira de peixes. A criançada da rua logo notou o hábito, e Elísio ganhou o apelido de “Seu Canhanha” (nome de um peixe muito comum naquela época). Da primeira vez que Elísio convidou os irmãos para uma reunião de família na casa da Senador Nabuco, Mário (ou Rivadávia) chegou à rua seguindo as orientações, mas não sabia ao certo o número da casa. Ao encontrar uns meninos brincando, perguntou sobre Elísio Bahia, um senhor alto, que tinha uma bicicleta. Os meninos não conheciam ninguém com este nome. Mais detalhes foram somados à descrição, até que foi dito que ele gostava de pescar, e que gostava de consertar carros. Então, um dos meninos exclamou: “Ah! É o seu João Canhanha, pai do Joãozinho! Ele mora ali”. É que a maioria dos meninos da rua tinha o mesmo nome do pai, e Elísio ficou também conhecido como “Seu João”.

Elísio estava sempre fazendo reparos na sua própria casa. Consertava as bicicletas, as paredes da casa e fazia alguma pintura de parede quando necessário. Quando Riva vinha visitar e notava algum reparo feito pelo irmão, brincava: “Isto é coisa do Elísio”. A brincadeira o deixava chateado, mas logo já estavam relembrando as aventuras passadas em Pedro Leopoldo. Raramente havia consenso sobre como algum fato havia acontecido, e levavam horas discutindo sobre o tema.

Mesmo quando estava visitando algum parente, ou quando passava férias com a família em Barra de São João, Elísio aproveitava para pescar. Ele e Fernando improvisavam o material da pesca, enrolando a linha em garrafas ou latas de óleo, e utilizando mariscos catados nas pedras como isca. Certa vez, apareceu um grande cardume na barra do Rio São João e lá foram os pescadores. Quase não era preciso usar iscas! Bastava lançar a linha ao mar e sair recolhendo, que vinha sempre um peixe no anzol. Perto deles estava um pescador com iscas de camarão e um belo molinete, que não estava conseguindo pescar nada. Quando viu os dois com a fieira improvisada com um ramo de árvore cheia de peixes, ficou aborrecido e foi-se embora. Nas visitas ao cunhado Paulo Moreira, em Conceição de Macabu, Elísio também era convidado para as pescarias de rio, e se admirava ao ver o Sr. Osório, sogro de Paulo, mergulhar e voltar com dois ou três cascudos na mão, catados nas locas da margem do rio.

O fascínio de Elísio pelos automóveis nunca arrefeceu. Sempre que podia, trocava de carro por um modelo mais novo, ou melhor. Foram muitos modelos: Ford 1939, Fiat Pulga, Austin, Gordini, Vemaguete, Vemag, Aero Willis, Opala, Rural Willis, VW Variant, Fusca, etc… Adquiridos já bem rodados, os carros da família davam problema nas viagens a Minas, quando iam visitar Miloca. Mal cruzavam a divisa dos estados, o carro enguiçava. Cada vez era um problema diferente, mas quase sempre exigia a parada em algum mecânico, e muita paciência. Certa vez, o carro ficou sem gasolina perto de Simão Pereira, e o posto local estava fechado. Perguntando pela cidade, Elísio descobriu que o prefeito era seu parente. O político ficou muito feliz em poder ajudar, e cedeu gasolina da prefeitura para que continuassem viagem até Juiz de Fora.

Quando vinham ao Rio, os parentes de Elísio passavam em Niterói para uma visita. Um destes era Sílvio de Milu, filho de Romero de Carvalho Filho (o Milu) e Francisca Gonçalves Ferreira (Chiquita, prima de Elísio). Em Niterói, Sílvio chamava o primo para sair: “Ilísio! Vamo pro Bipapão”. Iam ao Bicho Papão, restaurante de peixe em Jurujuba, onde bebiam todas. A farra levava vários dias, até que o dinheiro de Sílvio acabava, ou algum compromisso o levava de volta a Pedro Leopoldo. Quando Laura tomava conhecimento destas aventuras, reclamava com Sílvio, e ameaçava contar tudo para sua mulher, Eugeninha. Quando a esposa vinha junto, Sílvio se comportava, e convidavam Elísio e Laura para passear no Rio. Uma vez, Sílvio de Milu veio de Cabo Frio com os amigos. Estavam todos embriagados, e quem os recebeu foi Laura. Ela ligou para Elísio no trabalho e pediu ajuda, pois não tinha acomodação para todos. Ao chegar em casa, Elísio já tinha uma solução: Levou o primo e os amigos para o sítio de João Moreira no Rio do Ouro, um lugarejo próximo. Lá, mostrou a casa para todos, e disse que eles poderiam ficar à vontade e dormir, pois ele viria buscá-los depois do expediente. Mas ao entrarem na cozinha, havia um esqueleto estendido no chão, que Lúcia, irmã mais nova de Laura, tinha tratado com formol e deixou secando para seus estudos de medicina. Apavorados, os rapazes não quiseram ficar dentro da casa. Quando Elísio voltou, encontrou todos em um buteco próximo.

Um outro primo de Elísio era Zé Bahia, filho de Jusa, que por sua vez era irmão de Miloca. Zé Bahia era casado com Irene Ferraz, uma Paulista de descendência Portuguesa, com quem teve quatro filhos: Ilka, Raquel, Jussara e José Anselmo. Moravam em Sete Lagoas, e sempre que ia a Minas, Elísio ia visitá-lo. Quando chegava, o Zé dispensava os pacientes do consultório dentário que ainda não tinham sido atendidos e saía para passear pelas fazendas de Minas com o primo. Zé Bahia tinha uma Rural Willis verde. Num destes passeios, foram à Fazenda da Cachoeira de Cima em Maravilhas, onde Miloca passou a juventude. Outro lugar visitado foi o rancho de Zé Bahia às margens do Rio Vermelho. Era um casebre simples, e o Zé queria que Elísio e a família passassem a noite lá, mas ameaçava chover, e tiveram que sair antes do temporal, pois o carro de Elísio não era próprio para estradas de lama. Alguns anos mais tarde, o rio levou o rancho em um ano de muita chuva e enchentes.

Quando ia a Sete Lagoas visitar Zé Bahia, Elísio encomendava com antecedência um garrafão de cachaça da boa e um metro de fumo de rolo. O Zé sabia onde conseguir artigos de primeira, e guardava para Elísio a encomenda. A cachaça, tirada da “cabeça” (o início da destilação, onde o teor de álcool é maior), era fortíssima. Na volta para casa, já em Pedro Leopoldo, Elísio acrescentava à bagagem tripa de porco, pequi e jenipapo, para preparar linguiças e liquores em Niterói. Numa das viagens, o garrafão de cachaça se quebrou no porta-malas, e o cheiro da cachaça era de tontear os passageiros e motorista. Tiveram que parar na estrada mesmo e descer a bagagem toda para retirar o vidro quebrado e secar o porta-malas.

O gosto por mecânica de Elísio era partilhado por seu sobrinho, Mariozinho. Uma vez, Mariozinho apareceu em Niterói com um Jeep Willis do tipo usado durante a Segunda Guerra. Quando Elísio chegou em casa, o Jeep estava todo desmontado na calçada. Os dois devem ter se divertido bastante remontando o carro. E nestes casos, era comum sobrarem algumas peças no final. Mariozinho tinha um caminhão e sempre que passava por Niterói comprava uma torta na Leiteria Brasil e passava na casa de Elísio e Laura. Os filhos de Elísio adoravam a visita, com muitas histórias das aventuras pelo Brasil, e se deliciavam com a torta.

Sítios e Fazendas

Elísio também trouxe de Pedro Leopoldo um gosto pela vida rural, lembrança das fazendas dos tios e primos. Assim que as finanças permitiram, e por incentivo do irmão, Geraldo Bahia, Elísio comprou um sítio – uma posse – em Xerém, na Baixada Fluminense. A compra foi feita em Junho de 1973, e o preço foi de três mil Cruzeiros por sete hectares de terra. Lá, criava porcos e cultivava mandioca e banana. Para complementar a ração dos animais, fez um acordo com a cantina da agência bancária onde trabalhava, e às Sextas-Feiras recolhia as sobras de alimentos e levava para o sítio, para servir de lavagem. A acidez da lavagem chegou a corroer o piso de um Volkswagen TL a tal ponto que Elísio se desfez do carro com medo de que o banco do motorista caísse com o carro em movimento, atropelando o próprio dono. Geraldo Bahia tinha um sítio vizinho, onde chegou a ter um cavalo e uma vaca. Depois, passou a criar frangos de granja e porcos, em sociedade com Elísio. Quando os frangos chegaram ao peso de abate, os irmãos não conseguiram vender o produto, e resolveram usar as aves para consumo próprio. Toda semana, vinham para casa carregados de frangos.

Em 1975, através de um consórcio, Elísio comprou o primeiro carro zero: um VW Brasília. Na primeira noite, deixou o carro dormindo na rua em frente ao apartamento, como fazia com todos os seus carros até então. Mas o carro novo despertou a atenção de oportunistas, que arrombaram o porta-malas e levaram o pneu sobressalente e o macaco do carro. Desde então, Elísio acordava com qualquer barulho suspeito, e gritava da janela se via alguém próximo ao carro. Chegou a colocar atrás da cortina do quarto um poster do Roberto Carlos, que visto da rua à noite parecia alguém vigiando. Com o carro novo, a viagem anual a Pedro Leopoldo transcorreu sem problemas. Lá, porém, o filho João pegou o carro emprestado e amassou o pára-lama numa batida com um caminhão. O carro ficou uma semana na oficina antes de poderem viajar de volta a Niterói. O mesmo carro serviu para uma viagem mais longa, até a Bahia, façanha impensável com os carros anteriores. Foram férias longas, passando por Salvador, Porto Seguro, Ilhéus e Guarapari. De volta ao Estado do Rio de Janeiro, fizeram as visitas costumeiras ao irmão Mário, em Bom Jesus do Itabapoana, e aos cunhados Paulo, em Macabu, e Carlos, em Trajano de Moraes.

Elísio e Laura em Salvador, Bahia, em 1977

No inverno de 1981, Elísio perdeu a mãe, que já estava há algumas semanas doente. Laura já estava em Pedro Leopoldo ajudando a cuidar da sogra, mas Elísio tinha compromissos no trabalho, e só viajou para ver a mãe quando teve notícias de que a sua saúde estava piorando. Ao chegar, Miloca estava sendo velada na sala da casa.

Tendo sentido na pele as dificuldades causadas pela falta de estudo, Elísio dava muito valor à educação dos seus filhos. Sempre repetia que seu avô vendera uma fazenda para pagar a escola dos filhos. Laura também veio de uma família onde a educação era valorizada. João Moreira, um Português vindo para o Brasil por volta de 1915, também fez grande sacrifício para educar seus filhos. Assim fez o casal, e João e Cristina sempre estudaram em boas escolas em Niterói, e depois no Rio de Janeiro. O esforço frutificou e os dois alcançaram nível universitário. João se formou em Engenharia Eletrônica e Cristina em Psicologia. O interesse do rapaz por eletrônica veio por estímulo do próprio pai. Quando o filho tinha uns treze anos, Elísio iniciou um curso por correspondência no Instituto Universal Brasileiro, de técnico em eletrônica. O sonho era montar um rádio, ou melhor ainda, um transmissor de rádio. Mas as apostilas chegavam e iam se acumulando, pois Elísio tinha pouco tempo para digerir o material. Quando começaram a chegar as peças para montar o rádio, Elísio pediu a ajuda de João para montar o aparelho. Com acesso às apostilas, o jovem ávido por informações acabou estudando eletrônica e montando o rádio para o pai.

irmaos_bahia_vianna_1983

Em 1983, Elísio ficou preocupado com sua remuneração futura. O cargo de contínuo havia sido extinto e lhe deram uma posição na portaria do Banco. Com a mudança, perdeu algumas gratificações que conquistara. Fez as contas e descobriu que era melhor se aposentar antes de perder as outras gratificações. Embora tivesse trabalhado desde os dezessete anos, havia poucas anotações na sua carteira de trabalho antes do emprego no Banco do Brasil, e seu tempo de contribuição era de pouco mais de 30 anos. Como era associado da Caixa de Previdência do Banco, sua aposentadoria foi complementada, e reajustada conforme os aumentos dos funcionários da ativa. Com isso, passou a ter uma vida tranquila e pode se dedicar a cuidar dos seus sítios e pescarias, e fazer excursões com Laura pelo Brasil. Uma ou duas vezes por ano, fazia uma viagem ao norte do Estado para visitar os irmãos, Mário em Campos, Geraldo em Cabo Frio, e os cunhados Paulo e Carlos, que também moravam no norte do Estado.

Em 1990, João, comprou uma fazendinha em Conceição de Macabu. O pai emprestou parte do dinheiro para o pagamento, que foi feito à vista. Foi sorte para Elísio. Logo no início do governo de Fernando Collor de Mello, sua equipe econômica criou um plano que confiscou os depósitos bancários e de poupanças, para devolvê-los muitos meses depois, corroídos pela inflação. João tinha um bom salário, e pagou de volta o empréstimo em pouco tempo. O dinheiro foi providencial, porque no mesmo ano se casava a filha, Cristina, e Elísio pode usar o dinheiro para pagar pela cerimônia. Quase sempre que o filho ia à fazenda Elísio ia junto, e por três anos foram muitas aventuras, em que relembrou os velhos tempos do Sítio de Xerém. Na fazendinha, além do gado para engorda, criaram porcos, patos, galinhas d’angola e de pescoço pelado. Cultivaram milho, feijão, mandioca e frutas cítricas, além de plantarem várias árvores frutíferas, das quais poucas vingaram, pois sempre algum boi ladrão pulava a cerca e se deliciava com as folhas tenras da mudinha recém-plantada. No açude ao fundo da propriedade, Elísio pescava traíras no fim da tarde. Sempre voltavam para Niterói com o porta-malas do carro cheio. Eram bananas, mandiocas, carás, … Numa das viagens, João estava sem carro, e foram no Fusca 67 de Elísio. Na estrada, o Fusca foi ultrapassado por um Ford Escort, bem mais novo. Elísio pisou no acelerador e estava elogiando o carro por conseguir acompanhar o outro quando o motor pifou. Conseguiram chegar com muito custo a uma oficina próxima, onde o mecânico constatou que um dos cilindros havia furado com o esforço. Removida a vela do cilindro furado, o carro ainda rodou uns oitenta quilômetros com apenas três cilindros funcionando e em velocidade reduzida até chegarem ao destino, onde a peça foi substituída.

João, Paulo, Laura e Elísio em Conceição de Macabu, 1993

João, Paulo, Laura e Elísio em Conceição de Macabu, 1993

Quando se tornou avô, em 1992, Elísio morava no Bairro de São Francisco e possuía um sítio no Rio do Ouro. Ia lá toda semana, mas também gostava de se reunir com os amigos em uma padaria perto de casa, em frente à praia. Quando saía de casa, dizia à neta que ia para o sítio, para não ter que levá-la junto, mas algumas vezes Laura saía com a neta e o encontravam na padaria. Certa vez, a menina pediu ao seu tio Amaro que comprasse para ela balas do tipo que havia no “Sítio do Vovô”. O tio lhe disse que o sítio era muito longe, e não poderia ir lá para comprar a bala. A menina então retrucou: “Não tio Amaro! O Sítio do Vovô é logo ali na praia” [1].

Elísio e a neta, Jéssica

Elísio e a neta, Jéssica

No “Sítio do Vovô” havia dois frequentadores ilustres: Manoel e Joaquim, dois cães de rua. Joaquim sempre acompanhava um morador de rua, e Manoel gostava muito de Elísio e de Chumbo, um motorista de ambuläncia muito amigo de Elísio. Os dois cães eram mimados por todos, e acabaram com problemas de coração e de hipertensão, de tanto comerem presunto no bar, já que recusavam qualquer outra comida. Em dia de vacinação de animais, cada um que se lembrava levava o Manoel ao posto de vacinação. A funcionária do posto perguntava: “Qual é o nome do cachorro, e o endereço?” Ao saber que este era o Manoel e o endereço era o da Padaria, a funcionária exclamava: “Mas este já veio aqui várias vezes!!” Manoel gostava de acompanhar o carro do Bahia. Corria atrás do veículo até se cansar e perder distância, e então voltava para a padaria. Um dia Manoel seguiu Chumbo pela ladeira que levava à sua casa e não resistiu – morreu de infarto no caminho.

Elísio e a família em Dezembro de 2005

Elísio e a família em Dezembro de 2005

Em um dia de Abril de 2006, como era de costume, Elísio foi para o Sítio do Rio do Ouro. A tarefa escolhida para aquele dia quente foi pintar o portão de entrada. No caminho de volta, Elísio passou mal e encostou o carro no Largo da Batalha. Havia sofrido um acidente vascular cerebral. Passou algum tempo dentro do carro quente até que alguém percebesse que havia algo errado e o socorresse. Foi levado para o posto de saúde local e a filha Cristina foi avisada, e veio socorrer o pai, mas muito tempo se passou até que Elísio fosse atendido. O dano foi grande, e Elísio perdeu os movimentos e a fala. Os rins, fígado e pulmão já comprometidos com os abusos da juventude impediram que o tratamento necessário fosse administrado, e ele não resistiu nem uma semana no hospital. Dos irmãos Bahia Vianna, tinha sido o penúltimo a nascer, e foi também o penúltimo a partir, deixando viva a irmã caçula, Maria Mária.

João Bahia Vianna

Agosto de 2014

Referências

[1] – MOREIRA, Maria Laura – Relatos gravados em arquivos MP3

[2] – VIANNA, Mário da Conceição – Anotações pessoais

[3] – VIANNA, João A. M. Bahia – Memórias de conversas com seu pai e seus tios

Notas

(1) – Certidão de Nascimento de Elísio
“Cópia do registro civil de meu filho Elísio Bahia Vianna.
Raymundo Gonçalves, Escrivão Interino de Paz e official do registro civil desta cidade de Pedro Leopoldo, Estado de Minas Geraes,
Certifico que revendo os meus livros de registro de nascimento de n.5 (folhas 179v) folhas cento e setenta e nove, verso, encontrei as seguintes declarações. N.59 – Elísio Bahia Vianna – Aos 5 – cinco dias do mês de Maio do anno de mil novecentos e vinte e oito (1928) em meu cartório, nesta cidade de Pedro Leopoldo, da Commarca de Santa Luzia, Estado de Minas Geraes, compareceu o Sr. Mário da Conceição Vianna, brasileiro, casado, empregado da Estrada de Ferro Central do Brasil, natural desta cidade, que conheço ser o próprio, e em presença das testemunhas abaixo assignadas declarou que no dia vinte (20) digo no dia treis (3) deste mês de Maio do corrente annom aos (20) vinte minutos do dia, em seu domicílio à Rua Neiva, nasceu uma criança de côr clara, do sexo masculino, e que logo lhe puseram o nome de Elísio, é o 6º filho legítimo delle declarante e sua mulher D. Maria Emília Bahia Vianna, esta natural de Maravilhas, do município de Pitangui, tendo a criança os seguintes avós: pelo lado paterno de Francisco de Paula Fonseca Vianna e D. Carolina Vianna, elle já fallecido e esta reside nesta cidade e pelo lado materno de Cândido Gonçalves dos Reis e D. Anna Gonçalves Bahia, ambos já fallecidos. Do que para constar faço este termo que vae assignado pelo declarante, pelas testemunhas e por mim José Teixeira Júnior, Escrivão interino que escrevi e assigno. José Teixeira Júnior, Mário da Conceição Vianna, Francisco Xavier, Lindolpho José Ferreira. É tudo que contém o dito registro e que copiei fielmente e dou fé. O escrivão interino de Paz. ass. Raymundo Gonçalves
Pedro Leopoldo, 3 de Julho de 1928 ass. Raymundo Gonçalves
Copiado em 5 de Julho de 1928. Mário C. Vianna”